quarta-feira, 9 de abril de 2014

Rascunho - A Red Bull Vive!








































A Red Bull continua realizando feitos notáveis.

Mesmo após a desastrosa pré-temporada e todos os seus problemas, o time ainda
conseguiu se tornar a segunda força do campeonato.

Calma.

Esqueça o Bahrein e as miragens produzidas pelo deserto.

O diferente traçado da pista de Manama tem propriedades mágicas para esconder
falhas de uns e também para acentuar defeitos de outros.

Na primeira parte da frase falo de Force India e Williams.

Na segunda, sobre a Ferrari, o caso mais gritante.

Claro que a Mercedes não deverá ver qualquer ameaça em 2014.

O título de construtores é certo.

E o de pilotos também ficará em casa.

2 segundos?

Os analistas mais aguçados dizem que os alemães possuem uma temporada de
vantagem.

Dito isso, voltemos.

Então surge a Red Bull fazendo coisas impossíveis.

Como?

Da mesma forma de sempre.

A aerodinâmica dos carros de Sebastian Vettel e Daniel Ricciardo produzem um
downforce sem igual na categoria.

Assim as curvas se tornam retas.

Enquanto as outras equipes quebram a cabeça para solucionar os problemas de
desempenho nas partes sinuosas, Adrian Newey vem testando novos desenhos
que melhorem o carro nas retas.

E vem conseguindo.

Tanto que a dor de cabeça causada pelo alto consumo de combustível desapareceu.

Newey é tão genial que está compensando a falta de potência do motor, na medida
do possível, de maneira surpreendente.

Nas câmeras onboard qualquer um percebe que a unidade de força da Renault é
nefasta.

No entanto o envelope que envolve a máquina, criado em Milton Keynes, é o melhor.

Falta o conteúdo.

Se os franceses, como prometeram, entregarem um motor decente no início da perna
europeia poderemos dar adeus as estratégias mirabolantes e os pilotos poderão, enfim,
trabalhar em paz.

Com as coisas estabilizadas, Sebastian Vettel colocará seu companheiro em seu devido
lugar e quem sabe até irá surpreender numa chuva ou mesmo nas ruas de Mônaco.

Difícil?

Creiam!










21 comentários:

fabehr disse...

legal Corradi, vlw!

E para o GP da China, quais equipes seriam a 2a e 3a forças??

Fortuna disse...

Se é realmente um dos maiores de todos os tempos (como muitos apressados insistem em rotular), creio que Vettel deveria colocar o companheiro no seu lugar também com um carro ruim. A única coisa que creio até agora é que ele era um privilegiado por ter um carro bem superior nesses últimos anos e um companheiro fraco e em fim de carreira. Mesmo com carros abaixo da média, lendas como Senna, Prost e Schumacher sempre se impuseram sobre os companheiros.

Marques disse...

A lustração continua.

RenatoS. disse...

Corradi,

sendo Newey o engenheiro e Vettel o piloto, não duvido nem o pouco do que diz.

Ainda não exista neste momento, na minha opinião, uma segunda força.

Por isso, Force India e Williams que aproveitem o momento.

Os 15 minutos de fama!

Anônimo disse...

Vettel é a maior farça esportiva, ganha até do Neymar.

Só o Corradi, que em outros assuntos é tão lúcido não vê

Társio disse...

Eu só não entendo como e por que a Red Bull, tendo perspectivas de melhoras, permite que com Ricciardo tire pontos do Vettel sendo que como tetracampeao a equipe deveria trabalhar em torno dele para ele acumular pontos até que venham as melhorias, e minimizar os prejuizos para o campeonato nesta primeira fase, e buscar mais uma vez a reação no campeonato após o verão Europeu.

Anônimo disse...

Kkkkkkkkkk, pirou!!

Eric Musashi disse...

Fortuna, Senna apanhou do Prost mesmo com toda a equipe para ele e apenas 4 mecânicos para o francês.

Schumacher foi surrado 3 anos pelo Rosberg.

Prost perdeu do Lauda mesmo com a equipe querendo fazê-lo campeão. E perdeu do Senna, que acabara de chegar, quando ele próprio era bicampeão.

Sei que Webber não se compara com lendas, mas ele já bateu o Rosberg como companheiro.

