segunda-feira, 9 de abril de 2018

Bahrain 2018






































Uma segunda etapa emocionante até o final.

Não devemos esquecer que nestes novos tempos um GP começa a
ser vencido no sábado.

A Ferrari entendeu isso.

Um tempo atrás comentamos que o carro vermelho seria construído
para conquistar poles.

A Scuderia Italiana foi sempre mais rápida que sua rival prateada no
deserto.

A unidade de força que empurrou os carros de Sebastian Vettel e
Kimi Raikkonen se mostrou ótima.

Além disso, os bólidos italianos estavam bem mais equilibrados do
que na Austrália.

Podendo assim lidar muito melhor com a parte sinuosa do circuito.

Por outro lado a Mercedes não achou seu melhor setup.

Penou com os pneus aquecendo demais e a falta de entendimento do
tipo do asfalto.

Mesmo com um motor menos potente, a Red Bull mostrou mais
agressividade do que na primeira etapa.

O qualifying indicou um carro bem ajustado.

Porém os pontos são ganhos no domingo.

Sebastian Vettel começou sua jornada sem problemas após as luzes
vermelhas serem desligadas.

Mas o ganho de posição de Valtteri Bottas em cima de Raikkonen
deu a primeira vitória na batalha do final de semana para a equipe
de Toto Wolff.

Com uma das peças no lugar certo, a Mercedes ainda tinha que
executar uma estratégia perfeita e necessitava contar com um pouco
de sorte para atrapalhar Vettel.

A segunda vitória veio com o blefe na parada de box.

A precipitação da Ferrari permitiu que Hamilton e Bottas partissem
para uma só parada.

E ainda veio a sorte.

O revés (quase mortal) na saída de Kimi trouxe várias baixas no
exército vermelho.

O plano da Mercedes equilibrou o jogo.

Sozinho, Vettel teve que conduzir seu carro até o final.

Com um Valtteri Bottas sedento por vitórias na sua sombra.

Seb venceu.

Entretanto poderia ter sido mais tranquilo.

Numa situação de igualdade (paradas, pneus) a Mercedes não seria
páreo.

A beleza está aí.

A inteligência, o fator humano podem influenciar o jogo.

O ocaso da Red Bull de Daniel Ricciardo foi lamentável.

Max Verstappen hoje (digo hoje) é um problema.

Parece aquela piada contada pela terceira vez.

Não há graça em suas ações.

Ver Pierre Gasly conduzir a Toro Rosso / Honda quase ao pódio
foi impressionante.

A McLaren abriu mão do dinheiro e de ser um time de fábrica.

Seu teto é a quinta posição.

Isso contando com chuva, desgraças e infortúnios alheios.

Ver Kevin Magnussen brilhando não me surpreende.

Quem acompanha o Blog há mais tempo sabe disso.

(apesar da apatia de Grosjean)

E ainda estou com expectativas de que o jovem piloto da Haas
repita performances memoráveis em pistas molhadas, assim
como fez nas categorias de base.

A oportunidade passa e vai embora.

Marcus Ericsson pegou a sua e não soltou.

Bom para a Sauber Alfa Romeo.

Marchionne sorri ao ver a marca italiana nos pontos.

A Force India vai realizando testes.

E a Williams de Paddy Lowe não tem nada de bom.

Me lembra um carro da Indy de tanto que balança.

Todos esperavam um Sainz marcando território.

Não está funcionando.

Experiente, Nico Hulkenberg quer se tornar o número um na Renault.

Acho que essa história ainda vai render.

Temos um campeonato.

Pois ninguém duvida da capacidade de reação da Mercedes.

Bom pra gente.

Aguardemos o próximo capítulo.

Enquanto isso a mimada Loria não sabe ainda o que é derrota.

13 comentários:

Antônio disse...

Corradi, claro que Loria não sabe o que é uma derrota, o acaso fez ela ganhar na Austrália (um incompreensível Safety Car Virtual que deveria ser com pits fechados), e no Bahrain só ganhou porque o cãmbio de Hamilton quebrou e, punido e largando lá atrás, teve que alterar o setup de seu carro para valorizar os stints longos em detrimento da velocidade, significa que se na China não houver outro sortudo Safet Car virtual na hora certa ou uma quebra no carro do inglês, Hamilton vai vencer, me cobre depois.

Marques disse...

