sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Clipping


























Alguns testes são marcantes.

Mais Uma

A Honda está expandindo sua fábrica em Milton Keynes.

O objetivo é poder atender outra equipe no futuro.

Porém é preciso lembrar que provavelmente a McLaren ainda possui o poder
de vetar esse tipo de aventura.

Ganhando Experiência

O mexicano Alfonso Celis Jr. continua com sua programação de testes com a
Force India.

Nova Direção

Os planos da Liberty (nova controladora da Fórmula 1) passam por três pontos
básicos.

Mais patrocinadores.

Mais atividades nas TVs por assinatura.

E mais corridas no calendário.

Projeto Manor

A Manor possui um plano definido para seu futuro.

O time mostrou isso ao abandonar o desenvolvimento virtual (herança da Caterham)
que reduzia os custos de forma significativa.

Entretanto, esse modelo não trazia resultados na pista e atrasava a evolução dos
bólidos.

E a evolução constante é um dos segredos da categoria máxima do automobilismo.

Com isso em mente, Fitzpatrick investiu em pessoas.

A lista é boa.

Pat Fry (McLaren e Benetton) engenharia, Gianluca Pisanello (Toyota e Caterham)
na estratégia de pista, Luca Furbatto (Toro Rosso e McLaren) no design, Thomas
Mayer (Renault) chefe executivo, Nikolas Tombazis (Ferrari, Benetton e McLaren)
aerodinâmica, Dave Ryan (McLaren) para as coordenar as corridas e como diretor
técnico temos John McQuilliam (Williams e Jordan).

Outro passo foi a parceria com a Mercedes, que ultrapassa o fornecimento de motores.

As presenças de Pascal Werhlein e Esteban Ocon refletem isso.

No paddock a escuderia recebeu o apelido de Toto Rosso, numa referência clara
a influência de Toto Wolff.

Tudo isso para se transformar em uma equipe sólida.

E daqui a quatro temporadas estar brigando no meio do grid ao invés das últimas
colocações.

Conflitos

Existem muitos rumores sobre quais pilotos estariam na Renault em 2017.

Diversos nomes foram (e estão) sendo cogitados.

As dúvidas nasceram da divisão de poder entre Frederic Vasseur e Cyril Abiteboul.

Abiteboul cuida parte administrativa e está sempre presente nas duas sedes de
Viry-Chatillon e Enstone.

Já Vasseur é o homem da prática, figura fácil nos circuitos.

Apesar dos trabalhos definidos, existe uma confusão na hora de definir a estratégia
de contratação de pilotos.

Vasseur abriu tratativas com Felipe Massa, Valtteri Bottas e Carlos Sainz.

Ele também colocou sobre a mesa a possibilidade de fornecer unidades de força
com desconto para a Toro Rosso em troca de seus drivers.

As negociações com Daniil Kvyat e Sergio Perez envolvendo patrocinadores
foi o ápice do problema.

Pois Vasseur invadiu a parte (financeira) que cabe a Abiteboul.

Os atropelamentos acabaram por empacar qualquer avanço.

Apesar de tantos nomes.

Entretanto, um piloto jovem parece ser um ponto pacífico.

Nesse sentido, Kevin Magnussen (que foi sondado pela Sauber) e Esteban
Ocon são os nomes preferidos.

Olhando o cenário, fica a impressão de uma briga por poder.

E briga não combina crescimento.

Frase

"Quando eu olho para Lewis, ele vejo um DJ, um rapper.

Ele tem um grande talento, mas se você quiser vencer precisa se concentrar apenas
em uma coisa.

Se eu fosse ele, eu iria me preocupar menos com a música e mais com a Fórmula 1."

Flavio Briatore.

Por Fim

Uma imagem

Massa e Alonso com Stroll













10 comentários:

guto surian disse...

"Se quiser vencer...", ele já venceu TRÊS!!!!

Anônimo disse...

Corradi,

lá em cina, no "Projeto Manor", quando você escreveu
"...abandonar o desenvolvimento virtual (herança da Caterham)..."

Você quis dizer "herança dos tempos da Virgin Racing", não?

A Caterham também?