O que quero dizer é que qualquer piloto pode ter um ano ruim. E nenhum de nós sabe até onde Ricciardo pode chegar. Ele está pilotando o fino, guiou demais na Austrália e no Bahrain e seria quarto na Malásia sem a cagada da equipe.

Alfredo Aguiar disse...

Minha única duvida é o quanto a Renault poderá acrescentar de potência nesses motores com o desenvolvimento congelado. Já vimos que a Mercedes deu o pulo do gato com a história da turbina de escape separada da turbina de pressão. Pode a Renault separar seu sistema turbo sem ser acusada de mudanças?
No mais, concordo completamente com você, deem um carro minimamente decente ao Vettel e ele vai brigar por esse campeonato, ainda que o Ricciardo seja muito, muito melhor que o Webber, acredito que o Sebastian tenha mais talento que o jovem rapaz, até por ser mais experiente. Mas ele que não espere mamão com açúcar, o Ricciardo não tem absolutamente nada a perder e a ele vai ser dado direito de errar sem cobranças. Quanto ao Vettel, qualquer coisa menos que andar na frente do seu companheiro, vai tomar petardo de todo lado!!!
Um abraço

Jeferson Araújo Pereira disse...

Com a sua análise você foi bem claro: Vettel precisa ter um foguete para colocar o Ricciardo em seu devido lugar, ou seja:ele é um banana.Se fosse genial,se fosse o Top 1, ele já teria se imposto desde a primeira corrida de 2014.Com certeza, Vettel está com saudade do Webber (um dos pilotos mais medíocres dos últimos 15 anos - teve um foguete nas mãos e não sabia pilotá-lo como gente grande, como homem).

Anônimo disse...

A tarde fiz comentários na net sobre 2014, também sigo a linha sobre Vettel! Esqueçam querer copiar o projeto do motor alemão, teriam que refazer todo o carro, isso leva meses.

O grande segredo da Mercedes
http://4.bp.blogspot.com/-YMS5KuZ3xV0/U0R3s0jKrDI/AAAAAAAAOK8/J9l3b9mjO_g/s1600/MERC.JPG

Campeonato já era, salvação é Rosberg melhorar a cada prova, senão Hamilton leva fácil o campeonato. O carro Mercedes é um "tanque de guerra alemão", pra piorar, não sofre mais com degradação de pneus. Hamilton que exige muito do conjunto não precisa se preocupar em ir ao limite em todas as voltas(sem forçar)o carro é pelo menos um segundo por volta mais rápido que o resto. O que poderia derrubar a equipe seriam problemas mecânicos(motor, câmbio, parte hidráulica), lembram de Raikkonen em 2003? O carro era veloz, mas quebrava uma barbaridade.

Outros times podem evoluir e conquistar pódios, vencer até uma ou outra corrida, mas a disputa é mesmo entre os pilotos da Mercedes. E como os dois carros estão muito a frente do resto, a equipe pode se dar ao luxo de permitir uma disputa aberta entre seus pilotos. Não tem como Mercedes perder o campeonato de pilotos e construtores! Pelo menos, a temporada esta divertida, grandes equipes como Ferrari, RBR e Mclaren estão sofrendo pra bater equipes como Williams e Force Índia. Enquanto Vettel passa por vários problemas técnicos, Ricciardo é assombrado pelo azar. E o que dizer da Ferrari? Alonso e Kimi estão comendo o pão que o diabo amassou, em época de aerodinâmica em baixa, Maranello esperava muito mais do carro. Pra maioria, o ano vai servir como banco de desenvolvimento visando 2015. Mclaren e Ferrari vão amargar mais uma temporada sem títulos.

Mercedes vai papar tudo depois de cinco anos de trabalho duro, um tempo normal pra chegar aos títulos, vejam caso de Ferrari com Schumacher ou Vettel pela Toro e RBR. Mudar para um time organizado e carro pronto pra disputar títulos é fácil. Parte mais difícil na Formula Um é fazer tudo isso começando por baixo, Rosberg sendo campeão teria mais mérito que Lewis, o inglês deu baita sorte de pegar o carro em alta já em 2013.

