quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Clipping


























Além da Mercedes, os exibidos até agora.

Há um estudo na FIA sobre uma regra que tornaria obrigatório o uso da placa
Veículo Longo na traseira que cada bólido nesta temporada.

Baku e Mônaco serão interessantes.

Pensando

A Mercedes apareceu sem a barbatana de tubarão.

Estão tentando achar outras soluções.

Scuderia

A Ferrari se apresentará também colocando a nova máquina para rodar em
Fiorano.

O SF70-H (de Humberto) dará pouco mais de trinta voltas em casa.

Será vermelha, claro, mas deverá vir com uma textura muito bonita.

No Asfalto

Sauber e Toro Rosso também colocaram seus carros para funcionar.

A primeira filmou em Barcelona.

A segunda tentou em Misano.

Tentou?

Sim.

A unidade de força (Renault) do time de Faenza quebrou e ao todo só foram
completados seis giros.

Até o drone que fazia as imagens se espatifou contra uma árvore.

Tenso.

Borracha

A Pirelli levará 3.500 pneus para os testes na Espanha.

Suspensão

A regra ainda não está clara.

Há muitos questionamentos.

Mercedes banca a aposta enquanto que a Force India segue temerosa sobre
o assunto.

Legal

O simpático Lando Norris se juntou ao programa de pilotos da McLaren.

Gente

Quem estava presente na apresentação da Renault era Luis García Abad.

O empresário de Fernando Alonso foi convidado pois a chegada da nova
patrocinadora Mafre veio através de suas mãos.

Tudo Meu

Hamilton já está marcando território na Mercedes.

Falou para quem quisesse ouvir que não lhe agrada em nada dividir informações
de telemetria com seu companheiro.

Bottas (que está chegando agora) me parece na dele.

Estava bem tímido na apresentação da Flecha de Prata.

Lewis (que abusou das informações de Rosberg enquanto estavam juntos) não
quer dar munição para o rápido Valtteri.

As feridas ainda estão abertas.

Reservas

Paul di Resta vai continuar no papel de terceiro piloto da Williams nesta temporada.

Carlos Sainz Jr. será promovido para Red Bull caso algo aconteça com Verstappen
ou Ricciardo.

A Toro Rosso conta com Pierre Gasly.

A McLaren diz de forma oficial que seus pilotos reservas são Oliver Turvey e o
japonês Nobuharu Matsushita.

A Renault se definiu com o russo Sergey Sirotkin.

Já a Haas está com o americano Santino Ferrucci.

Na Mercedes podemos ver listado o nome de George Russell.

Mas provavelmente, Wehrlein ou Ocon (um dos dois) assumiria o volante.

Assunto importante.

Pois já estamos testemunhando movimentações no setor.

A Sauber, que não possui alguém no posto, tomou emprestado o jovem Antonio
Giovinazzi da Ferrari para o lugar do lesionado Pascal.

Enquanto que a Force India já escalou Alfonso Celis Jr. para guiar pela equipe no
último dia da primeira bateria de testes em Barcelona.



W08 Hybrid
























Bom dia petrolheads!

A nova máquina da Mercedes em ação.

Silverstone.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Tron


























A vitoriosa Sauber na temporada de 1988 do World Sports Prototype Championship.

Monstrinho empurrado por um motor Mercedes V8.

Duas vitórias lendárias.

Nos 1.000 km de Nurburgring,

E em Spa-Francorchamps.

Deixando na poeira Jaguar e Porsche.

Vale uma nota.

Acho essa pintura uma das mais legais da história do automobilismo.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Pequenas Passagens





Nas imagens acima aparece o inglês Alan Stacey.

Sua estréia na Fórmula 1 se deu na temporada de 1958.

Em Silverstone.

Era considerado um piloto seguro e competente.

Conservador.

Não era pouca coisa.

Já que Stacey possuía certas desvantagens em relação aos seus pares.

Acredite.

Uma de suas pernas era mecânica.

Para passar nos exames físicos exigidos em Le Mans ele contou com ajuda.

Os outros pilotos fizeram um teatro para distrair e ludibriar os médicos.

