terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Projeto Verão 2 - Segundo Dia























Repeteco!

O Marcos do GP Series escreve no segundo dia do Projeto Verão 2104.

Foi assim na vez passada.

E o tema não poderia ser outro: Williams, claro!

O Marcos em seu Blog ( clique aqui ) demonstra há anos sua paixão pelo time
de Grove.

Dessa vez fiz um pedido.

Que ele apresentasse os motivos que fizeram a equipe sobreviver por tantos
anos sem se vender e com o mesmo dono.

Quem melhor para responder tal questão?

Marcos Antônio (Williams) Filho está com a palavra!




Teimosia

Por Marcos Antônio Filho


Ser teimoso é uma virtude ou defeito?

Insistir, bater naquela mesma tecla que ninguém bate, e que ficam dizendo: 

"você é louco, isso não vai dar certo." 

Ignorar os riscos e consequências é uma boa maneira de se viver? 

Eu acho que é sim, e meu maior exemplo e um tal de Sir Frank Williams, que por 
ser um teimoso incurável, mantém a sua equipe sob o seu comando até hoje.

E sua teimosia vem de longe, desde que se juntou ao amigo Piers Courage e com 
um chassi da Brabham foi à luta. 

Conseguiu bons resultados, mas em 1970 ele sofreria uma das dezenas de rasteiras 
vindas da F1. 

Courage morreu e ele ficou sem o seu grande amigo e piloto. 

Existiu por 5 anos sem muita grana, vendendo o almoço pra comprar a janta. 

 Eram tempos da lenda de que ele usava um orelhão para ligar para fornecedores e 
pilotos. 

Poderia ter desistido? 

Poderia, mas ele insistiu no sonho.

Veio Walter Wolf e o que parecia ter sido uma reviravolta, foi só dor de cabeça. 

Saiu, mais uma vez por baixo, mas acabou conhecendo o seu grande parceiro: 
Patrick Head. 

E na tentativa de buscar um patrocínio, Frank viu a chance de fechar com os árabes. 

E quase não fechou, mas ele insistiu, até pintou um March com as cores dos sauditas 
para deixá-los encantados. 

Deu certo.

Os longos anos tenebrosos terminaram, e as vitórias chegaram no "carro de Alá". 

Veio o sucesso e com ele a primeira tentativa de compra. 

Ah, Frank tava escaldado com insucesso de Walter Wolf, e não venderia seu precioso 
bem, que ele suou tanto para conquistar. 

Frank sabe bem o valor do dinheiro. Não é à toa que é um grande sovina. 

Os pilotos que o digam...

E ele não venderia tão fácil. Nem desistiria do seu sonho tão fácil. Nem mesmo após o
acidente que quase lhe tirou a vida e lhe deixou paraplégico o fez desistir de tentar. 

Ele veio a liderar uma equipe no seu momento mais glorioso, sob uma cadeira de rodas. 

Quase um professor Xavier da vida real...

Claro que sua teimosia não lhe trouxe coisas boas. 

Ficar sem motor Honda e ir pro Judd, por exemplo. Não dar a Adrian Newey tudo que 
ele queria (o maior erro da vida do Frank, segundo o próprio), só pelo o simples fato de 
que a equipe era dele e Head e de mais ninguém. 


O rompimento nada amistoso com a BMW, que deixou marcas, já o que time foi em uma 
descendente triste, para mim. 

Mas não me venham com esse papo de que é a nova Tyrrell!

Erros de estratégia, que foram pura teimosia. 

Mas a equipe teve muito acertos por teimosia. 

Frank Williams é um baita de um teimoso, que aos 71 anos, continua comandando 
a equipe, com mais 500 funcionários, com as mesmas mãos que iniciou a equipe 
com o já aposentado Patrick Head. 

Mas as mãos de Frank estão cansadas.E por isso ele já passa o bastão para sua filha,
Claire, que tenta aprender tudo que esse cara sabe.

