domingo, 21 de maio de 2017

Quase na Indy










































O ano é 1986.

Enzo Ferrari estava extremamente contrariado com os rumos da Fórmula 1.

O problema maior era o regulamento.

Ele gostaria de alterar as regras em relação aos motores.

Aborrecido, resolveu criar um plano para deixar a categoria.

O destino?

A Indy.

Um sonho antigo que morava no coração do Commendatore.

Repetir o feito da Lotus.

Vencer as 500 milhas de Indianápolis.

O que parecia uma loucura começou a tomar forma.

Para começar a Scuderia Italiana contratou Steve Horne, chefe da Tasman
Motorsport, como consultor técnico.

A coisa se desenvolveu durante um ano.

E o carro ficou pronto!

Passou pelo túnel de vento e pela pista de testes com resultados impressionantes.

Na imagem acima vemos Michele Alboreto experimentando o bólido.

Chegou a ser estabelecida uma data e local para sua estréia em competições nos
Estados Unidos.

Outubro de 1986.

Laguna Seca.

A cartada de Enzo caiu como uma bomba no mundo da Fórmula 1.

A ameaça de perder a Ferrari fez com que as regras fossem revisadas.

Acabando com a briga.

Com isso John Barnard, que havia assumido o projeto no final, resolveu
cancelar tudo e continuar na F1.

E o carro?

Voltou para a garagem.

De lá seguiu para o museu da equipe.

Se tornou uma lembrança.

Não se deve duvidar dos italianos.

Eles não costumam blefar.




sábado, 20 de maio de 2017

Espanholas


































Retratos.

Imagens especiais de Barcelona.

A Fórmula 1 sob o olhar da lente de mais de 100 anos da máquina de Joshua Paul.

Simplesmente genial!


sexta-feira, 19 de maio de 2017

Tá doido!





















"Lembre-se: não aperte o botão vermelho atrás do volant..."

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Salários 2017








































A remuneração dos pilotos da Fórmula 1 em 2017.

(valores em euro)

Lewis Hamilton e Sebastian Vettel estão no topo da lista.

Equilíbrio dentro e fora das pistas.

Reparou na diferença entre Daniel Ricciardo e Max Verstappen?

Isso se deve ao tempo quando os contratos foram assinados.

Há uma faixa intermediária interessante entre Kimi Raikonen e Sergio Perez.

Lance Stroll está no fim da lista.

Salário mínimo.

Clipping

























Ele já está na Indy.

Lembro de Emerson Fittipaldi comentando sobre sua primeira vez nos ovais
americanos.

Quando ele achava que estava acelerando muito, Mario Andretti passava
atropelando.

Colado no muro.

Há um período de aprendizagem...

Sobre Alonso

A Ferrari (Arrivabene) não quer saber do piloto espanhol.

A Renault não vai arrancar suas tripas para trazer Ferdi.

Já comentei que há uma proposta, mas a operação é considerada de alto
risco em Viry-Chatillon.

No mercado alguns querem vender a ideia de Bernie Ecclestone e Flavio Briatore
assumirem a Force India e aí você pode adivinhar quem seria o piloto principal.

Algo que parece mais ficção do que qualquer outra coisa.

Ninguém acredita num contato entre Alonso e a Mercedes.

Enquanto isso, lá atrás, a Williams continua acenando para ele...

(lugar de Massa, OK?).

(e não se esqueça de Button, de quem não gosto)

Mudou

Felipe Massa reconheceu que houve muitas mudanças na filosofia de trabalho
da Williams.

Os setores estão mais unidos.

Existe a expectativa que os frutos de trabalho de Paddy Lowe apareçam
realmente em 2018.

O Plano

Interessante o projeto da Sauber.

A meta é melhorar as receitas em outras frentes além do patrocínio do carro.

Assim haverá um investimento nas instalações em Hinwil para que o túnel de
vento possa atrair outros grandes clientes além da Volkswagen (Audi).

Por outro lado a parceria com a Honda retira da equipe suíça o status de
cliente já que os japoneses também colaborarão financeiramente.

Em troca, a sede da Sauber se tornaria um centro de desenvolvimento de
engenharia comercial vendendo tecnologia em conjunto com a Honda para
clientes externos ao automobilismo.

Coisa que a McLaren e Williams já fazem.

Tudo isso é parte do plano da Longbow Finance que por contrato também
investirá na Sauber.

A ideia é garantir algo em torno de 100 milhões de euros anuais para sobrevivência
(e crescimento) do time na Fórmula 1.

Antes do lançamento de ações na bolsa de valores.

2018

A Red Bull confirmou Daniel Ricciardo e Max Verstappen como titulares na
próxima temporada.

Palavras de Dietrich Mateschitz.

A declaração vem acompanhada de rumores que demonstram uma movimentação
envolvendo justamente um destes pilotos.

Pergunta

Se na segunda parte da prova em Barcelona Ricciardo andou com um mapeamento
de motor menos agressivo, como ele melhorou o desempenho em relação aos líderes
(Vettel e Hamilton) que brigavam e aceleravam tudo que podiam?

Volta?

Olhando as necessidades do mercado, Felipe Nasr parece estar ganhando aliados
poderosos.

McLaren - Honda -Mercedes

Qual a verdadeira história?

A McLaren realmente abriu negociações com a Mercedes.

Mas não é o que você está pensando.

A parceria não excluiria a Honda.