Lembrando que, muitos dentro da F-1 já apostavam motor Mercedes forte esse ano. Evidente que o time ia se destacar, já era esperado. Últimos títulos da Ferrari foram em 07(pilotos) e 08(construtores), mas esses títulos ainda tinha muito do trabalho de Schumacher, Brawn, Byrne e Todt. Depois de um ano ruim em 2005(graças mudança drástica de regulamento), Schumacher venceria SETE corridas em 2006, o alemão não foi campeão, mas fez uma coisa até mais importante que o próprio título, ajudou a erguer o time deixando o carro afiado, pronto pra disputar os títulos de 07/08. Se Kimi foi campeão em 07 e Massa disputou o título em 08, é muito graças ao trabalho de Schumacher em 06. E sem Rubinho no time provando que era ele quem fazia a diferença.

Quem esta realmente desesperado por títulos são Mclaren(dificuldade pra conseguir patrocinador oficial, fiasco) e Alonso que já vai para 8 anos sem saber o que é ser campeão.

Destino, Hamilton trocou um time inglês que estava em alta, pela alemã Mercedes que estava em baixa, hoje é forte candidato ao título. Alonso se ofereceu a RBR em 2013, no final ia trocar seis por meia dúzia, na RBR não seria campeão em 2014. Bem que Newey poderia 'aprontar' no meio da temporada, Vettel poderia vencer algumas corridas seguidas, ia botar fogo no campeonato. Ricciardo esta pilotando muito bem, mas é questão de tempo Vettel deixar o companheiro para trás. O alemão sempre teve uma certa dificuldade em início de campeonato, mas depois que embala é difícil pegar. RBR esta meio "perdida", esta acontecendo muitas falhas técnicas, principalmente com Vettel, pixotadas como roda solta no carro de Ricciardo também não aconteciam no time.

Marcelo

Francisco disse...

Como assim, Prost com apenas 4 mecânicos? E quem trocava os pneus no pit-stop? A avó dele? E quem segurava o pirulito? A mulher do Laffite? Eu hein, cada maluco. A Mclaren sob Ron Dennis, sempre, sempre mesmo, foi muito imparcial com seus pilotos. Procurem a reação de Ron Dennis quando Alonso estampou o muro em Fuji. Mas o pessoal só mostra e sabe, da reação dele quando o Hamilton errou em Shangai. E olha que foi apenas 1 corrida antes e a guerra entre os pilotos e entre Alonso e a equipe já era escancarada a todos.

Agora, ao que interessa. Corradi, lhe pergunto, após 1 semana em praias capixabas e com a cabeça tranquila que só: e se não? E se o Vettel não superar facilmente o Ricciardo mesmo com a Renault melhorando?

Humberto Corradi disse...

Francisco

Acho que Vettel já passou por várias situações na Fórmula 1 desde a Toro Rosso.

Mostrou que em cada temporada conseguiu uma evolução real que acabou por gerar 4 títulos na categoria.

Penso que eu seria leviano se esquecesse de tudo isso.

Ricciardo é ousado e bom piloto, mas haverá um momento que a superioridade de Vettel se fará presente.

E esse será o instante mais importante da vida de Ricciardo dentro da F1.

Porque aí veremos qual o rumo que sua carreira irá tomar de acordo com a forma que ele vai lidar com isso.

Apenas um pensamento.

Valeu

João disse...

Confesso que um dos pensamentos mais geniais que já li foi este sobre o Vettel. Quando o carro estabilizar, aí ele vai mostrar que é muito bom e deixar o companheiro para trás...

Não era suposto ser o contrário? O de que um piloto banal/bom consegue fazer grandes coisas porque tem um grande carro?

Segundo aquilo que sempre li, o que diferenciava o Senna, por exemplo, era o facto de fazer 'milagres' em carros mais fracos. Mas parece que hoje em dia, utilizam-se os argumentos 'a favor do vento'.. se mudar de direcção, muda-se de argumentação.. enfim..

Danilo Candido disse...

"Segundo aquilo que sempre li, o que diferenciava o Senna, por exemplo, era o facto de fazer 'milagres' em carros mais fracos."

Pois é...

Senna nunca teve carros ruins. Mesmo a Toleman, que muitos insistem em pintar como uma "draga", era um bom carro, bem acertadinho e de ótimo projeto concebido pelo Rory Byrne. A Mclaren MP4/8 também tinha um excelente chassi, e um motor razoável, ainda que fraco. Já em 1992, com uma MP4/7 sabidamente pesada e mais nervosa do que as Williams e Benetton, Senna penou, terminando o campeonato na 4ª posição, superado também por Patrese e Schumacher, e superando seu companheiro de equipe Berger por apenas 1 ponto.

