terça-feira, 26 de maio de 2020

Clipping
























Um Clipping!

Fazia tempo...

Mão

Uma pequena história.

Financeira.

Quando a Mercedes abriu negociações salariais para que
Lewis Hamilton se mudasse de Woking em 2012, a coisa
esbarrou nos valores.

Eram 34 milhões de euros.

Muito.

A Petronas ajudou.

A petroleira malasiana contribuiu com uma parte.

6 milhões.

Lembrando que os alemães bancavam o salário do piloto
inglês em seus tempos de McLaren.

Perguntar não ofende

Falando nisso.

Em dezembro de 2019 a Ferrari encerrou as tratativas com
Hamilton para ele ocupar o lugar de Sebastian Vettel.

Só depois confirmou com Carlos Sainz Jr.

El Dinero

A ida de Sainz Jr. para a Ferrari movimenta o mercado
televisivo espanhol.

Briga feia entre a Movistar e a DAZN.

Carlos assinou um contrato de dois anos com a Scuderia
Italiana.

Os vencimentos?

Serão 6 milhões de euros na primeira temporada e 7,5 milhões
na segunda.

Seu patrocinador, Estrella Galicia, vai acompanhá-lo.

Serão 3 milhões de euros para colocar seu nome na Ferrari.

(provavelmente no capacete)

Vettel e a Mercedes

Assim.

2021.

Toto Wolff diz que o quer:

Hamilton / Russell.

A Daimler (dona da Mercedes) fala em:

Hamilton / Vettel

Fazendo muitas estimativas com o marketing da coisa.

Decisão só daqui dois meses.

Quem?

Valtteri Bottas?

Ninguém fala mais nele.

Se ele for campeão em 2020??

Vocês perguntam cada coisa...

Dificuldades Financeiras

A McLaren e a Renault estão fazendo contas.

Os ingleses demitem e colocam carros lendários e seus
imóveis em garantias para empréstimos.

Já os franceses contam com o socorro estatal.

Trocas e Mudanças

No início de 2018, Daniel Ricciardo pediu 20 milhões
de euros para renovar com a Red Bull.

O Time dos Energéticos disse não.

Sabendo que o australiano estava no mercado, a McLaren
ofereceu o valor desejado pelo piloto.

Mas a performance do carro laranja não empolgou o aussie.

A Renault entrou na jogada.

Entregou a pedida salarial com mais dois bônus.

Se fosse campeão, o piloto receberia mais 5 milhões de euros.

E se a escuderia alcançasse o quarto lugar no Mundial de
Construtores, outros 5 milhões de euros.

No início deste ano houve uma discussão sobre redução nos
valores do acordo.

Ricciardo não gostou.

A presença de Esteban Ocon também  lhe deixou incomodado.

A gente sempre sente a mudança nos ventos futuros.

(pra você entender: Ocon é o Leclerc e Ricciardo é o Vettel...)

Só que o nobre Carlos Sainz Jr. já havia avisado seu chefe na
McLaren que iria se mudar para Maranello.

Então Zack Brown chamou Ricciardo para tomar um chá.

Daniel confirmou seu acordo com a McLaren.

Dois mais um.

2021 e 2022 (podendo ser estendido para 2023).

Salário de 10 milhões de euros.

Com um extra de 400 mil euros por ponto alcançado.

E um bônus de 1 milhão em caso de vitória.

Ah, sim.

E o status de primeiro piloto.

Por Fim

Faz tempo que a Ferrari já sabia (procurou Lewis).

Faz tempo que a McLaren já sabia (procurou Ricciardo).

OK.

E você acha que Sebastian Vettel não sabe seu destino?

Mister M.















































Ilusionismo.

O segredo revelado do volante flutuante criado por Bertone.

Lamborghini Athon

1980.

E essa alavanca "cabo de faca" da marcha?

segunda-feira, 25 de maio de 2020

Ralph De Palma






























As fotos acima são do piloto italiano Ralph De Palma.

Além de ser vencedor da lendária 500 milhas de Indianápolis é um dos recordistas de voltas lideradas.

De Palma fez sua história durante as loucas décadas de 20 e 30.

Seus números são assustadores.

O cara participou de 2889 provas na Europa e nos Estados Unidos.

Em 2557 ele terminou como vencedor.

