segunda-feira, 17 de abril de 2017

Entrelinhas dos testes no Bahrein

EquipeTerça-FeiraQuarta-Feira
 Ferrari Antonio Giovinazzi Sebastian Vettel
 Mercedes Lewis Hamilton Valtteri Bottas
 Red Bull Daniel Ricciardo Pierre Gasly
 Force India
 Sergio Perez
 Esteban Ocon
 Alfonso Celis
 Williams
 Lance Stroll
 Felipe Massa
 Gary Paffett
 Toro Rosso Sean Gelael
 Carlos Sainz
 Daniil Kvyat
 Haas Romain Grosjean Kevin Magnussen
 Renault Nico Hulkenberg Sergey Sirotkin
 Sauber Marcus Ericsson Pascal Wehrlein
 McLaren Oliver Turvey Stoffel Vandoorne

Logo acima você pode conferir a escalação das equipes para os testes
que serão realizados no Bahrein.

A Mercedes colocou apenas seus titulares.

Sauber e Haas seguiram a mesma receita.

Sendo que o time de Romain Grosjean irá tentar corrigir seu problema
nos freios.

Detectado ainda nos testes de Barcelona.

A Red Bull colocou Pierre Gasly (atual campeão da GP2) ao lado de
Daniel Ricciardo.

Uma oportunidade para o jovem de 21 anos, que atualmente corre na
japonesa Super Fórmula, mostrar seu valor.

Quem não é visto não é lembrado.

Uma sombra para Daniil Kvyat.

A McLaren vai para pista com Stoffel Vandorne e Oliver Turvey.

Com 30 anos, Turvey, que é responsável pelo desenvolvimento
em Woking, disputa a Fórmula E nesta temporada.

Foi escalado pois vive no simulador da escuderia inglesa.

Aqui o importante é prestar atenção em como a nova unidade de
força que será apresentada pela Honda se comportará.

Já a Ferrari entregará os trabalhos para Antonio Giovinazzi e Vettel.

O piloto italiano tem intimidade com o simulador de Maranello.

Mas um boa performance, impressionando os engenheiros, pode elevar
suas chances de um dia se tornar titular.

A Williams decidiu repartir Felipe Massa e Lance Stroll no primeiro dia
e deixar Gary Paffett assumir o serviço no segundo.

Experiente (36 anos), Paffett que já foi piloto de testes da McLaren,
hoje conduz uma Mercedes na DTM.

A Renault chamou Nico Hulkenberg e, seu reserva, Sergey Sirotkin.

O Russo de 21 anos poderá ganhar rodagem.

Seu país também é estratégico para os planos globais dos franceses.

A Russia é hoje uma plataforma para exportação de automóveis da
marca do diamante para diversos países do Golfo Pérsico.

E as vendas por lá não param de crescer.

Outra.

A ausência de Jolyon Palmer e os recentes boatos sobre contatos da
Renault com Fernando Alonso levantam uma fumaça.

Como eu disse outro dia, a história se repete (McLaren, Mercedes).

E um grande investimento pede sempre uma estrela.

Cyril Abiteboul está no mercado em busca da sua.

A Force India também espremeu seus titulares.

Esteban Ocon e Sergio Perez farão experimentos num dia enquanto
que Alfonso Celis Jr. pilota sozinho no outro.

Fonz é velho conhecido aqui do Blog.

A gente vem detectando a presença dele num programa com a Force
India não é de hoje.

Além de ter conduzido o carro do time em diversos treinos livres no ano
passado, ele também pilotou nos importantes ensaios da Fórmula 1 em
Barcelona no início deste ano.

É o reserva oficial da equipe.

Parece que alguém está se preparando para entrar na categoria máxima
do automobilismo, não?

Isso mesmo.

Sei que um dos patrocinadores principais do mexicano já apoia também
a escuderia de Vijay Mallya.

A rede de hotéis Cartesiano.

Celis Jr. disputa a World Series Fórmula V8 3.5.

A mesma de Pietro Fittipaldi.

O brasileiro lidera com duas vitórias.

Fonz é o segundo e tem um plano.

Interessante o line-up da Toro Rosso.

Carlos Sainz Jr. e Daniil Kvyat repartem um dia.

E Sean Gelael  da F2 tem exclusividade no outro.