Esa história de "fazer milagres com carros ruins" é conversa para boi dormir...

Um abraço,
Danilo Candido.

Humberto Corradi disse...

João e Danilo Candido

Os problemas da Red Bull (principalmente envolvendo a potência) impedem os pilotos de tirarem o melhor do carro.

Isso é o "milagre".

O piloto espetacular impressiona, mesmo tendo um carro inferior, porque consegue tirar o máximo de sua máquina.

Vettel até aqui colecionou problemas. Com um mínimo de condição arrancou um pódio.

Coisa que os outros carro servidos com o motor Mercedes -Williams, Force Insia e McLaren - (desde os testes, sempre mais estáveis) só fizeram uma vez.

Assim pra Vettel mostrar sua capacidade precisa de um carro que funcione pelo menos, digo o mesmo sobre Fernando Alonso com a Ferrari.

Tem que entender isso.

Valeu

Danilo Candido disse...

Corradi,

Entendo e concordo. Tanto que nunca duvidei da capacidade do Vettel. Afinal, ninguém é tetra à toa (sem entrar aqui em diversos méritos, se não a discussão não terminará nunca).
Apenas discordo veementemente da santificação de Ayrton Senna.

Um abraço,
Danilo Candido.

juniorcaixote disse...

Que acontece, Corradi?

Podando todos meus posts?
Posso não comentar em todos os posts, mas sou frequentador assíduo.
Não posso ler bobagens que outros postam e ficar indiferente.

Humberto Corradi disse...

juniorcaixote

Pode debater as ideias livremente, mas não pode ofender a pessoa.

Ninguém é idiota ou coisa do gênero porque não pensa igual a você.

Esse tipo de atitude não é tolerada por aqui.

Valeu

Anselmo Coyote disse...

Se fôssemos classificar os pilotos como bom, médio-bom, médio, médio-ruim e ruim o Sebastian Vettel seria médio-ruim. Alguns pilotos fazem sim, alguns poucos milagres com carros ruins. O Maldonado na Espanha 2012 fez, sem ajuda de chuva ou treinos atítpicos. O Kimi ficou mais de 30 corridas marcando pontos e ainda ganhou duas corridas e fez outros pódiuns com a Lotus/Genii.

Essa do Vettel precisar de um carro melhor p/bater o Ricciardo realmente ninguém engole em sã consciência.

Está vergonhoso o varêio que ele está tomando e o motivo é simples:
Ele compara o novo carro com o de 2013 e diz: é uma porcaria. O Ricciardo faz o mesmo (compara) e diz: é lindo. E quem guia mais confortavelmente ganha.

Isso acontece com quem acostuma com moleza. Um canhão e um motorista-canguru pre-aposentado.

A máscara já caiu. Mesmo que a equipe trabalhe para apagar o holofote que o segundão Ricciardo acendeu sobre o óbvio, não adiantará: o estrago já foi feito.

Abs.

Renato disse...

O próprio Hamilton sempre dizia que a superioridade do Vettel era do projetista Adrian Newey, e que só colocando um piloto de boa qualidade ao seu lado para saber se ele é bom ou não, o Hamilton dizia que o Vettel fazia voltas quadradas e todas eram irregulares, diferente do Alonso que segundo o Hamilton é muito técnico e fazem voltas com muita regularidade e olha que o Hamilton não gosta da pessoa Alonso, mas admira a pilotagem dele. Infelizmente o Adrian Newey sempre faz pilotos médios serem campeões tais como Mansell, Hill, Villeneuve e agora o Vettel. O Newey só pegou de bom o Hakkinen e o Prost, o resto é lixo...não adianta o piloto para ser bom tem que botar piloto bom ao seu lado senão vai enganar o tempo todo. Eu conheci um piloto que há 30 anos que era muito macho contra uma legião de pilotos medíocres, mas bastou pegar um piloto mais ou menos e com carros iguais (Mansell e Williams) para dificuldade (e olha que este piloto tinha carro reserva e o Mansell não). Imagina se este piloto macho pegasse o Prost, o Senna, o Schumacher ou o Hakkinen, a surra que ele ia levar.