quarta-feira, 2 de março de 2016

Rascunho Agradável













































Os testes continuam.

Houve a apresentação dos novos carros da Sauber e Toro Rosso.

Fico com o segundo.

Mais interessante.

Não somente pelas linhas aerodinâmicas feitas por James Key.

Mas também pelo o que estava escrito na carenagem.

Sapinda, Casio e Estrella Galicia.

A Sapinda é holandesa (assim como Verstappen) e está associada a diversos
investimentos ao redor do planeta.

Empreendimentos nas áreas imobiliária, de petróleo, de agricultura e mídia fazem
parte de seu portfólio.

A Casio foi movida dentro da universo Red Bull com a chegada da TAG Heuer
para o time principal.

Nada demais.

Já a cervejaria espanhola Estrella Galicia aparece apoiando Carlos Sainz Jr.

O demais patrocinadores são todos pertencentes a Red Bull.

Repare que o time de Faenza não conseguiu remediar as saídas da Cepsa e da
Nova Chemicals.

Tempos difíceis.

O carro é bom, segundo o Tordo, porém sempre estará um passo atrás com o
motor do ano passado.

Outras impressões do pequeno pássaro italiano?

A diferença entre a unidade de força usada pela Mercedes é gritante em relação
as suas clientes.

Lembro que Hamilton reclamou dos pneus macios da Pirelli.

"Eu disse, os prateados adoram o sabor da receita da borracha italiana!"

Adrian Newey fez (ou supervisionou?) outro grande carro.

Falta força.

Caso parecido (mas por outros motivos) com a da impressionante Force India.

A Manor nasceu muito bem e tem tudo para sair do fundo do poço (ou grid).

Velocidade não é o problema da Williams.

Massa e Bottas sofrem mesmo é nas curvas.

E os bólidos de Ferdi e Button parecem normais.

O que é uma evolução, se olharmos a tragédia da temporada passada.

Ah sim, Alonso é o embaixador do GP de Baku.

E a McLaren voltou afirmar que é contra dividir o motor Honda com outra
escuderia.

(Ron Dennis está se sentindo ameaçado pelo possível candidato a novo parceiro)

E a Scuderia Italiana?

A Ferrari andou pesada e com pneus médios.

Sem sustos.

Vettel usou um motor novo.

Por fim.

Bernie Ecclestone confundiu todo mundo com o novo sistema de qualificação.

A ideia (até que não mude outra vez) é usar a inovação no Q1 e Q2 já na
Austrália.

Enquanto que o Q3 permaneceria da mesma forma.

(agradando Ferrari e Mercedes).

7 comentários:

Anônimo disse...

Boa Corradi!

Uma dúvida só.

A respeito do comentário sobre a Force India,apesar de ser quase o mesmo carro do ano passado,quer dizer que o carro do time de Silverstone é muito bom??

Porque nos últimos anos,apesar dos ótimos resultados,o carro era apenas bom e o que realmente fazia a diferença era o motor Mercedes.

Esse ano as coisas mudaram??

Parabens pelo ótimo blog.
Visita diária e obrigatória.

Arthur Simões

Ron Groo disse...

é... os modelos Edifice da Casio em parceria com a Red Bull são lindões.
E Estrela Galícia... ai ai ai

Renato Santos disse...

A Corradi Information Agency está bombando!

Jeferson Araujo Pereira disse...

Espero que eu esteja errado, mas perigas da Haas e da Manor chegarem na frente da McLaren no GP da Austrália.

Será um vexame.Se bem que a McLaren já tem ISO-9000 no "quesito" vexame.

André Freitas disse...

Corradi, você acha que a Ferrari está mais perto da Mercedes esta temporada?

Humberto Corradi disse...

Arthur Simões

Continua com o belo motor Mercedes, mas parece pecar na velocidade.

O termo impressionante vem do fato da solidez do trabalho da Force India. Não fazem feio e nem dão vexame.

Valeu

Humberto Corradi disse...

André Freitas

Acho necessário esperar até o último dia de testes para termos uma visão melhor. Mas até aqui a Mercedes vem demonstrando continuar com seu ótimo projeto.

Continuidade é palavra chave na F1.

A Ferrari precisa inovar, o que é muito mais difícil.

Vamos aguardar.

Valeu