quarta-feira, 22 de maio de 2013

Mágica






















Outro dia fiz um post sobre a pilotagem perfeita de Jackie Stewart em
Nurburgring.

Um assombro.

Hoje o personagem é Stirling Moss.

Em 1961 ele fez mágicas no principado de Mônaco.

O Inglês já havia causado surpresa ao conquistar a pole position com a
Lotus particular de Rob Walker.

Um feito.

Deixou para trás as poderosas Ferraris e ninguém menos que Jim Clark
com o carro oficial da equipe.

Romolo Tavoni, o estrategista da Scuderia Italiana, tinha o plano na cabeça
para derrotar Moss.

Não havia motivo para desespero.

No meio da prova ele seria uma presa fácil.

Phil Hill, Richie Ginther e Wolfgang Von Trips seguem à risca as ordens do
comandante vermelho.

Assim Stirling Moss conservou a liderança após a largada.

Após algumas voltas, Tavoni deu o sinal para seus pilotos acabarem
com o inglês.

E começou a caçada.

Moss pilotou bravamente.

Estava fazendo a corrida da sua vida.

Perfeita.

E um a um os pilotos da Scuderia Italiana foram ficando para trás.

Wolfgang Von Trips rodou.

Depois foi a vez de Phil Hill.

Restou apenas Ginther.

O duelo entre os dois foi espetacular.

A cada volta os tempos foram caindo.

Despencando, na verdade.

Ambos fizeram a melhor volta da prova.

1.36.300

Inacreditável!

Os cronômetros pareciam mentir.

Eles haviam atingido um tempo 3 segundos melhor que o da pole 
position!
 
Mas Moss estava impossível.

Inalcançável.

Por isso a Ferrari fracassou.

O plano de Tavoni era perfeito.

Seus carros eram melhores.

Mas o piloto inglês recorreu ao sobrenatural.

Como lutar contra isso?

Um dos momentos mais belos de toda a história da Fórmula 1.

Tesouro de Mônaco.

A etapa especial.

Quase uma corrida extra-campeonato no calendário.

Diferente.

Mágica.

Talvez essa coisa de outra dimensão no principado tenha mesmo um
fundo de verdade...

16 comentários:

fernando disse...

e Ginther sempre demonstrou orgulho por ter chegado a apenas poucos segundos de Moss nessa prova.

Rui Amaral Jr disse...

Tomara que o Caranguejo não nos ouça, mas sou fã de carteirinha de Moss...Campeão sem titulo.

Anônimo disse...

SIR Stirling Moss foi um pilotaço!

Desses que pilotava de tudo - e bem! - e que pilotou quase todos os F1 de sua época (exceção feita aos carros de Maranello, talvez)...


um abraço,
Renato Breder

Daniel Médici disse...

Minha mais recente aquisição em 1:43 é a Ferrari número 38 que o Phil Hill usou nesse dia. Não brilhou, mas é uma graça.

Anônimo disse...

Rui.
O pessoal vai ficar pensando que eu tenho algo contra os pilotos ingleses...
Caranguejo

Leandro Legal disse...

Corradi, só para abrilhantar ainda mais suas palavras, eu achei no YouTube uma sequência de vídeos sobre o referido Grande Prêmio de Mônaco de 1961.
São 7 vídeos em inglês sem legendas e em preto e branco.
Mostra algumas partes do treino de qualificação, entrevistas com Masten Gregory e Phil Hill, um locutor cego à dar o Grid De Largada para a multidão, o ex-piloto Louis Chiron à ler as instruções "pré-race" para os pilotos e um sensacional Highlights da corrida.
Vi perfeitamente um duelo eletrizante entre Ginther, Moss, Bonnier e P. Hill.
No final da corrida, tem um pronunciamento feito por Sir S. Moss para televisão britânica.
Simplesmente incrível registro histórico.