As tratativas seriam para que os alemães fornecessem o MGU-K (que recupera
a energia gerada pelos freios) e o MGU-H (que recupera a energia térmica
gerada pelos gases).

Mario Illien seria o responsável por garantir que o novo sistema adaptado
(e a parceria) funcione.

Eliminando fraquezas.

Pode ser.









quarta-feira, 17 de maio de 2017

Espanha - 2017



























Primeiro.

O Blogueiro estava viajando com a família.

Daí a ausência.

Mas acompanhei a corrida de Barcelona.

Mais uma prova espetacular.

E esclarecedora.

Está evidente que Mercedes e Ferrari precisam ser perfeitas para poderem vencer.

Em tudo.

Pois há muito equilíbrio.

Lewis se recuperou do infortúnio da Rússia e somou outra vitória a sua carreira.

Vettel dirigiu o fino.

A ultrapassagem sobre Bottas entrou para a história da Fórmula 1.

Falando nisso.

Outra coisa clara foi que a Mercedes não hesitará em sacrificar Valtteri
em favor de Hamilton.

Para que não ocorra nenhum mal entendido, sei que a ação faz parte do jogo.

(e o campeonato de construtores?)

Por conta disso Sebastian perdeu algo em torno de 7 segundos.

Bottas?

Ele que se exploda!

(pensamento dos prateados)

E explodiu.

Foi patético ver o finlandês, que venceu a etapa anterior, fora da corrida e rindo
ao lado de Toto Wolff e do Dr. Dieter Zetsche (Daimler).

Fico imaginando quantas vezes Rosberg passou por situação semelhante.

De descarte.

O abandono do time no final do ano passado, sem avisar e logo após conquistar
o campeonato, deve ter sido uma catarse.

O tamanho do título de Nico só está aumentando com o tempo.

Resta a Scuderia italiana também trabalhar em favor de Seb.

Mais ainda, claro.

Vettel comanda Maranello.

E os demais?

A Red Bull não funcionou.

Daniel Ricciardo quase tomou uma volta.

A Force India é uma das estrelas da temporada.

Esteban Ocon e Sergio Perez conseguiram pontuar em todas as etapas até aqui.

Entretanto Pascal Wehrlein foi o herói.

Aproveitou as saídas de Raikkonen e Verstappen e as mazelas das Williams.

Colocar a Sauber nos pontos é digno de destaque.

Gosto muito dessa geração.

Wehrlein, Ocon, Magnussen...

Agora, somente a McLaren não conseguiu pontuar em 2017.

Como as benesses costumam passar primeiro pelo bólido de Alonso,
Vandoorne sofre um pouco mais.

O maior problema da unidade de força da Honda ainda é a confiabilidade
de certas partes.

Isso está sendo resolvido.

Abaixo, os números.

















sábado, 13 de maio de 2017

Deserto


























Olhando de cima o complexo do Las Vegas International Speedway.

Quem dera!





























Vespeiro.

Felipe Massa cutucou.

Disse desaprovar a atitude de Fernando Alonso.

Considerou equivocada a decisão do piloto espanhol de abrir mão de
participar do GP de Mônaco em favor das 500 milhas de Indianápolis.

Entendo o pensamento do brasileiro.

Massa parece colocar a Fórmula 1 acima de qualquer outra categoria.

O que é verdade.

Nada se compara realmente.

Porém fico com a impressão de algo a mais na fala do brasileiro.

Como se ele se colocasse no lugar de Ferdi.

Um bicampeão mundial.

Idolatrado por tantos pelos seus feitos.

Por suas grandiosas conquistas.

Tipo assim.

"Ah, se fosse eu em seu lugar..."

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Mini




















Nas imagens acima vemos um pouco da história da Nascar.

O circuito que serve de cenário para as fotos é o Islip Speedway, localizado
em Nova York.

Nunca ouviu falar?

Tudo bem.

Ele não é mais utilizado pela famosa categoria americana já faz algum tempo.

A curiosidade aqui vale pela extensão da pista.

Apenas 321 metros.

Isso mesmo.

A menor já utilizada (de 1964 até 1971) pela Nascar.

É tão pequena, que faz Martinsville (846 metros) e Bristol (857 metros),
ambas ainda no calendário, parecerem gigantes.



quarta-feira, 10 de maio de 2017

Quanto custa trazer a Fórmula 1?






























Interessante saber quanto alguns circuitos desembolsam para receber
um Grand Prix de Fórmula 1.

(valores em euro)

Abu Dhabi (65 milhões) e Cingapura (56,5 milhões) encabeçam a lista.

Baku, Red Bull Ring, Xangai e Sochi pagam o mesmo valor (45 milhões).

Suzuka vem a seguir (41 milhões).

Albert Park (34 milhões).

México (27 milhões).

Hungaroring (26 milhões).

Interlagos e Monza (25 milhões).

Canadá (22 milhões).

Barcelona (18 milhões).

Silverstone (15 milhões).

Spa-Francorchamps (14 milhões).

E por fim, Mônaco (5 milhões).

Repare que, como deixou claro certa vez Bernie Ecclestone, algumas
localidades mais novas pagam bem mais que outras tradicionais.

Uma forma de viabilizar e manter certas tradições.

Ah, sim.

A pista que aparece na imagem acima não paga nada para a F1.

Em compensação, a categoria máxima do automobilismo também
não passa por lá...