terça-feira, 2 de outubro de 2012

Pastor Maldonado





























Todo mundo anda babando Sergio Perez.

Há motivos.

O mexicano é novo.

22 anos.

E mostra talento.

Lapidado por uma grande equipe como a McLaren, poderá evoluir muito.

Fico olhando essa situação.

E passo a lamentar por outro piloto.

Pastor Maldonado.

O venezuelano não teve essa oportunidade.

De ser corrigido em sua formação.

O piloto nunca foi tratado como aluno.

E sim como cliente.

Por ser o dono do dinheiro.

Ele já chegou tarde na Fórmula 1.

25 anos.

Mas seu talento é assombroso.

Faz coisas impossíveis com aquele carro da Williams.

E até venceu uma prova.

Se tivesse tido uma formação melhor, com mais cuidado, mais aconselhamento,
seria com certeza mais regular.

Somando isso a suas qualidades naturais, teríamos um piloto disputado por todos
os grandes times.

Maldonado deveria ter passado, desde o começo, por uma equipe que ele respeitasse.

Que ele sentisse ser maior que ele.

Para fazer nascer dentro do piloto o sentimento de cuidado.

Zelo.

A necessidade de se tornar melhor para ser digno de estar ali.

Isso o faria crescer.

Amadurecer.

Ter disciplina nas corridas.

E conquistar resultados ainda maiores.

Ter dinheiro é bom.

Abre portas.

Cria oportunidades.

Mas o melhor conhecimento ainda não tem preço.

10 comentários:

Paulo Heidenreich Jr disse...

Seu comentário é muito pertinente Corradi. As vezes fico pasmo vendo como esse cara anda rápido. Se ele tivesse a frieza necessária, poderia estar brigando no meio da tabela com a Renault (Grosjean) e a Mercedes (Rosberg)..

Anônimo disse...

Vejo que parte dessa culpa é do próprio Maldonado, que levou muitos anos na GP2 para enfim conseguir ser campeão, além de seu país ter 'aberto os olhos' tarde para ele.

Ainda assim, penso que ele, na verdade, sempre teve a ideia de ser o dono do dinheiro e que podia fazer tudo que quisesse, ainda que fosse piloto da Williams, diferente de Pérez, que mesmo tendo um enorme patrocínio e sendo da academia da Ferrari, cogitado constantemente para a equipe este ano, sempre manteve os pés no chão.

O triunfo em Barcelona lhe subiu à cabeça e, aliado à falta de um piloto experiente dentro da equipe, o fez se perder ainda mais.

TW

Ron Groo disse...

Podem malhar, mas para mim são iguais em tudo.
Até no fato de serem pagantes.

Anônimo disse...

Nunca saberemos com certeza...

Quem pagou, e por isso foi contratado por uma equipe, e quem foi contratado por uma equipe e, consigo, trouxe uma grana boa para a equipe...

um abraço,
Renato Breder

Jobson disse...

Corradi,

Creio que isso também faltou para o Juan Pablo Montoya...

Abraço!

Rodrigo Keke disse...

Pastor pode vir a se tornar uma espécia de 'novo Arnoux', estupidamente veloz mas incapaz de converter isso em uma temporada consistente devido as inúmeras confusões que se envolvia dentro da pista. O francês até conseguiu fazer um grande ano em 1983, quando tinha um foguete na mão. Talvez Maldonado não tenha essa oportunidade.

David Félix disse...

Corradi

O que prejudicou o Maldonado foi a ma formação na base, ele perdeu qualquer resquicio de carater que podia ter quando fez cagadas como se engavetar com o Grosjean e uma turma lá na World Series com a corrida em bandeira amarela por pura imprudencia... e dois anos depois na GP2 mostrando que não havia aprendido a lição privou um fiscal de pista em Monaco a jamais ter o prazer de caminhar por imprudencia novamente quando o atropelou com a corrida em bandeira vermelha... a minha conclusão que esse cara jamais podia chegar na F1, mas com dinheiro hoje em dia compra-se tudo...

Acho que pesa ainda o fator de que o cara passou 4 anos pra conseguir ser campeão da GP2... se voce observar hoje no grid, os pilotos que venceram a GP2 em menor tempo são considerados os melhores, Hamilton, Rosberg, Hulkenberg, esses caras ganharam a GP2 em duas temporadas e só... acho ainda que o Rosberg foi em uma só...

Outros que não foram campeões mas em duas temporadas fizeram bonito foi o Perez, Senna, Piquet Jr.

Agora olha só os caras que fazem companhia ao Maldonado como eternos pilotos de GP2 que levaram 4 anos e uns até mais para vencer este campeonato... - Glock, Pantano, Grosjean, Valsecchi...

Me perdoem e eu sei que vou ser malhado aqui, mas ele não é tudo isso, essa vitória na Espanha me cheira a manipulação desde o início, pois por uma incrível coincidencia era aniversário do Frank e tals e de repente os carros são carbonizados... me perdoe, mas depois da era Schumacher e depois do Cingapuragate e F1 perdeu credibilidade comigo, apesar de eu ainda amar o esporte...

Outra coisa Frank que não é bobo nem nada, voltou aos seus velhos costumes e fez um carro muito bom e outro + ou - naturalmente o bom ficou com o dono da grana, por isso é até injusta essas comparações de performance com o Senna nos treinos, apesar de que ele compensa nas corridas fazendo belas provas e sendo constante...

Eu sinceramente espero que o Maldonado deixe a F1 num futuro breve, a PDVSA vai cansar de ve-lo brincar de corrida e vai tirar a grana da parada... apesar de já ouvi notícias de que os olhos deles estão no Johnny Ceccoto Jr. que fez umas boas provas de GP2 neste ano...

Humberto Corradi disse...

David Félix

Há uma turma de venezuelanos chegando por aí.

Uma noção.

http://continental-circus.blogspot.com.br/2012/10/pastor-maldonado-ponta-do-iceberg.html

Valeu

Rodrigo Keke disse...

Na trajetória da F1 existiram vários pilotos com um enorme talento bruto, mas que por motivos diversos, nunca conseguiram transformar esse talento em resultados proporcionais a sua capacidade. Jean Alesi, Ivan Capelli, René Arnoux (pra mim é um caso emblemático), Juan Pablo Montoya, Chris Amon... alguns não 'vingaram' por descontrole emocional, outros por estarem no lugar errado (ou certo) na hora errada, aquele outro por algo banal como um azar interminável. Maldonado pertence a esse grupo.

Mas no automobilismo é assim mesmo: o limite entre ter talento e fazer bom uso dele é as vezes intransponível. O meio é severo com os que não estão suficientemente preparados e/ou não tem sorte. E antes que venham falar de Ayrton Senna, Jim Clark, Jackie Stewart... stop. Eles são exceção. Tem muita gente por aí com bastante talento natural, mas raríssimos conseguem usar isso para se tornarem lendas.

Jaime Boueri disse...

Maldonado é rápido. Tem talento, o rapaz...

É bem estilo Montoya. Win Or Wall.

Pelo jeito, tio Frank gosta desses sujeitos. Acho que ainda pode surpreender mais.

Aposto nele.