terça-feira, 8 de setembro de 2015

Bruno Senna e a Mercedes

















2009.

Primeiros meses do ano.

A temporada da Brawn.

Nos bastidores, Bruno Senna conversava com a Mercedes.

Foram três encontros.

A proposta dos alemães foi forte e consistente.

Norbert Haug ofereceu um acordo de 5 anos para o brasileiro.

A prioridade era contar com o piloto pelo menos por uma temporada na DTM.

Claro.

A estrela de prata sabia o valor comercial de um acordo envolvendo Senna.

Nas mãos certas, conseguiria 20 milhões de euros fácil com patrocinadores.

Um sobrenome famoso que, ainda hoje, movimenta 400 milhões de euros no
mercado mundial.

O salário base de um estreante era de 400 mil euros na categoria alemã.

A Mercedes propôs 700 mil euros (mais premiações por performance).

E ainda o posto de piloto de testes na Brawn GP.

Bruno queria mais.

Não estamos falando de dinheiro.

Ele sonhava com uma chance concreta na Fórmula 1.

Uma trajetória segura.

Norbert Haug correu atrás.

Ross Brawn (Brawn - futura Mercedes) e Martin Whitmarsh (McLaren) disseram
que avaliariam a situação.

Sem dar uma certeza.

Senna achou pouco.

Com o vínculo com a fabricante de motores, esperava ter um ótimo cockpit pra
chamar de seu na categoria máxima do automobilismo.

Não deu certo.

O resto da história você já sabe.

Michael Schumacher abandonou a aposentadoria e se juntou a Nico Rosberg na
transformação da Brawn em Mercedes AMG F1.

Enquanto que Jenson Button se mudou para a McLaren (também com motor Mercedes).

Olhando agora, talvez o retorno de Schumacher tenha atrapalhado os planos de
Bruno por uma vaga.

Senna está com 31 anos,  Rosberg com 30 e Button com 35.

Todos de uma mesma geração.

Button aproveitou sua chance.

Rosberg perdeu a sua com a chegada de Hamilton.

E Senna, penso que, nunca teve uma.


15 comentários:

Anônimo disse...

Desculpa aí, Corradi!
Mas o "Senna Sobrinho" jamais mereceria uma chance como essa aventada por você!
Simplesmente por não ter 1/10 do talento dos demais personagens envolvidos!
Abraço.
Zé Maria

Marcelo Arruda disse...

O automobilismo tem muitos destes exemplos.
E todos nós,mesmo só sendo no máximo pilotos de carrinho de Supermercado teremos oportunidade de termos nossas chances de nos perguntar: "E se...?"

Ituano Voador disse...

É, por mais que se queira ver os herdeiros vingar na F1, o fato é que quem é do ramo não costuma se impressionar apenas com sobrenomes. Daí a gente ver Bruno Senna, Michael Andretti (e agora o Marco), os Brabham, Nelsinho Piquet, Christian Fittipaldi, Nicolas Prost terminando seus dias de F1 na mesma vala. E dessa turma, penso que Christian poderia ter merecido uma chance mais eficaz (e talvez Michael também); os demais, conseguiram o que podiam obter da carreira, de forma justa.
Abs

Renato Santos disse...

Ele quis mostrar o ímpeto do tio, estamos em outra época. Vai que ficasse de reserva na Merc, em um teste ele bate um ou dois tempos do Schumacher, bem, já estamos em plena terra da fantasia, o alemão pega o chapeu e... bem, sei lá;;;

Leo-RS disse...

Falando em Schumacher, achei o vídeo da etapa de sugo da F3000 japonesa de 1991 e lembrei de um post antigo em que você falava do empresário do alemão o moldando para se tornar um androide vencedor de corridas, com cada passo pensado, onde teve até participação na hoje conhecida como Super Formula (Formula Nippon). Espero que aprecie o vídeo.

