sábado, 10 de outubro de 2015

Ricciardo e a Herança





















Daniel Ricciardo.

A frase.

"Acho que a Renault é uma das melhores opções para a Red Bull em 2016."

Este piloto australiano é uma figura interessante.

Um ótimo piloto em 2014.

Um bom piloto em 2015.

Mudaram as condições.

E Ricciardo parece ter sentido dificuldades.

O parâmetro é seu companheiro Daniil Kvyat.

Os dois se engalfinharam até aqui com bastante equilíbrio.

Depois da temporada passada, não era o que esperávamos.

Acho que o carro fez diferença.

Talvez o modo de condução de Ricciardo não tenha se adaptado ao projeto
do RB11.

Fato é que o piloto tem tido uma temporada apagada.

Não cobro vitórias.

Mas performance.

De tirar o melhor do bólido dado pela equipe.

McLaren?

Ayrton Senna encantou o mundo mesmo quando estava de Toleman e Lotus.

Fazendo o melhor com um equipamento inferior.

Ricciardo não é Senna.

Pertence a linhagem de Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e, se quiser um exemplo
mais recente, Jenson Button.

Pilotos de repetição.

Irritantes.

Que volta após volta colocam o carro na mesma posição na curva.

Mais.

As coisas estão dando errado para Ricciardo em 2015.

Estamos agora nos bastidores.

Ele está visivelmente preocupado com seu futuro.

A frase que está nas primeiras linhas deste texto entregam.

Ele está fora da herança.

Vettel tem a Ferrari.

Hamilton tem a Mercedes.

Alonso (bem ou mal) tem a Honda.

Ricciardo tenta se agarrar a esperança da Renault.

Entretanto vemos o movimento de Grosjean para a Haas.

(indo para a linha sucessória da Scuderia Italiana)

Fugindo do motor francês.

Existe alternativa para o aussie?

Respirar novos ares seria a resposta?

A segunda cadeira da Manor, mirando a Mercedes 2017?

Haas ao lado de Romain, para brigar com o francês pelo lugar de Kimi?

Difícil, não?

Ainda pra piorar aparece Max Verstappen (como um filhotinho adorável)
roubando o brilho na Casa dos Energéticos.

Tudo tem conspirado para que Ricciardo encontre ainda mais dificuldades
em sua carreira.

Posso estar enganado.

(tomara!)

Mas Ricciardo está me lembrando Nico Hulkenberg.

Hulk é apenas dois anos mais velho.

Porém dá a impressão de ser um veterano sem lugar.

Perceba que Nico é outro piloto que não está em nenhuma linha sucessória
das unidades força.

Único caminho para se tornar rei na Fórmula 1.

Ricciardo olha o horizonte e não enxerga o sonho do título.

Seu futuro é incerto e está nas mãos do destino.

Bons resultados?

Hulkenberg também tem e ainda um inesquecível (ou esquecido?) título nas
24 horas de Le Mans!

Às vezes mesmo podendo escolher seu lugar, a situação se torna tortuosa.

Vide Fernando Alonso.

Imagine para aqueles que não possuem alternativas.

Triste.

Haverá um sorriso ao final dessa história?






















9 comentários:

Marques disse...

Concordo com boa parte, apenas discordo que venha sofrendo com Kvyat. Não fossem os problemas de confiabilidade estaria bem a frente do companheiro.
Companheiro fraco, por sinal.

macambuzio disse...

Ainda não esqueceu a surra que o vettel levou do aussie em 2014 e agora solta essas perolas??
No mais o Ricciardo esta assegurado na F1 mesmo sem herança...

Silvestre Zanon disse...

Concordo. E será que o Bottas está indo na mesma direção?

Eu leio os comentários em todas as postagens. O pessoal cai em cima quando o Corradi cita algo sobre o Vettel, tem muita coisa engraçada até. Se a galera comenta apenas por zoeira, legal, mas alguns vêm de uma maneira como se ele não pudesse torcer ou comentar sobre esse ou aquele piloto. A gente escolhe um time de futebol pra torcer, uma música favorita, o melhor lugar pra viver, uma banda, etc...e não muda nada com um piloto de corridas. É um blog pessoal, não um site de notícias.

Jacinto disse...

Dada a importância que os motores têm na F1 atual, e que haverá o congelamento do desenvolvimento em 2016, acho difícil alguém fora do eixo Ferrari/Mercedes ter chances de competir pelo título em 2016/2017. Então, para estes próximos dois anos temos apenas um assento com potencial de ser campeão, que é o da Ferrari. A menos que a Renault esteja escondendo muito o jogo, mas acho isso absolutamente improvável. Ela própria e a Honda provam que é impossível desenvolver um motor apenas com simulações no dinamometro.

Fortuna disse...

O problema de ser torcedor é forçar a barra. É uma formador de opinião que vai estar sujeito à críticas, normal. O pessoal pega no pé por conta de posts como esse, em que ele desmerece um cara que dominou amplamente um tetra-campeão para justificar (indiretamente) um "ano ruim". Pra mim Vettel é um bom piloto e nada mais, justamente por não ter crescido numa situação como a do ano passado (carro sem o downforce dos anos anteriores e companheiro com a faca nos dentes). Corradi não acha isso. Paciência... Só discordo frontalmente mesmo de dizer que há equilíbrio entre Ricciardo e Kvyat. O que tem atrapalhado o australiano são os problemas e quebras. Hoje ele estava fazendo uma grande corrida em Sochi, como fez em Cingapura também.

Daniel Chagas disse...

Como já comentei em outro post eu repito novamente: Se fosse a Renault a minha dupla seria Ricciardo e Hulkenberg sem pensar duas vezes.

cesar disse...

Corradi, o Riccardo não tem mesmo chance de ir para a Renault? Eu acharia interessante...

Eduardo Casola Filho disse...

Mas o povo adora encher o saco por causa da admiração do autor pelo Vettel. Agora enxergam menosprezo pelo Ricciardo por causa da surra do ano passado. Menos né, gente!

Outra coisa: Dar surra em um companheiro de equipe em um ano apenas não vai adiantar nada se o cara não ganhar títulos e ficar no ostracismo depois. Basta ver o Nico Rosberg (arrebentou com o Schumacher três anos seguidos, mas hoje em dia é visto como um piloto "1B" que perdeu o bonde da história)

Tomara, sinceramente, que não aconteça o mesmo com o Ricciardo. Mas o esporte é cruel dependendo do caso.

Diogo Moura disse...

Se ele tivesse os carros que Vettel teve era tetra campeão também. E pea forma técnica de pilotar te digo que até com mais facilidade.