Eis aqui os links dos vídeos:
PARTE -1 http://www.youtube.com/watch?v=fmOMdZIQ63g&feature=related
PARTE -2 http://www.youtube.com/watch?v=d4P_ifDWDPk&feature=related
PARTE -3 http://www.youtube.com/watch?v=WjLwcNn_xh4&feature=related
PARTE -4 http://www.youtube.com/watch?v=zVRaPYE4FuU&feature=related
PARTE -5 http://www.youtube.com/watch?v=I5cKT2G4Wa8&feature=related
PARTE -6 http://www.youtube.com/watch?v=Qf5gZbrRe_E&feature=related
PARTE -7 http://www.youtube.com/watch?v=Tc1AoEbn0IY&feature=related

Relaxe e divirta-se.
Abração do Leandrão, rsrsrs...

Humberto Corradi disse...

Leandro Legal

Que achado!

Valeu.

Leandro Legal disse...

Pois é Corradi... Achei os 7 vídeos simplesmente espetaculares!!!

Grande registro histórico, sem dúvida!!!

Infelizmente, por causa do meu inglês basicão e arcaico, não entendi bulhufas do que Moss disse no seu discurso final após a corrida.

Teria como voce "traduzir por ecrito" o que ele disse?

Abração Legalzão do Leandrão!!!
YEAH!!!

Anônimo disse...

E é preciso lembrar que o modelo da Lotus utilizado por Stirling Moss era o mais antigo, o modelo 18.
A equipe oficial - o Team Lotus - e só ela, utilizou o novíssimo modelo 21 durante a temporada.
Apenas na terceira etapa - GP da Bélgica - é que surgiu o modelo híbrido, o 18/21, obra da equipe de Rob Walker, para Moss.
Uma exceção foi feita pelo Team Lotus e no GP da Itália (apenas!) Moss pilotou um modelo 21...

A vitória em Mônaco foi mesmo marcante e essa Lotus sem os painéis laterais é bastante celebrada até hoje...

Veja em 2009, no Goodwood Revival:
==>> http://www.sportscardigest.com/wp-content/uploads/Goodwood-Revival-Stirling-Moss-Tribute-1.jpg
==>> http://www.sportscardigest.com/2009-goodwood-revival-sir-stirling-moss-80th-birthday-tribute/

Ou até em miniaturas reproduzindo a falta dos painéis:
==>> http://www.taffys-home.de/Doppelpack/Doppelpack_27.jpg
==>> http://www.taffys-home.de/Doppelpack/Doppelpack_30.jpg

Mais uma:
==>> http://www.psychoontyres.co.uk/wp-content/uploads/2011/11/03-Image4664s.jpg


A propósito, os pilotos oficiais do Team Lotus sairam-se muito mal no GP de Mônaco.
Innes Ireland sofreu um acidente durante a qualificação e nem largou.
Jim Clark terminou classificado em 10o lugar a 11 voltas (!) de Moss...

A segunda melhor Lotus foi outro modelo 18, de Cliff Allison, da UDT Laystall Racing Team...


um abraço,
Renato Breder


PS: Corradi, Por que os comentários acima têm datas tão antigas?????

Ron Groo disse...

Mônaco é o lugar certo para se fazer mágica.
E Moss o cara correto para isto.

TW disse...

Coisas que só Mônaco proporciona.

ALEX COURI disse...


putz, já tiraram do ar os videos q o Leandro falou, uma pena, fiquei curioso pra ver a historia..

Anônimo disse...

Qual a história da Lotus sem os painéis laterais? Foi proposital?

Cristiano

Juanh disse...

Hermosa la Ferrari doblando en la famosa curva del Hotel Lows, una de las más bellas de la historia de la F1.
Abrazos!
http://juanhracingteam.blogspot.com.ar/

Ituano Voador disse...

A Lotus correu sem os painéis laterais para aliviar peso, somente.

Rodrigo Vilela disse...

E pensar que pilotos como Damon Hill, Alan Jones e Jody Scheckter, que pouco brilharam ou fizeram por merecer, têm um título mundial, ao passo que Stirling Moss, Gilles Villeneuve e Ronnie Peterson, por exemplo, não possuem.

A Fórmula 1 é injusta, mesmo!

Abraço, Corradi!!