Não sei não Corradi, a volta mais rápida da prova foi feita por Bottas na volta 22 e de pneus médios. Mesmo em condições normais seria pau a pau. Vettel foi brilhante, assim como Hamilton passando 3 ao mesmo tempo. Agora Bottas... perdeu a vitória.
E Raikkonen? Nem foi ver se o mecânico estava bem... Já passou da hora de ir fazer outra coisa.
Ótima corrida.

Gabriel Pereira disse...

Eu confesso que não faço ideia do que vai acontecer.
Em tese, pelo perfil dos carros éramos pra ter visto uma Ferrari mais forte na Austrália e uma Mercedes forte no Bahrein.
Sobretudo em prova de Classificação.
Será que as duas maiores escuderias inverteram os conceitos dos seus carros???
Enfim, não dá pra negar o quanto esse Vettel é osso duro em qualquer condição.Um gênio sem dúvidas.Talvez uma das maiores vitórias da sua carreira.
Embora digam que não, eu gostei da prova que fez Bottas.
Se classificou na frente do Hamilton sábado.
Engoliu o Raikkonen na largada e ficou ali na posição que por méritos ganhou na pista esperando a estratégia dar certo.
Acho que com mais duas voltas ele passaria o Seb.
é incrível como ultrapassar é dificil nessa F1 de hoje.
O cara cola na traseira, se não tiver um carro muito superior vai ficar ali forçando por duas ou três voltas até arrumar uma brecha.

Corradi, ano passado você adotou uma postura de torcer diretamente pela Ferrari e arrumou um monte de confusões aqui no Blog.
Eu te peço um favor.

CONTINUE TORCENDO DESCARADAMENTE.
é bom demais dividir esse Blog aqui.
E dane-se se os tolos entendem isso como parcialidade.
O Blog é seu e a gente se diverte!
...E inclusive isso gera mais interesse.
Por Favor!!

Abraços

Társio disse...

Ótima corrida!

Ótimo ver Gasly e Honda no Q3, e chegando em P4 na corrida. Um chupa enorme para a Mclaren isso tudo, apesar da boa corrida do Alonso. Só nao me conformo da grande disparidade entre o Gasly e o Hartley. Sempre acompanhei ele nos prototipos e ele sempre foi muito forte. É muito estranho essa diferença.

Interessante ver o Hulk surrando o Sainz (por enquanto).

Interessante também ver como a Force India andou para tras, e a Williams merece cada um dos seus problemas.

Verstappen errando no qualifying e acabando com a propria corrida na 1a volta. Já nao deveria mais cometer este tipo de erro...

Sobre a Mercedes, tenho a impressão que na Australia o Party Mode ficou muito descarado e eles nao devem ter usado no Bahrein para nao levantar suspeitas (que sempre acabam gerando proibicoes), o que mostra que em ritmo normal - sem o uso do party mode - a Ferrari é mais rapida em qualificação. Acredito que o Bottas não fez o que a equipe esperava dele, tanto na pole quanto numa eventual vitoria, visto os problemas do Hamilton com o cambio.

E que corrida do Vettel! Bravissimo! Se no episodio da Road Rage em Baku no ano passado o Vettel havia caido no meu conceito, ele subiu ao se posicionar na coletiva sobre o Hamilton chamando Verstappen de Dickhead. Postura de campeao!

Alias pelo jeito será uma briga de foice em quem será o primeiro penta campeao desta geração. Com carros proximos entre Mercedes e Ferrari, Hamilton e Vettel vao dar tudo este ano. Promete ser uma temporada daquelas!

Abç
Tarsio

Thiago R disse...

Corradi ta feliz.

Vamos ver mais quantas etapas vai durar.

Go Lewis!

Jacinto disse...

Corradi,
Parabéns pelo blog. Senti falta dele na época dos testes de inverno.

Parece-me que faltou combatividade ao Bottas. Eles (Bottas e a Mercedes) confiaram demais na estratégia de uma parada foram pegos de calças custas quando a Ferrari apostou em ir até o fim com os pneus no limite. Quando o Vettel estacionou o carro no final da corrida dava para ver que o pneu realmente estava na lona, o que demonstra, tanto a habilidade do piloto quanto o equilíbrio do carro, que parece ter evoluído bastante desde a Austrália.

A tripla ultrapassagem do Hamilton é coisa de cinema. Deverá ser incluída no rol das grandes ultrapassagens da história.

