quinta-feira, 16 de maio de 2013

Paglia

























E Rubens Barrichello está feliz.

Foi recebido de braços abertos pela Fórmula 1.

É querido.

Cultivou bons relacionamentos no paddock.

Sua escolha pela Rede Globo não foi por acaso.

Foi sempre atencioso com a emissora em seus 19 anos na categoria como
piloto.

A coisa soa como uma recompensa.

O time de Galvão Bueno não deixaria escapar a oportunidade de contar com
sua presença na tela.

Barrichello é muito conhecido.

É uma referência que ajuda a reconhecer o esporte no Brasil.

E desperta sentimentos.

Alguns o tratam como uma piada.

Sem respeito.

Outros, com admiração, reconhecem seu talento.

Perceba.

Seja de um lado ou de outro, a figura de Rubens não é ignorada.

Bem ou mal.

Injustiçado.

Capacho.

Azarado.

Acomodado.

Pensamentos opostos que trazem o público mais perto.

Barrichello ajuda a entender.

Não com suas explicações.

Mas por trazer algo familiar.

Morte de Senna, a esperança de um novo campeão, seus dramas em Interlagos
e a rivalidade com Michael Schumacher.

Com seus sorrisos e suas dificuldades, nunca é insípido.

Muito diferente de Felipe Massa.

Um 2.

Uma continuação ou repetição de um filme que já vimos com Rubens na
Ferrari.

Conhecemos a subserviência de um brasileiro dentro da Scuderia Italiana.

Qual a novidade?

O povo quer mais!

E a Globo parece ter entendido isso.

Precisava agir.

E fez sua jogada de marketing.

Causou movimento.

Se Rubens acertar com o microfone, ótimo.

Se não, melhor ainda.

Mais atenção e comentários.

Audiência.

A solenidade e a rigidez das informações precisas disputarão lugar com
os gracejos.

A transmissão ficará com mais falhas.

Erros.

E assim mais humana.

Quem, além dos aficionados, quer saber sobre Kers ou DRS?

Se a borracha dos pneus é dura ou macia?

Máquinas?

Afinal o que é mais importante: o mundial de construtores ou o de pilotos?

A Renault não cansa de reclamar que seus títulos na pista não alteram os gráficos
de vendas.

As pessoas não ligam para engrenagens.

Querem emoção.

Brigas.

O imprevisível.

Ver drama, choro e alegria.

O coração na ponta do aerofólio...

Teatro.

Melhor ainda se tiver um bom personagem

Carismático.

Para seduzir e chamar atenção pro circo.

Trazendo sorrisos com suas piruetas.

Olhando dessa forma fica fácil perceber que um ator como Rubens Barrichello
é a escolha perfeita para o papel, não?

14 comentários:

harerton disse...

Com certeza... mas não precisavam tirar o Reginaldo...

Vander Romanini disse...

Belo texto!!!
Parabéns!!!

Diego Guidi disse...

Pirou...

Obs. #1...: nem que fosse o Ayrton ressuscitado comentando as corridas, seria justificável o afastamento do Reginaldo Leme da transmissão... Não se faz isso com um profissional com 40 anos de excelentes serviços prestados...

Obs. #2...: o comentário do Rubinho ("tenemos que contratar Barrichello") no último GP foi das coisas mais constrangedoras que já vi na minha vida...

ALEX COURI disse...

putz Corradi, dessa vez discordo completamente. automobilismo não é futebol, não é para um publico "qualquer", desqualificado.. e se for encarado dessa forma é um tiro no pé, o q a globinho devia fazer é apoiar o automobilismo de base no Brasil e pensar q em pouco tempo podemos não ter mais pilotos brasileiros de qualidade na F1, isso se tivermos algum representante num futuro próximo.. é isso q pode fazer aumentar a audiência, pilotos brasileiros c/ capacidade e possibilidades reais de vitória.. o Rubens no grid é patético.. e tirar o Reginaldo foi um grande pecado, isso me cheira ao inicio do fim para o sucesso q um dia foi a F1 no Brasil.

Anônimo disse...

Olá Corradi.

Não. Vecê está querendo dizer que a TVG quer fazer da F1, aqui no Brasil, uma novela ! É isso ?

Abraços, Marcelo Citadini.

Humberto Corradi disse...

Alex Couri e Diego Guidi

Não disse que concordo com as mudanças feitas pela TV.

Muito menos com o afastamento do Reginaldo Leme.

Apenas tentei colocar no texto o que entendi que a Globo quer fazer.

Sem dizer se acho certo ou errado. O julgamento cabe a cada um.

Valeu

Cardozo disse...

Gostei do Rubens como comentarista. A tendência é que melhore após cada transmissão.

Excelente observação, Corradi: A fórmula 1 da Rede Globo precisa achar o caminho da humanização da corrida, o espetáculo palatável. Ela não está interessada nos aficionados e sim, no público comum, ignorante até. Aqueles que compram o carro, a massa de tomates e a cerveja da propaganda. Resta saber se Rubens será o piloto desta nova direção global.

Sobre o Reginaldo: Podem lançar pedras, mas o que ele acrescenta à transmissão, que é o que interessa? História, título ou tempo de serviço engrandecem o produto final, mas não o sustenta. Vejo a importância do Galvão neste "produto F1" da Globo, mas o Reginaldo é importante apenas para os aficionados. Ele dá segurança e credibilidade ao produto, mas do que adianta ter tanto conhecimento se ele não pode passá-lo para os telespectadores? Me desculpem, mas o Reginaldo é um comentarista de luxo nas transmissões globais.