Resultado final (Rnd. 6 - Sugo):
1º) Ross Cheever/USA - Team LeMans (Reynard-Mugen Honda)
2º) Michael Schumacher/GER - Team LeMans (Ralt-Mugen Honda)
3º) Akihiko Nakaya/JAP - Le Garage Cox Racing (Lola-Mugen Honda)
4º) Thomas Danielsson/SWE - Team Nova (Lola-Mugen Honda)
5º) Naoki Hattori/JAP - Le Garage Cox Racing (Lola-Mugen Honda)
6º) Ukyo Katayama/JAP - Carbin Racing (Lola-Cosworth)

Curiosidade: participaram da corrida Kazuyoshi Hoshino (dono da Impul e chefe do JP Oliveira no SuperGT), Eddie Irvine (que chegou em 7º no campeonato, com 1 vitória), Johnny Herbert (10º no campeonato e 1 podium),Jan Lammers (11º no campeonato e 1 podium), Jeff Krosnoff (14º no campeonato, falecido na IndyCar nos anos 90), Mika Salo (22º no campeonato), Paulo Carcasci (16º no campeonato e 1 podium) e Maurizio Sandro Sala (20º no campeonato).

http://www.youtube.com/watch?v=V6LyCY7tPZA

Humberto Corradi disse...

Poxa Leo-RS!

Que belo achado e quanta informação! Legal descobrir os dois brasileiros na prova.

Obrigado amigo por compartilhar!

Valeu

Leo-RS disse...

Corradi, vou achar umas corridas da Formula Atlantic da época do Villeneuve e Rosberg (tá em francês, mas vou catar na internet e se necessário for faço o upload no você-tubo).

Antes foi a 1ª e única corrida do Schumacher com um F-3000, a seguir a corrida que é provavelmente a grande obra prima do alemão:

http://www.youtube.com/watch?v=m6UjTOvY7iM

Até!

David Félix Krapp disse...

E como esse povo pega no pé dos pilotos brasileiros...

Já tem nego metendo a boca no Nasr... hahahahahaha

Eu sou do contra e vou com o Corradi, achava ele bom piloto, infelizmente como muitos de nossos pilotos da era pós-Ayrton, fez muitas más escolhas...

Claro que ele jamais seria o tio, isso é óbvio, mas vendo a carreira dele nos monopostos, já extremamente tardia, começou com 22 anos enquanto a molecada com quem ele competiu começou com 16, campeão da F3 Australia na temporada de estréia, venceu na temporada de estréia da F3, no ano seguinte foi 3o, na GP2 foi o mesmo, venceu na temporada de estréia e foi vice em sua segunda temporada perdendo o título para o Giorgio Pantano que na época já tinha participado de de 3 temporadas de F3000, uma de formula 1, uma de formula Indy e mais 3 de GP2 antes de ser campeão...

O erro foi na entrada da F1, a temporada na Hispania não vale nem como estatística, entrou na Lotus segurando um rabo de foguete e foi competitivo e teve na Williams sua primeira temporada de verdade, onde nos treinos apanhou do Maldanado por que tinha um treino a menos para ceder o carro ao Bottas, porém em corrida ele ele venceu o venezuelano por 11x8, o bolivariano só terminou na frente na temporada por causa daquela vitória estranhíssima na Espanha ...me desculpa Corradi, mas pra mim aquela corrida tem muita mutreta, era o níver do Frank, níver de não sei qtos gps da equipe, o carro pegou fogo ??? a Williams só decaiu depois da vitória ao invés de deslanchar, enfim, não se encaixa, se fossa na chuva ou com alguma condição estranha de pista vá lá, mas foi de ponta a ponta na pista seca e o Maldanado jamais conseguiu chegar perto de uma performance ao menos próxima...

E pra quem critica o Senninha, basta lembrar que no ano seguinte o carro da Williams foi uma draga desgracenta, me lembro bem do engenhiro da Williams, Gillan sempre elogiar o feedback do cara...

Como ele disse em uma entrevista certa vez, 2013 era o ano pra deslanchar, não rolou...

Assim como o Piquetzinho eu creio que o Senninha com toda certeza merecia um cockpit e uma melhor oportunidade, compara-lo com Button é covardia com o ingles, uma vez que quando os dois foram colocados em condições iguais (testes de inverno de 2008) ele colocou um segundo inteirinho no cara...

