terça-feira, 3 de novembro de 2015

Moco























Temporada de 1975.

Pace.

Ensaio.

5 comentários:

Ricardo disse...

Corradi,

Enviei seu link para um amigo e ele comentou:

Grande Moco !

Eu acho que essa corrida é na Suécia.

O Moco foi um dos poucos pilotos que em 75 andou junto ou até na frente do Lauda. Mas o Brabham apesar de ser muito bom e bonito, acho que tinha um problema de freios, e nem sempre o Moco conseguia manter na corrida, o ritmo da classificação ou das primeiras voltas das provas.

Ele ganhou só o GP do Brasil em 75, na verdade uma vitória herdada depois que o Jarrier, que estava kms na frente de todos, bateu no Sargento. Mas o Moco poderia, com um pouco mais de sorte, ter ganho talvez + 1 GP naquele ano.

E em 77 ele só perdeu o GP da Argentina pq quando liderava, quase desmaiou dentro do carro por causa do calor de janeiro em B.Aires. Chegou em 2º. Uma pena. Ganhou o Scheckter, na estreia do Wolf.

Renato Santos disse...

Na frente de ninguém menos que...

Marcos José disse...

Dizem que a preparação física de José Carlos Pace era o seu "tendão de aquiles" na sua carreira na F1, a perda da vitória no GP argentino de 1977 pegou todos de surpresa, já que a Wolf Ford de Jody Scheckter não era uma "grande ameaça" até as voltas finais!! Mesmo assim era apontado como uns dos favoritos ao título de 1977 mas...um trágico (e mortal) acidente de avião acabou com tudo...

Anônimo disse...

A primeira é Anderstorp/Suécia, a segunda Zolder/Bélgica e a terceira o Breder responde. . .kkk
Abraços.
Zé Maria

politicamente_incorreto disse...

A terceira deve ser Kyalami, aqueles moirões de concreto são reveladores. A derrota de Moco no GP da Argentina para o Scheckter foi dificil de engolir, mas depois veio a explicação que a mangueira que abastecia ele de agua desconectou e ele simplesmente desidratou.
Dizem que depois desse dia ele passou a dar enfase ao preparo fisico, pena que dois meses depois estava morto num tolo acidente de avião em Mairiporã junto do amigo e piloto marivaldo fernandes.

Ele passou 1976 domando o BT-45 e seu problemático e pesado motor alfa 12 boxer, com seu centro de gravidade baixo mas seu problema critico de aquecimento.

O negócio ficou de uma forma que no meio de 76 o Reutmann pulou fora da bagaça e ele ficou sozinho desenvolvendo a barca.

Chegou em 77 na ponta dos cascos, mas o azar, seu velho companheiro nunca o abandonou. Morreu e levou consigo o segredo de dirigir aquela barca, só ele conseguiu tirar tudo que a máquina tinha.

Foi meu unico idolo na categoria, por ironia do destino o piloto estrangeiro que eu era mais aficcionado na época era o Tom Pryce, e em 15 dias os dois morreram estupidamente...............