Meu sonho para a transmissão da F1 no Brasil é ela ser passada em canal fechado, com narradores e comentaristas experientes tanto na técnica quanto na eloquência e diversos canais com as imagens das câmeras on-board dos pilotos, sem a intromissão de narradores, apenas o som natural da pista.

Por fim, chega de saudosismo. Não gosto do futuro que se desenha, mas não há necessidade de engrandecer tanto certos fatos ou atores do passado. Sou otimista e espero ver o futuro da F1 e das transmissões televisivas no mais alto nível. É para frente que se anda.

Abraço!

Peter

Anônimo disse...

"Quem, além dos aficionados, quer saber sobre Kers ou DRS?
Se a borracha dos pneus é dura ou macia?"

...

"Querem emoção.
Brigas.
O imprevisível.
Ver drama, choro e alegria.
O coração na ponta do aerofólio...
Teatro."



Acredito que essa seja uma das causas - entre tantas - do afastamento do público das transmisões de F1...
Toda corrida - TODA - tem seu aspecto técnico envolvido, embora nem todas tenha a tal dramaticidade requerida pela audiência.
Saber acompanhar/assistir a um grande prêmio sem 'dramaticidades' e apreciar ainda assim o lado técnico, é algo, na minha modesta opinião, que contribui mais para se gostar de automobilismo.
O equilíbrio entre "razão" e "emoção" é necessário... mesmo que eu ache que, nesse caso, a razão tenha um peso maior.
O sujeto que quer apenas emoção, desliga a TV quando seu "queridinho" abandona o GP, ou quando encerra a carreira, ou pior, quando morre...
Quem gosta mesmo de automobilismo, nem se importa muito com quem venceu o GP... Claro! Ainda há entre tais pessoas aqueles que têm seus "ídolos", ou objetos de sua torcida... sem problema ...
Há aqueles que gostam de automobilismo e há aqueles que gostam de 'showmobilismo'...

Assistindo a transmissão do GP da Espanha pela SkySports, foi curioso ver Martin Bruncle - em sua 'MartinGridWalk' - entrevistando Rubens Barrichello.. entrevista que teve de ser interrompida
porque o brasileiro estava para entrar ao vivo na transmissão da RGT... Comentário de Brundle: "é esquisito vê-lo por aqui sem macacão e capacete..."


Quanto às fotos do post da 'Jordan 196' dourada, coincidentemente encontrei ontem uma foto, tirada nos treinos da F1 no Estoril no final de 1995, com o modelo '196' pintado com as cores usadas em 1995...
Aqui está o [gigantesco] link:
==>> http://www.assetstorage.co.uk/AssetStorageService.svc/GetImageFriendly/721234204/408/654/0/0/1/80/ResizeBestFit/0/PressAssociation/345D923321BEC7B56489ED4B0B8E8BF9/motor-sport-formula-one-testing-in-estoril-portugal.jpg


um abraço,
Renato Breder


PS:
Só depois de escrever meu comentário é que li os outros comentários!!!
PUTZ!!! Tiraram o Reginaldo Leme das transmissões??????!!!!! Sobrou o quê????
Estou totalmente por fora da RGT!! Faz mais de um ano que não assisto a F1 pela emissora decadente...

Anônimo disse...

Muito ruim a participação do Barrichello nas transmissões. As transmissões não conseguiram ficar mais humanas. Conseguiram ficar piores.

Mauricio Morais disse...

Tudo bem, concordo em termos pois não precisavam tirar o Regi, sacasse fora o Burti!!

André A. S. disse...

Essa primeira foto da Jordan do Rubinho não está com pneus totalmente slicks. Alguém me explica, já que os pneus secos com sulcos entraram em 98? Foi teste? Pneus intermediários? Obrigado e abs!

Rodrigo Felix disse...

Burti não agrega nada nas transmissões... essa falta de consideração com o Reginaldo foi de lascar. Não creio que Rubinho, com suas tiradinhas sem graça insinuando que a Williams deva contratá-lo novamente, ou mesmo sua incrível cara de pastel ao ver seu algoz Jean Todt: deu um sorrisinho, esqueceu tudo aquilo q ele disse q ainda iria escrever num livro, bla bla bla e foi aquele papinho falso.

Pergunto: o que adianta isso para o publico q assiste F1. A F1 já tem seu publico cativo, não adianta querer "popularizar" a coisa. Brasileiro, infelizmente só vai ver F1 se tiver brasileiro vencendo, e isso tá longe de acontecer...

Rodrigo Vilela disse...

Tirar o Reginaldo Leme foi uma das coisas mais bizarras e absurdas que a RGT fez!

Victor Xavier disse...

não sei o porque de colocarem o barrichello em um "Pesdestal", ele era um grande piloto, ele poderia ter dois, três titulos mundiais, assim como o massa eles foram e seram dois perdedores, não falo isso como uma opinião de hater e sim, de alguem que depois de estudar muito formula 1 vi que para ser campeão, o piloto tem que ser vencedor fora das pistas, não digo politico, mas o piloto lider em atitude geralmente toma o primeiro carro,o massa e o barrichello, são grandes perdedores em atitude, e não em pilotagem, e normal esperar que a ferrarri jogue contra eles durante todo esse tempo, e uma das equipes mais nojentas da f1 se não a mais, mas ai e outra historia.