quarta-feira, 30 de março de 2016

Pequenas Passagens



























Sim.

É ele mesmo com o número 15.

No final da década de 70 Ayrton Senna brilhava no Kart brasileiro.

Uberlândia, Minas Gerais.

Na primeira bateria o futuro tricampeão de Fórmula 1 venceu todos os seus
oponentes com facilidade.

Passeio.

Seu sucesso já incomodava.

A ponto de alguns boicotarem corridas para desmerecer suas conquistas.

Já na segunda bateria a coisa começou mal.

Ele não largou bem e perdeu a liderança para um piloto local.

Nome?

Ronaldo, Ricardo ou algo parecido.

Entretanto a situação não durou muito.

O tal sujeito que assumiu a ponta se embolou e rodou.

Senna tomou a liderança e partiu para a vitória.

A torcida ficou irada.

Todos queriam ver a vitória de seu conterrâneo.

(até os fiscais de pista!)

O ódio cresceu.

E um expectador mais exaltado não se conteve e atirou uma garrafa de plástico
cheia d'água que por pouco não atingiu o capacete de Ayrton.

Ou como a imprensa escrevia na época, Airton Sena da Silva...

2 comentários:

Renato Santos disse...

Realmente, o Senna era tão bom que irritava!

João Paulo disse...

Conta lenda que Ayrton veio competir aqui em Natal já sob os holofotes da impressa mais ou menos nessa época. Ou seja, era visto como promessa. Nos treinos que antecederam a prova no fim de semana, decepcionou bastante os que esperavam tempos avassaladores. Segundo me contaram o jovem piloto "rodava demais numa das curvas lá". Na classificação fez a pole. Liderou de ponta a ponta e ganhou com sobras. Quando perguntado se estava com problemas durante os treinos, respondeu: "- As rodadas? Eu estava procurando o limite daquela curva...". Não me arrisco dizer se era verdade ou não, mas que é típico do seu perfil, isso sim. Abraço Corradi! Vamos aproveitar mais um final de semana com F1! :-)