Olhando a terceira foto dá pra notar que coragem não faltava.

Repare o Motordrome (pista de madeira) no fundo.

Na sua época era obrigatório correr com um mecânico ao lado nas 500 Milhas.

Coisa útil.

Ainda mais que o cara tinha a mesma vontade de De Palma na busca pela vitória.

Ou mais.

Já que a história conta que certa vez seu co-piloto pulou no capô do carro em movimento.

Para apagar um princípio de incêndio...

Melhor


























Bom dia petrolheads!

Alguns dias começam melhores que outros.

24 horas de Le Mans. 1973.

O piloto brasileiro Jose Carlos Pace com sua Ferrari.

domingo, 24 de maio de 2020

Moda

























Algumas vezes eles aparecem com uma roupa diferente.

Lembra de todos?

Karussell

































Bom dia petrolheads!

Na imagem acima aparece Jim Clark.

Nurburgring.

1967.

sábado, 23 de maio de 2020

Exercício
























Em 2011 a Sony fez uma proposta a Adrian Newey, o poderoso projetista
da Red Bull.

Construir um carro de corrida livre de regras e regulamentos.

O mais rápido do mundo.

Como seria?

A resposta podemos ver nas imagens acima.

Feito em conjunto com o designer Kazunori Yamauchi, a máquina,
que possui as rodas cobertas, de forma curiosa revela a genialidade
do passado ao buscar soluções no Chaparral 2J e da Brabaham BT46
com seu ventilador traseiro.

A velocidade final seria em torno de 450 km/h, com seu motor turbo V6.

Seus criadores revelam que o protótipo possui um problema.

Poderia matar o piloto, já que a Força G seria superior a 8,75.

Tá doido!

Jean Behra



























O francês Jean Behra pertencia aquela linhagem da Fórmula 1 que cometia excessos.

Daqueles que corriam no limite.

Ele começou sua carreira nas motos.

Seu físico era franzino.

Quase um jóquei.

Por isso tudo lembrava outro piloto.

Tazio Nuvolari.

Daí conquistou a admiração de Enzo Ferrari.

Behra sonhava com uma vitória.

Porém sua contratação pela Scuderia Italiana veio tarde demais.

Behra estava castigado.

Tinha 38 anos.

Seu corpo acusava o número elevado de vezes em que saiu das pistas.

O rendimento não era o mesmo do passado.

Sua cabeça não aceitava o fato de ficar atrás de seus companheiros de Ferrari.

Era sempre dominado por Phil Hill e Tony Brooks.

Isso o deixava irritado.

Nervoso.

Até que um dia seu sangue ferveu.

Achou que estava recebendo um equipamento inferior.

E acusou Romolo Tavoni.

Na briga esmurrou o diretor esportivo da equipe italiana.

Imagine Rubens Barrichello dando um soco em Jean Todt...

O piloto francês foi demitido.

Mas não desistiu.

Queria provar a todos que era um bom piloto.

Na Alemanha ele embarcou na corrida preliminar da fórmula 1 com seu Porsche.

A pista estava molhada.

Era Avus...

Precisa explicar?

Na nordkurve Jean Behra perdeu o controle e bateu num poste.

Morreu sedento pela vitória.

O commendatore não foi ao seu funeral.

Mas a Ferrari se sentia culpada.

As palavras de Carlo Chiti, diretor técnico da Scuderia, deixou escapar o sentimento.

"Abandonamos um homem desesperado..."

E Pur Si Muove




















Bom dia a petrolheads!

Parecia um ser vivo.

sexta-feira, 22 de maio de 2020

Argola



























Bom dia petrolheads!

O primeiro post do dia mostra um dos carros que me fascinam:

O Wanderer Streamline Special da década de 30.

Projetado para longas distâncias, seu desenho futurístico ainda causa espanto mesmo hoje.

Um carro de sonho.

Wanderer é a última argola que forma o logotipo da Auto Union, que se transformaria depois em Audi.

A marca, que iniciou a fabricação de automóveis em 1928, sempre foi sinônimo de qualidade
e esportividade.

Após se unir com a Horch, DKW e Audi, encerrou suas atividades com o início da Segunda Guerra Mundial.

Falando em carros de sonho, gosto muito também do Karmann Ghia e de uma certa Ferrari...

E agora, conta aí:

Quais são os carros que tiram você do sério?