Pra mim ele tá no mesmo nível que o Roberg, assim como o Nelsinho que deu um calor danado no Hamilton e ficou a frente de gente com experiencia de F1 como o Glock e o Pantano, infelizmente também escolheu errado, por orgulho preferiu ir pra Renault ao invés da Toyota que na minha opinião seria uma escolha mais sensata pra estréia...

Discordo de todos que opinaram aqui, os dois eram ótimos pilotos, bem acima dos Bottas, Grojeans e Kvyats que somos obrigados a assistir, só simplesmente fizeram as escolhas erradas...

O pessoal pega muito no pé deles, chega a ser ridículo... não precisa ser pacheco, mas tem que encontrar o equilíbrio e analisar tudo, performance, capacidade, circunstancias...

Nelsinho se aprumou e já está conseguindo recuperar o prestígio, Senninha infelizmente continua fazendo escolhas duvidosas, deixar o WEC é um exemplo, escoher a Mahindra na FE também é uma escolha muito ruim... enfim, torço pelos dois e espero que possam alcançar o que o merecem...

Eduardo Casola Filho disse...

Se essa história tivesse rolado, provavelmente o brasileiro teria levado uma sapecada do Rosberg. O fato é que o Bruno não é o Ayrton.

Eduardo Casola Filho disse...

E quanto ao Sr. David, duas considerações:

1 - Tomar pau cinco corridas seguidas do Markus Ericcson é motivo mais que suficiente para cobrar do Nasr.

2 - Bruno Senna e Nelsinho Piquet melhores que o Bottas??? Cara, você é completamente alienado!

Tiago Oliveira disse...

O que ele mais teve no automobilismo foram chances boas, exceto pela Hispania bomba, sempre em carros muito bons. Acredito que se nao fosse o sobrenome, nao teria sido assim... Um bom piloto, aparentemente um cara muito honesto, mas nao é um genio do volante.

David Félix Krapp disse...

Oi Eduardo e Tiago

Jamais falei que nenhum deles (Senninha/Piquetzinho/Nasr) fosse genio ou algo assim, são bons pilotos, que carregam uma carga e pressão excessivamente pesada pela história de nosso automobilismo vencedor - Emmo/Senna/Piquet - e creio até por isso que fizeram escolhas erradas e tiveram performances questionaveis em algumas oportunidades...

Genio ?? Hj na F1 só vejo Hamilton, Vettel, Alonso e Kimi (quando tá afim)... o resto é resto... tá tudo na mesma média...

E me perdoa mas acho o Bottas beeeeem marromenos... Ricciardo é bem melhor que ele assim como o Hulk, Bianchi era infinitamente melhor, Nelsinho e Senninha idem, o cara tá tomando pau do Massa que é bom, mas não é espetacular e também tem seus méritos, admiro o Massa por não ter deixado a pressão de "ser" o próximo Senna/Piquet/Emmo afetar suas performances, ele foi muito mais sacudido pelo Fernando is faster than you

Fora que o Bottas só tem emprego graças ao Toto Wolff igual a Suzie Wolf como piloto de testes...

Rodrigo Vilela disse...

Concordo com o David: brasileiro adora falar mal dos pilotos daqui.

E até mesmo o Hamilton, que ele considera gênio, levou uma surra do Button em 2011. Nem por isso foi considerado um péssimo piloto. O próprio Alonso, em 2004, não via o Trulli nem de binóculo!

Agora achar que piloto bom é só o que ganha, então todo mundo aqui acha o Damon Hill melhor que o Striling Moss ou o Ronnie Peterson!

Corneta tem limites.

E encerro repetindo a frase que ele colocou em sua postagem: "...o Bottas só tem emprego graças ao Toto Wolff".

Fato!

Rodrigo Vilela disse...

Tiago, carros bons? A Williams de 2011 era uma lástima!!!

Rodrigo Vilela disse...

2011 não; 2012!!!