terça-feira, 7 de novembro de 2017

Wehrlein


























Felipe Massa é passado.

A Williams precisa agora olhar para o futuro.

E definir o companheiro de Lance Stroll para 2018.

Paul di Resta, Robert Kubica, Daniil Kvyat...

A lógica indica que o escolhido deveria se Pascal Wehrlein.

Novo, barato e talentoso.

Além disso seria um ativo que poderia ser negociado no futuro.

(a saída de Bottas rendeu dividendos)

Idade?

A Martini compreende.

Valores?

A Mercedes aumentaria seu apoio técnico na casa de Grove.

Sei que ele é subestimado por sua postura tímida que se confunde com
arrogância.

Comportamento retraído que lembra o de Alonso no início da carreira.

(só que depois o espanhol se tornou pernóstico mesmo)

Kubica é um risco grande demais.

Paul di Resta explodiu pontes por onde passou.

E os russos costumam dizer que entregarão o dinheiro, mas quase sempre
as afirmações viram fumaça.

De qualquer forma é uma situação interessante.

Esperemos a decisão.

12 comentários:

LGD disse...

Na minha opinião, dentre os nomes que sabemos estar na "fila" pela vaga, Pascal é o mais interessante de todos. Por mais que EU gostaria muito de ver Kubica de volta ao grid, pensando no médio e/ou longo prazo, Pascal é a opção certa.

Interessante a foto do Pascal com Nasr, na minha opinião Nasr foi bem, não fez feio na F-1, merecia nova chance mas pelo jeito o "tempo" dele passou.

CHAGAS disse...

Kubica é talento puro, é o que se espera de um grid. Pilotos talentosos. Kubica está limitado fisicamente, mas falar que ele não é capaz de trazer os resultados que a Williams precisa é outra coisa e pelo que foi visto desde os testes com a Renault é possível.
Porém o blog está correto. A aposta mais certa de melhor retorno é o jovem alemão. Dizendo em todos os sentidos bem explicado pelo blogueiro.
E pra se fazer justiça, seria a chance de Wherlein provar seu grande talento, e calar a boca de muito "sem noção" que vemos hoje em dia.

Marcos José disse...

A Williams nunca escondeu que Felipe Massa não ficaria pra 2018; tanto é verdade que a ela abriu este "vestibular" para está vaga, as tais palavras "amigáveis" de Lowe durante o ano sobre Massa já indicavam a direção que a equipe queria: "você não ficará pra 2018 e já temos o seu este substituto". Parece que a grana que a família Stroll injeta na equipe, não é o suficiente para auxiliar nesta perda "suposta" destes 2 patrocinadores (tudo indica que a Unilever poderá mudar de equipe pra 2018...seria talvez a McLaren!?), daí a necessidade de ter uma ajuda "gorda" (entende-se...mais dinheiro) no orçamento da equipe. Não ficaria surpreso se a equipe anunciar Daniil Kvyat em Abu Dhabi como seu piloto titular pra 2018 e Robert Kubica como seu novo piloto de testes. Na minha opinião, o Wehrlein só será considerado se a Martini aceitar a diminuir o seu espaço na carenagem do carro e com isto tendo um bom aporte financeiro (muito dinheiro) por parte da Mercedes (que eu acredito que não ocorrerá, se eles nem ajudaram a Manor pra 2017, imagina agora...) para isto acontecer.

Gabriel Pereira disse...

Wherlein merece.
Decifrei isso aqui em Julho.
Passou da hora de darem um carro pra esse rapaz e vermos do que ele é feito.

Cristofer Maninho disse...

Se for pra algum russo endinheirado ir, queria ver o Sirotkin. Kvyat nunca me agradou muito, ainda mais com a promoção pra Red Bull perdendo pro Vergne, apesar de não ter sido legal como foi sacado de lá.

Daniel Chagas disse...

Fico triste por ver uma equipe precisar mendigar para escolher o seu piloto. Isso acontece pela incapacidade da equipe de obter patrocinadores fortes e também de se tornar equipe oficial de alguma montadora. Já comentei diversas vezes aqui a mediocridade da Williams, essa forma conservadora e míope exacerbada que limita a própria equipe. Sai ano entra ano e é o mesmo papo "estamos reestruturando a equipe" e não sai disso. A verdade é que eles se apequenaram e se conformaram com o meio do grid,pois ficam felizes em chegar em oitavo, nono. Eu fico abismado, pois com o nome e história que a Williams tem na F1 poderia atrair grandes marcas e consequentemente estar brigando de igual para igual com Red bull, Mercedes, Ferrari, contudo pela incompetência não consegue. Incompetência,conformismo e mentalidade pequena.Uma pena, pois potencial a equipe tem ou tinha, não sei mais.

Lucas disse...

Equipe medíocre, falida, se arrasta no grid sem chance de disputar coisa alguma, fica dependendo de pilotos que trazem dinheiro, os donos estão loucos para venderem para o primeiro trouxa que se oferecer, por mais que tenham outras áreas de atuações como centrais eletrônicas e outros nichos, só devem vender a equipe de Fórmula 1, o que para mim valeria o mesmo que o espólio falido da Honda em 2008 comprado pelo Brawn: R$ 1,00.

Eduardo Sacramento disse...

Eu acredito que a vaga irá ficar com Kyvat, mas prefiro o Werhlein. Piloto do nível do Ocon e que só pilotou em equipes pequenas. Na Manor obteve resultados muito bons.

Kubica só para teste mesmo. Infelizmente os acidentes deixaram sequelas (limitações) irreversíveis.

Gustavo Leite disse...

Bem que Pastor Maldonado poderia voltar kkkkkk
Eu gostaria de ver Kubica, mas racionalmente a escolha certa seria Wehrleim

José Coutinho disse...

Oi Corradi,

Wehrlein leva algum patrocínio significativo além do apoio da Mercedes ?

Aproveitando; Uma dúvida (esta na a ver com F1): Pernóstico é uma palavra que já faz parte do seu vocabulário diário, ou quando você estava construindo o texto procurou sinônimos pra presunçoso? -

Eu faço isso as vezes pra incrementar um ton refinado quando escrevo, mas sem exageros, senão fica confuso. No seu texto ficou PERFEITO a forma como usou.
Achei igualmente incrível também a sugestão que o dicionário dá:
ETIM prognóstico com troca do prefixo pro - por per-

Gosto muito da forma sucinta que tu escreves. Foi este, no inicio, um dos principais atrativos pra me tornar assíduo no blog.

Abraço

Humberto Corradi disse...

José Coutinho

Wehrlein não deverá ter outro apoio. Mas a Mercedes já traz muito peso.

Pernóstico?

Eu tinha dois velhos clientes no ramo imobiliário. E um sempre se referia ao outro com esse predicado.

Palavras da vida.

Valeu

Anônimo disse...

Me arrependi de não ter comprado um boné do Nasr em Interlagos ano passado, até porque era o mais barato de todos. Inclusive foi bastante aplaudido pelo resultado, o último a entrar nos boxes.
Realmente se o problema não é mais a idade pra Martini, e ainda deve vir motor com desconto, suporte técnico e um piloto em plena forma, fica difícil para os demais.
Quem o excluiu antes do "vestibular" da Williams(lembro aquele onde o Bruno Junqueira foi preterido, sem comentários) esqueceu de uma notícia, acho que por aqui mesmo, onde Toto Wolf teria dito para a Williams não fechar a segunda vaga sem falar com ele.

Cristiano Buratto