Frank Williams não tem a genialidade do Chapman, nem o instinto de raposa do Bernie, 
nem o estilo poderoso chefão do Enzo Ferrari (:P). Sir Frank é uma pessoa comum, que 
provou que ser teimoso dá certo. 

Afinal, a Williams foi, é e sempre será, garagista. 

 Vida longa ao SIR Frank Williams!


12 comentários:

Vander Romanini disse...

Texto ótimo de se ler!!!
Fica provado que a teimosia é uma virtude!!!

lucasmedeco disse...

excelente texto parabéns! curiosidades que bem resumidas dão uma visão diferente do circo da f1...

PS: alguém sabe a data de lançamento dos carros desse ano?

Ron Groo disse...

Pouca gente nos nossos circulos da blogosfera pode escrever sobre o time de Sir Frank com tanta paixão e objetividade.

Eu como torcedor da Williams admiro o Marcão por saber sintetizar este amor tão bem e de forma tão humorada.

Sou suspeito pra falar dele. Meu amigo, meu parceiro de rádio e por muito pouco não foi meu padrinho de casamento.

Fantástico.

Verde disse...

Muito bom! Longa vida à Williams!

Eduardo Casola Filho disse...

Não tem como não gostar da Williams, com uma história dessas!

Rafael Schelb disse...

Belo texto do Marcão! E como ele, eu sou um grande fã da Williams, e sonho em ver o time, de novo, brigando por vitórias e títulos. Vamos torcer por isso!!

Al Unser Jr. disse...

Esse Projeto Verão tá caprichado esse ano hein!?!?!
Não que não tivesse da vez passada, mas esse... tá show.

Agora esse trucado da Williams, era grande pacar... isso era.

Tuta Santos disse...

Marcos: Seu estilo de pilotar o teclado coloca você na mesma fila que o Corradi. Gostei muito.

Corradi: Para mim, este PV2 está sendo um achado no quesito blogs dos autores.

Anônimo disse...

Parabéns Marcos! Sua paixão pelo time de Groove é de se admirar!
Também acho que a Williams é um "patrimônio da humanidade" e a história de Sr Frank Williams é um baita exemplo de superação e exemplo de que teimosia dá certo, segundo suas próprias palavras.
Interessante notar que ele admite que deixar o careca-gênio ir embora foi o maior erro da vida dele para a equipe. O que mais me impressiona é que o qualquer carro que o careca bota a mão vira vencedor (Wiliams-Mclaren-RBR) e vai ver se o Mastershitz deixa ele ir embora.

Uma coisa: Esta Williams FW07 de 6 rodas está em tamanho real? Repare que o Jaques Lafite tá parecendo uma criança dentro dele, de tão pequeno em relação ao carro. Será minha impressão ou o cara era nanico mesmo?

Parabéns Corradi! Te desejo um ano novo repleto de inspiração! Estamos sedentos pelas suas informações e histórias da F1!

Danilo Cintra

Emerson Fernando Pippi disse...

Paixão sem limites. Teimosia pura. Esmurrar ponta de faca... Já me perguntei várias vezes porque a Williams continua rodando.

A resposta está aí no texto: Não ó possível abrir mão de fazer parte da história.

Anônimo disse...

Danilo Cintra, seguinte:
Parece até foto-montagem!
Tá muito pequena a cabeça do francês em comparação às dimensões do belo "seis-rodas"!!

Será que o "Data-Breder" (sumido, talvez recesso de final de ano. . .rsrsrs) teria como comprovar a autenticidade da imagem?

Ou o próprio Corradi?

Abraço.

Zé Maria

RenatoS. disse...

Eu fico imaginando o tamanho da responsabilidade assumida pela Claire. Williams não é somente a paixão, mas também a vida de seu pai. Contudo, sinto que Frank está entregando aos poucos sua história em boas mãos.

Aliás, algo me diz que as coisas melhorarão muito para o time inglês a partir deste ano. Que assim seja!