O indonésio assumiu de forma surpreendente a posição de piloto
de testes da Casa de Faenza.

Diria ser no mínimo inusitado.

Pois a tradição da família dos energéticos é de uma educação rígida
e exigente com resultados.

Onde os mais fracos são descartados sem um pingo de remorso.

Assim causa estranheza surgir um elemento estranho na linha de
montagem.

O dinheiro.

Isso.

O indonésio Gelael não está solitário.

Ricardo, seu pai, é rico.

Muito rico.

Entre as joias de sua coroa aparece a representação da rede de fast
food KFC em seu país.

Não entendeu?

Aqui.

Por pouco a família Gelael não assumiu o controle e salvou a Manor
nesta temporada.

Ao seu lado estava a GF Capital.

Um grupo de investidores asiáticos que queria repetir a experiência
da Genni Capital na Fórmula 1.

(lembra da Lotus de Raikkonen e Grosjean?)

Usando a categoria para catapultar negócios ao redor do planeta.

E ainda promover um GP na Indonésia.

Um mercado de 250 milhões de pessoas.

As coisas acabaram tomando outro rumo.

(Nasr, Interlagos... aquilo!)

Entretanto os recursos continuam fartos.

Se não continuassem, Sean Gelael não ganharia esse presente.

Ainda mais na Toro Rosso.

E você achando que eram somente mais dois dias de testes...



8 comentários:

Daniel Chagas disse...

Acho que 2018 não seria o momento certo para o Alonso ir para a Renault, mas a draga está tão grande na Mclaren que nao duvido que ele se transfira para lá ainda este ano!!!

Jefferson disse...

Acho que se ele for será mais uma vez engrenada a marcha ré em sua carreira.
Vai ajudar a desenvolver o carro e tomar tempo de um novato depois.
E eu que chamava o Kimi de 'homem-do-pé-de-gelo' nos tempos de Mclaren. Mas o Alonso parece o Pateta! Ele tambem deve ter dois pés esquerdos!
É ele sair e a Mclaren evoluir.

Gerardo Furtado disse...

"A McLaren vai para pista com Stoffel Vandoorne e Oliver Turvey."... viraste clarividente, Corradi? Ou melhor, viraste um otimista? Hahaha (estou zoando, mas o triste é que eu torço McLaren!)

Tardellisanches Sanches disse...

caro corradi,nem uma linha sobre nars, ele nao teria nenhuma moral na renault,o brasil nao seria interresante,mesmos sabendo que tendo um presidente brasileiro nao adianta nada,eu ato achando ele muito parado...

abraços...

Daylson Elder disse...

O que anda com o Nars?
Por onde ele anda?
Seria interessante um post sobre isso.
Alonso ta na hora de se aposentar.
Já está rico e não precisa provar nada pra ninguém o quanto é bom.

Anônimo disse...

Lamnetável ver alguém tão fraco como Alfonso Celis Jr. pilorar um F1 e pior, ser cogiado para ser titular um dia.

Se tem gente reclama de Palmer e Ericsson, esperem para ver o tal mexicano...

Arthur Simões

Ituano Voador disse...

Impressionante como a Honda está uma draga nesse retorno. Se Soichiro Honda estivesse vivo, certamente teria morrido de desgosto com o que estão fazendo com seu nome.
Abs

Gustavo Siqueira disse...

O que esperar para 2018? Ricciardo no lugar do Kimi? Sainz no lugar do Ricciardo? Pierry Gasly na Toro Rosso... apenas palpites, claro.

Quanto ao Alonso, não se trata nem de dinheiro nem de mostrar pra ninguém que ele é bom, pois todos sabem(os) que ele é bom e milionário. O fato é que o asturiano é piloto de corpo e alma. Quando Rosberg anunciou que se aposentaria, Alonso reconheceu a atitude do alemão, mas disse pensar diferente: "Sou um piloto. Terei 80 anos e estarei correndo de kart".

- Corradi, todos queremos saber do paradeiro do Nasr. Se souber de algo, ainda que pouco, avise-nos, por gentileza.

Uma pena a família do Gelael não ter conseguido assumir a Manor... é mais fácil assumir uma equipe existente do que criar uma do zero. Teremos 10 equipes por um bom tempo...

- A Force India poderá ser afetada de algum modo com a prisão do Mallya?

- Até quando a Renault vai insistir com o Palmer?