domingo, 3 de janeiro de 2016

Nasr Fala Francês?






















Na minha opinião, Felipe Nasr foi o destaque entre os novatos da temporada
passada.

Numa equipe com recursos limitados e com muitos problemas para desenvolver
seus carros, o brasileiro fez bem sua parte.

Nada a ver com pachequismo.

Reconheço que Max Verstappen e Carlos Sainz Jr. também brilharam.

A safra não decepcionou.

Muito pelo contrário.

O motivo do post é o futuro.

E agora?

Tudo indica que o brasileiro não quer brigar na segunda divisão da F1 para
sempre.

Nasr quer estar em um dos cockpits dos times principais das montadoras
que competem na categoria máxima do automobilismo.

A questão é: em qual delas?

Ferrari?

Apesar de contar com o mesmo empresário de Kimi Raikkonen, Nasr aparece,
por enquanto, distante  de qualquer possibilidade de guiar pela Scuderia Italiana.

Romain Grosjean e Esteban Gutierrez já estão participando do programa de
trainee da Haas / Ferrari.

Mais.

A Sauber (que utiliza a unidade de força dos italianos) anda com ciúmes do time
americano estreante e, por isso, sorriu para a Honda.

McLaren / Honda?

Depois do que aconteceu com Kevin Magnussen, acho que está difícil até pro
Stoffel Vandoorne conseguir um lugar de titular no time de Woking.

Quanto mais para um piloto que nunca esteve nos planos de Ron Dennis.

Red Bull?

OK.

O pessoal do energético não é mais o preferido de nenhuma montadora.

Porém com a grana e a capacidade técnica de Milton Keynes, ninguém é
maluco de subestimar os caras.

Entretanto a história de Nasr e a Red Bull já se encerrou há muito tempo.

Mercedes?

A atual campeã mundial conta com pilotos de primeira linha e entre os novatos
já fez sua escolha.

O nome de Max Verstappen, caso necessário, aparece no topo de todas as listas
para substituir Lewis Hamilton ou Nico Rosberg.

Renault?

Bingo!

A informação é que Nasr tenta uma vaga no time francês.

Lembra da lista?

Kimi Raikkonen, Valtteri Bottas, Felipe Massa, Daniel Ricciardo, Kvyat,
Sergio Perez, Pastor Maldonado, Jolyon Palmer, Carlos Sainz, Nasr,
Marcus Ericsson e Jenson Button.

São os pilotos com contrato somente até o final desta temporada.

As vagas voando na Renault realmente possuem uma atratividade lógica.

Existe viabilidade.

Por tudo que a gente já escreveu acima.

Vai acontecer?

Quem sabe?

O movimento detectado de busca por uma escuderia principal é razão
para elogios.

Mostra que Felipe Nasr não quer perder o bonde da história.

E que seu empresário, o sagaz Steve Robertson, está tentando traçar
um caminho de oportunidades reais para que o brasileiro possa almejar
conquistas concretas na Fórmula 1.

Estaremos atentos!

6 comentários:

Anônimo disse...

Seria fantástico!

Nasr é realmente ótimo piloto e além de estar cercado de gente influente,parece disposto a não apenas "passar" pela F1.

Mas será que a Renault não estaria mais inclinada a colocar um francês em sua linha.

Ainda mais se considerarmos a ótima geração de jovens pilotos da França correndo bem nas categorias de base.

Matthieu Vixiviere,Esteban Ocon e Charles Leclerc (monegasco).

Arthur Simões

Anônimo disse...

Olá Corradi! O Nasr é excelente mesmo. Não é showman que nem Verstappen mas é bastante promissor e tem capacidade de conquistar grandes coisas na categoria.

Acredito que ele não voltaria trabalhar com franceses porque sua passagem pela Dams na GP2 foi meio turbulenta, ele disse que prefere trabalhar com britânicos.

Tenho contato próximo do Felipe que me disse que tem três equipes o sondando, são elas. a McLaren, Williams e Ferrari.

Eu como fãzaço do Felipe Nasr, acho que as maiores chances dele é na Williams, e quem sabe a McLaren que flerta com o brasileiro desde os tempos da F3 britânica e onde o Robertson tem as portas abertas. Na Ferrari eu não vejo o Nasr porque há conflito entre o Banco do Brasil e Santander.

Torço para que ele pule para uma equipe melhor no próximo ano! Ele é bastante promissor.. Go Nasr. :-)

- Leandro

João Paulo disse...

A oportunidade nasceu quando Grosjean casou com a Has-Ferrari. Mas ainda é muito cedo... mas nada melhor que uma especulada nesse início de ano!

Humberto Corradi disse...

Leandro e João Paulo

A informação é que Robertson procurou a Renault ainda no verão europeu.

Valeu

Jose Ivanildo disse...

A questão e resultado e não ser do mesmo país. Toda equipe sonha em ter um senna ou outro piloto seja ele qual for. Trazendo resultados e oq em porta. Se lembra quando schumi substituiu um piloto em 91, pois é o Cara acabou ficando no lugar do outro

Marcos José disse...

A Renault poderá reutilizar o E23 Hybrid da Lotus (o carro usado em 2015) por atraso da fabricação do novo "E24" ("vamos economizar muito dinheiro utilizando o carro do ano anterior pra recomeçar!!"-Carlos Ghosn)! Será que o "Grupo de Estratégia" aprovará mais um segundo caso "Marussia" na F1 (o aproveitamento de um chassi antigo usado na temporada anterior mas atualizado para obedecer o regulamento do ano seguinte)??