sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Brasil - 2017

























O campeonato acabou.

Campeões definidos.

E até o vice.

Sebastian Vettel precisava superar a pole de Valtteri Bottas.

Havia dois pontos principais para vencer a Mercedes.

O primeiro era tomar a primeira posição após a largada.

Depois que as luzes vermelhas se apagaram, Vettel e Gina contornaram
melhor a parte do autódromo que homenageia Ayrton Senna.

O segundo ponto era manter a conquista da cabeça do pelotão.

A Flecha de Prata ia melhor no primeiro e no último setor.

Sebastian precisava fazer a diferença na parte sinuosa para compensar
o tempo perdido.

Vettel pilotou o fino.

Com o equilíbrio das forças, o talento entrou em ação e fez a diferença.

Seb é melhor que Valtteri.

Para completar, o trabalho da Ferrari na hora da parada foi melhor do
que a da Mercedes.

Mais abaixo, a Red Bull não funcionou como em outras exibições.

Claramente o motor Renault deixou a desejar.

Mesmo no segundo setor (mais aerodinâmico) a máquina de Max Verstappen
ficou devendo para os rivais diretos.

Kimi Raikkonen fez sua parte e garantiu o pódio.

Injusto é fazer comparações apressadas entre a performance de Lewis Hamilton
e de seu companheiro.

O campeão de 2017 passou todos, até a quarta posição, sem tomar conhecimento.

Entretanto é preciso levar em consideração que seu carro foi completamente
modificado depois do erro no sábado.

O novo setup (muito mais agressivo), com a asa traseira mais baixa, facilitou
o trabalho.

Uma configuração de quem não precisou se preocupar com o qualifying.

Outra coisa.

Toda sua unidade de força foi modificada.

Alterações que trouxeram também alguns cavalos de força de vantagem na
comparação com o bólido de Bottas.

Tudo novo e pronto para ser castigado sem precisar se preocupar com a
confiabilidade.

Para ajudar surgiu um safety-car que o colocou junto com o restante dos pilotos.

Juntando o pacote entendemos porque Hamilton não sofreu qualquer resistência
de seus rivais.

Assim Lewis concluiu a prova num ritmo muito melhor que Vettel e Valtteri.

Hamilton foi mais rápido do que Sebastian na maioria dos giros.

É fácil concluir que sem as modificações a prova seria outra para o piloto inglês.

E o W08 e a SF70H teriam um embate mais equilibrado.

Acho que fomos privados de uma bela batalha.

De qualquer maneira a vitória serviu para trazer renovo aos vermelhos.

Daniel Ricciardo numa situação análoga a de Lewis, porém em condições
bem diferentes (carro), fez bonito com o que tinha.

Felipe Massa venceu a corrida da segunda divisão.

Sangue no olho por razões evidentes.

Fernando Alonso lutou bem com (e não contra!) sua McLaren Honda.

Sergio Perez diminuiu os danos para uma apagada Force India.

E Nico Hulkenberg (uma volta atrás) completou os que pontuaram.

No Mundial de Pilotos Massa ultrapassou Lance Stroll.

O no de Construtores a Williams garantiu a quinta colocação.

Renault, Toro Rosso e Haas brigam pelo sexto lugar.

Espero que os franceses mantenham a briga apenas na pista...

Por Fim.

Os números.























9 comentários:

Dionei Morestoni disse...

Corradi
Apesar do speed trap marcar 338, eu lembro na corrida a onboard do Hamilton chegar a marcar 349km/h
É muita coisa para interlagos.

Anônimo disse...

Corradi, qual sua opinião sobre a troca de motores na McLaren? Me parece que a evolução da Honda é notável nesse fim de temporada. E nos fale um pouco sobre o título do Pietro Fittipaldi na World Series e a probabilidade de o mesmo chegar a F1!
Um abraço.
Felipe Corrêa Carvalho
Quaraí/RS

Victor Gérard disse...

Corradi, cá entre nós, o Hamilton sem o acidente de sábado, seria pole e venceria a corrida, simples... percebo o quanto é difícil pra você reconhecer o quanto Hamilton é talentoso, você cria argumentos pra diminuir a prova espetacular que ele fez , eu ainda me lembro no post que vc fez do GP da Malásia, Vettel naquela corrida passou por uma situação mt semelhante, e vc disse algo do tipo "Se Gina tivesse largado no pilotao da frente venceria a corrida", ja no caso do Hamilton vc prefere mostrar fatores que levaramo Hamilton ganhar várias posições, do que simplesmente reconhecer qe ele pilotou muito e que fez uma corrida incrível, o cara foi "o piloto da corrida" e acabou.

Vinicius Fluminense disse...

Respeito muito o blog. Principalmente as previsões pro futuro, e as histórias do passado. Mas concordo plenamente com Victor Gérard...
Sou fã há muito tempo do Hamilton, seu estilo de pilotagem é f#%@, muito agressivo. Torço para que ele ganhe muito mais títulos
Hamilton é melhor que Vettel.
Da mesma maneira que atualmente Alonso é o piloto mais completo do grid (isso inclui ser melhor que Hamilton). Alonso merecia ter mais títulos (no mínimo mais 2)

Eduardo Sacramento disse...

Victor,
Entendo o ponto que vc quis dizer e concordo que se o Hamilton tivesse largado na pole e não tivesse perdido a liderança na largada, teria vencido, mas é verdade que o Hamilton sobrou pq foi com motor mapeado a 100% (pela primeira vez a Mercedes correu assim desde 2014), novas peças e ajuste do carro somente para a corrida. Demérito? Nenhum! Dependendo de quem fosse, mesmo com o carro sobrando entre todos os que disputaram o GP, teria gasto pneus a mais ou ficado preso por algum erro. Por outro lado, o próprio Lewis admitiu que as ultrapassagens foram "sem graça" devido ao uso do DRS, quando ele quis reclamar do dispositivo na F1.

Corradi,
Chamou-me a atenção como vc quis enaltecer o Vettel e que sua competência fora de série foi quem fez a diferença. O primeiro e o terceiro setor, mais curtos e velozes, eram preferenciais da Mercedes. O segundo setor, mais longo e mais sinuoso, da Ferrari. Não foi o Vettel quem fez a diferença neste setor. O somatório dos setores equilibrava o resultado final. Justamente por isso a largada foi o momento chave da prova.
De resto a análise foi excelente, com o destaque a diferença entre as Mercedes do Bottas e do Hamilton e a menção especial ao Ricciardo (que carro esse da Red Bull, o melhor da F1 neste fim de temporada) e ao Massa.

Humberto Corradi disse...

Felipe Corrêa Carvalho

Acho que a McLaren fez o que achava ser melhor.

O que muitos não enxergam é que foi a grana da Honda que possibilitou o carro atingir um excelente desenvolvimento aerodinâmico.

A Renault pode trazer o equilibrio.

Mas na F1 você precisa ser um time de fábrica para ser grande de verdade.

Valeu

Humberto Corradi disse...

Eduardo Sacramento

OK

Jogo equilibrado entre Mercedes (1 e 3 setores) e Ferrari (2
setor)

Aí alguém precisa fazer a diferença, não?

Valeu

Bem Ditto Risotto disse...

É indubitável a necessária parada do Massa....
Levou borracha do moleque Stroll em todas....
Prova de morder a língua nos que argumentam dinheiro versus experiência!

juniorcaixote disse...

Mal Ditto Risotto

Onde vc viu isso? Qual campeonato de F1 vc tá assistindo?