Quando entrou na F1 em 2010, a Manor Grand Prix, de John Booth, havia se associado à Wirth Research, de Nick Wirth (ex Simtek e Benetton, por exemplo), e à Virgin Enterprises(?) de Sir Richard Branson. E os carros con os quais a equipe - então Virgin Racing - estreou na F1, com Lucas Di Grassi e Timo Block, foram projetados inteiramente de forma virtual... haja CFD!!!

Que fique bem claro: CFD e não CDF!!!!
Computational Fluid Dynamics, para quem porventura ainda não sabe...


um abraço,
Renato Breder

Anônimo disse...

Corradi: Quem é o piloto acima? Schumacher? Qual ocasião? Qual carro/motor?

Obrigado!

Abs,
Pablo.

Jandir Dorneles disse...

Schumacher on F300 TEST

Marcos José disse...

O que acha da boataria envolvendo a Apple e a McLaren nestes últimos dias, Corradi?? Há realmente o interesse por parte da empresa americana de participar da F1 nos próximos anos?? A Heineken "pedindo" pra Liberty Media incluir o Vietnã nos próximos anos (pra 2018, será?), já que a empresa de mídia americana já disse que uma de suas metas é de aumentar o número de GPs na F1 futuramente. Uns dos vários boatos que envolveram a Force India; era de que a Honda futuramente poderia fornecer os seus motores para a equipe indiana no caso do acordo com a Aston Martin não acontecer (vimos que pouco tempo depois a marca inglesa decidiu por fazer a parceira com a Red Bull)...será que o vínculo da equipe indiana com a Mercedes se encerra ao final de 2017 e daí a "preparação" da Honda pela "expansão" de sua fábrica em Milton Keynes, visando fornecer os seus motores para a Force India futuramente (provavelmente pra 2018, mesmo contando com o "veto" do Ron Dennis para isto)??

Jefferson disse...

Corradi eu gostaria muito de conversar com voce sobre a maior categoria do automobilismo.
Assim como eu, espero que você acredite no depoimento de Proust que disse que o maior de todos ligou pra ele e o pediu que voltasse, pois sem ele nao era mesma coisa.
O aqui rival sambe?
Lewis nao o tem. E eu esperava realmente que Vettel fosse, mas os vermelhos nao conseguiram lhe dar uma máquina a altura.
Nico é apenas mais um. E caso vença (e nao vai vencer!), ainda assim nao sera o que fará com que o máximo do tricampeão seja exigido.
Hamilton assim como Michel nao tem adversários. A diferenca e que ele se endia em ficar vencendo repetidamente a quem nao lhe opoe ao ponto de o fazer crescer.

juniorcaixote disse...

Falou a mais pura verdade.
Ele perde a motivação por isso.
Agora, avisa pro Briatore que com isso e tudo, o negão já passou o pupilo dele. E aí?

Guilherme Zahn disse...

Só reforçando: a Manor é herdeira da Virgin, não da Caterham - e é de lá que vinha a ideia de trocar 100% dos túneis de vento por CFD.

Aliás, a ideia pode ter vindo muitos anos antes do tempo, mas isso ainda vai ser a realidade da F1. Quem viver, verá.

Renato Santos disse...

Beto (olha a intimidade), você poderia contar sobre aquele teste da Honda que colocou um segundo sobre as outras equipes, em 1999, mas foi engavetado porque o Dr Harvey Postlethwaite faleceu nesta época? Acho que ficou uma área cinza ali, que poderia ter mudado o cenário da F1 nos anos que se seguiriam.

Anônimo disse...

A história do carro inteiramente projetado em CFD sempre foi destaque da Virgin, não lembro da Caterham ter esse apelo. Mas apelo que lembro a atual Manor teria comprado lotes do leilão dos equipamentos da Caterham, enquanto a Haas comprou equipamentos da Marussia, certo? Talvez aí a confusão. Mas se foi da Caterham foi comprado e não herdado. kkkkkkk

Sobre a Honda tem notícias indicando que o poder de veto da McLaren é até a temporada 2017, ficando livre em 2018. Para o ano que vem só a Toro Rosso que vai mudar de motor, do Ferrari 2015 para o Renault/Tag Heuer, mas seria o atualizado?

Cristiano Buratto