Verstappen poderia ter chegado em terceiro lugar se tivesse mais cabeça, e teria sido um resultado espetacular para quem largou em 15. Faltou cérebro e muito.

Gasly sim fez uma corrida inteligente: administrou bem seu equipamento, foi rápido, consistente e não cometeu erros. É uma agradável surpresa assim como a notória evolução da Honda, que parece ter se acertado fora da Mclaren.

Aparentemente, a Mclaren não estava afirmando a verdade quando dizia, em 2017, que tinha o melhor chassis, mas o pior motor. O pior motor é verdade, mas pelo o que temos visto, o chassis da Mclaren não é nada de outro mundo. É mediano

O GP da China deverá ser muito interessante.

Abraços e mais uma vez, parabéns.

Anônimo disse...

A única justificativa para o fraquinho Hartley estar na Toro Rosso é o interesse da Red Bull nos motores Porsche.
Nada justifica a presença desse mané, só mesmo esse desejo da matriz nos motores germânicos.
Zé Maria

Fabrizio Salina disse...

O imponderável tem dado a tônica até aqui. Será que a Ferrari está com essa bola toda ou a Mercedes foi superestimada? O que dá para qualquer um perceber é que não existe mais aquela reserva técnica da Mercedes, se é que o braço de Hamilton não possa ser assim considerado.

Sobre os pilotos:

Vettel afirmou que o carro não está totalmente ao seu agrado. Depois dessa performance...imagine se estivesse!Kimi Raikkonen só aparece envolto em picolés e incidentes inusitados.

Bottas a cada corrida nos recorda que Rosberg não era só um mero segundo piloto de Hamilton.

Gasly, com essa corrida, saiu do anonimato para alçar posto de promessa.

Vandoorne, em que pese sua corrida decente, se tornou o Patrese de Alonso.

Sainz? Nico Hulkenberg se gabarita, mas como sempre sua constância e velocidade é ofuscada por uma condução discreta, sem grandes momentos televisivos.

Verstappen está igual a galã de festa de 15 anos que escolhe a noite toda e acaba zerola em casa. Falta aquela maturidade e frieza que tempera o talento e produz fora de série. De toda forma, lembra muito aquele Luiz Amilton da McLaren, que sempre baixava o Mansell.

Legal ver a Sauber pontuar, e acho que a Haas vai chorar muito tempo os pontos da Austrália. Leclerc sentiu o peso do volante do F1.

Não vejo onde Corradi viu expectativas em Magnussen! Um Perez nórdico. Grosjean se perde demais.

Alonso se aposenta no final do ano? Essa é grande questão! McLaren, ao que parece, errou feio em se livrar da Honda. Jogou nos braços da Red Bull o motor de 2019.










Ricardo Botto disse...

Corradi,

A definição da corrida do Verstapen foi curta e precisa. Definiu tudo em duas linhas.Sensacional.

Anônimo disse...

Ou seja, Hamilton depende que tudo de certo e de um carro superior pra poder vencer e o Vettel faz com os pneus oque a Pirelli disse que seria impossível.

Entendi.

Luca

José Carlos Coutinho disse...

Corradi, ao contrário do amigo acima, prefiro a sua linha mais moderada e menos fã do alemão gênio-xiliquento. Não que você consiga disfarçar muito sua empolgação ao mencionar os nomes femininos dado aos carros de Seb.
Mas ao menos você consegue relegar isso ao fim do texto, apenas como uma leve provocação. Deixando pro miolo as informações úteis e a verdadeira análise.
Longe de mim aquele complexo de vira-lata padrão nas redes quando se vai criticar um Brazuca. Mas a turma aqui adora um POLARIZAÇÃO, nos esportes então, tem mais exemplos de coxinhas Vs. Petralhas que gostaria de admitir.
Polêmicas tolas sobre quem é melhor, um monte de debates infundados só pra provar sua opinião, no melhor estilo Galvão-Arnaldo (neste caso pior). Bobajadas do tipo FLAFLU, FEDAL, Messi-CR7, Hamilton-Vettel não acrescentam em nada o entendimento do esporte. Só fomenta agressão por parte dos mal-educados. E por aqui (web) tá cheio deles.

José Carlos Coutinho disse...

O comentário do Jacinto. Este sim me representa.

Daniel Chagas disse...

Dois pilotos que as pessoas não valorizam, Magnussen e Hulkenberg. Se fosse dono de equipe contrataria os dois de olhos fechados.