Uma verdadeira loucura!

Porém sua morte nada teve a ver com sua deficiência.

Aquele final de semana na Bélgica já dava sinais que tudo daria errado.

Spa-Francorchamps.

1960.

Stirling Moss já havia sofrido um terrível acidente nos treinos.

Logo depois foi a vez de Mike Taylor.

O outro piloto da Lotus estava apenas indo até o local do sinistro ver como
estava seu companheiro.

A barra de direção de seu carro quebrou.

Taylor nunca mais andou na Fórmula 1.

No outro dia, durante a corrida, foi a vez de Chris Bristow.

Foi quando duelava por posição com o imprevisível Willy Mairesse.

Bristow perdeu o controle do carro na mesma curva onde Moss havia se
acidentado um dia antes.

A Burnenville.

A tragédia não paralisou a prova.

A pista belga queria mais sangue.

Chegou então a vez de Alan Stacey.

Quando se aproximou do mesmo local ele perdeu o controle.

Algumas pessoas que assistiam a prova notaram que um pássaro havia 
atingido seu rosto.

Provavelmente quebrou seu pescoço.

Uma fatalidade.

Agora, imagine.

Se com toda tecnologia atual dos capacetes, mesmo assim, Felipe Massa
apagou quando a mola solta do carro de Barrichello o atingiu.

Você acredita que houve alguma chance para o pobre Stacey 50 anos atrás?

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Experimentando























Ainda em fase de testes.

Nem número tinha.

Jacques Laffite é quem conduz a Ligier.

1975.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Clipping





















Sharknado!

Pra te ver Melhor

Sebastian Vettel, Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi testaram em Fiorano.

O carro de 2015 foi a máquina utilizada.

Interessante que o detentor de quatro títulos mundiais testou um novo tipo
de viseira especial.

Coisa para melhorar a percepção visual.

Troca de Pele

Deverá ser assim.

Pela nova administração da F1, a GP2 se tornará F2, a GP3 se transformará
em F3 e assim por diante.

Aí você me pergunta.

E a F3 atual?

Ah, essa terá o mesmo fim dos dinossauros.

As alterações não terão empecilhos, já que Bruno Michel (GP2) trabalha agora
para a Liberty (dona da F1).

Laranja








Prato servido Frio

Para o lugar de Bernie Ecclestone colocaram três pessoas.

Uma da Fox.

Uma da ESPN.

E a uma terceira que o odeia de todo coração.

Pela Lógica

A chegada de Paddy Lowe deve facilitar o entendimento da relação entre
bólido da Williams e a unidade de força da Mercedes.

Combustível

Renault com a BP.

McLaren com Castrol.

Red Bull com ExxonMobil.

E a Total?

Fica a questão.

Vale notar que o acordo da Renault com a British Petroleum tem previsão
para cinco temporadas com valores em torno de 150 milhões de euros.

Adaptação

A turma que trabalha nas trocas acelerou os treinamentos.

Os novos jogos de pneus são bem mais pesados que os do ano passado.

Muda Alguma Coisa?

As impressões de Furbatto.

As grandes escuderias devem abrir ainda mais vantagem sobre as menores.

Mas será legal ver o comportamento dos carros em alguns circuitos.

Pois pela nova configuração será muito difícil ter o mesmo desempenho
nas pistas travadas em comparação com outras como Red Bull Ring.

Será preciso escolher a melhor performance em um ou outro.

Importante também é o consumo de combustível.

A eficiência da unidade de força nesse quesito fará diferença.

Potência e economia precisam ser equilibradas.

Mais.

Os novos bólidos serão duas vezes mais dependentes da asa móvel.

O DRS será ainda mais necessário do que em outras temporadas para
as ultrapassagens e ainda servirá para auxiliar na gestão do combustível.

Provavelmente veremos pilotos se segurando abaixo de um segundo atrás
do carro da frente (DRS) para não sofrer pane seca no final.

É esperado que Red Bull e Mercedes briguem o ano todo.

O segredo do campeonato será o desenvolvimento durante a temporada.