sábado, 27 de maio de 2017

Smoke

























Pouca gente deve lembrar.

Essa figura aí em cima se chama Tony Stewart.

Piloto americano que possui títulos tanto na Nascar como na Indy.

E foi campeão mundial de Kart também.

E daí?

Umas curiosidades.

Em 1996 ele fez a pole nas 500 milhas de Indianápolis.

Pasmem: com 375,06 km/h.

De média...

Não vai surpreender ninguém se eu disser que na corrida o pé-de-chumbo
abandonou com 44 voltas.

Motor estourado.

Stewart também foi um dos que buscaram um feito.

Sem sucesso.

Por dois anos ele tentou completar as 500 milhas de Indianápolis
pela Indy e as 600 milhas de Charlotte pela Nascar.

1.100 milhas no mesmo dia!

As provas ocorriam uma a tarde e a outra a noite.

Engraçado é que uma corrida acontecia em Indiana e a outra na
Carolina do Norte.

Estados que não possuem divisas comuns.

O cara terminava uma, pegava o avião e alinhava na outra.

O piloto que realizasse a façanha de vencer as duas provas levaria
pra casa o prêmio de 20 milhões de dólares.

(valores da época)

E, com certeza, ficaria um mês com a cabeça girando.

Devido as mudanças nos horários, hoje ficou quase impossível
qualquer tentativa de realizar a epopeia maluca.

13 comentários:

Ron Groo disse...

Olha... Por vinte milhões valia a pena ficar com a cuca rodando.

Luís Vieira disse...

Campeão mundial de kart? Quando? Gosto do Tony, excelente piloto da Nascar: único carro em que ele consegue entrar para correr hoje em dia...

Danilo Candido disse...

Quem por muitas vezes também fez essa maluquice foi o Robby Gordon.
O que mais me impressiona é a altura do motor Menard V6...notem o "calombo" logo após o santantônio ! E todos os outros motores utilizados naquela época (Buick e Ford Cosworth) também eram assim. Gigantescos. Pesados. Arcaicos. Assim como os carros. Chassis Lola T-92 e T-93 de três ou quatro anos antes (!) adaptados e "remendados" para a então recém-nascida IRL. Cujo campeão nesta primeira temporada (1996), a "lenda" Buzz Calkins, precisou disputar apenas três provas. As únicas do calendário. E Stewart foi vice neste ano, empatado em pontos com Calkins.
Nas Indy 500, o vencedor foi o "gênio" Budy Lazier...
Sintomas de uma categoria fraquísssima em seu início, além de muito perigosa. Numa batida plasticamente "boba", Scott Brayton perdeu a vida durante os treinos em Indianápolis. Mas os prêmios eram generosos, e atraíam vários pilotos, do mundo todo e de diversas categorias, até mesmo aposentados, como Danny Ongais. Michelle Alboreto também deu as caras. E o grande Marco Grecco foi o último na classificação dentre os que pontuaram...
"Tenso".

Um abraço,
Danilo Candido.

politicamente_incorreto disse...

Isso é mais um aidiotice do povo que sempre confundiu deus com grana, talvez pela fonétic ou a grafia quase igual de sua língua bárbara....
Americano adora idiotices, endeusamentos e criação de ícones feitos de bosta e recheados de merda. Criaram os conceitos de super -heróis - alguém conhece algum super herói que não seja americano?, só os japas, mas esses não valem. só lutavam contra monstros gigantes - e para fazer os babacas acreditarem no conceito regam tudo com prêmios milionários, quando o assunto é grana tudo lá gira no superlativo.
Triste é assistir o nosso povo graças aos (de)formadores de opinião seguindo as tendências e costumes de um povinho idiota que só consegue enxergar o próprio umbigo.
Já me encheu o saco ver fedelhos aculturados e retardados infanto juvenis além de shoppings com nomes ingleses rocambolescos comemorando o abominável RALOUÍN... Ou então aquela insuportável reporcagem do Fantastico tentando e conseguindo imbuir no nosso espírito o concceito ianque do primeiro milhão.

Aí aparecem uns nerds aparvalhados dando dicas e mostrando segredos de como o seu pai gastou dez milhões para ele ganhar um, e fica para nós o conceito subiliminar de que qemm não consegue tal intento é um merda e que quem consegue é um vencedor, como se a vida fosse só isso. TÔ AZEDO HOJE......

Desculpe Corradi pegar o gancho para meter o pau em alguma coisa e desopilar - ô palavra feia do raio, é sem dúvida alguma a mais feia do vocabulário português - o fígado.

Rubem Rodriguez Gonzalez

Humberto Corradi disse...

Luis Vieira:

1987 - World karting Association

Valeu

Marcos Antônio Filho disse...

Corradi quem fez a pole da Indy500 em 96 foi o Scott Brayton, Stewart foi o segundo. Brayton sofreu um acidente fatal no carb day e com isso, a IRL resolveu manter a pole para Brayton como forma de homenagear. Na prática, Stewart foi o pole, mas na teoria ele largou na segunda posição.

Mas não sabia que davam prêmio pra quem corresse a Indy500 e Charlotte600 no mesmo dia...coisa de doido!

Rodrigo Keke disse...

Tony Stewart, tricampeão da NASCAR (o atual, por sinal), ganhou a IRL em 97 (assiti na época algumas corridas pela Band, o nível era de fazer corar de vergonha), só não sabia que era tão bom kartista, afinal pra ganhar o mundial tem que ser fodão. Esse título na IRL é meio como uma mancha no currículo, correr na categoria do Tony George nos primeiros dias fazia mais mal do que bem a reputação dos pilotos. Não que a maioria deles se importassem com isso, como o Corradi disse a grana era muito boa.

Danilo Candido disse...

http://www.champcar.com/gallery/gallery96/indy500_96/stewart_leads_pack.jpg

Rodrigo Keke disse...

Corradi, se me permite, faço uma correção sobre o título do Tony Stewart no kart. Na verdade o World Karting Association (WKA) apesar de ter o 'World' no nome, não é o mundial de kart, e sim o certame da modalidade na América do Norte. Fui espiar no artigo em inglês do wiki:

http://en.wikipedia.org/wiki/World_Karting_Association

O campeão do Karting World Championship em 1987 foi o italiano Giampiero Simoni, que mais tarde correu no BTCC e no DTM sem grande destaque. No fim o Tony foi bem mais longe que o italianinho hehe.

Ótimo post como sempre Corradi, abraço!!

Ever Rupel™ disse...

em 1996 a pole não foi do Scott Brayton??

Eduardo Casola Filho disse...

O Tony Stewart foi um cara bem arrojado e teve muito sucesso no automobilismo americano, ganhando título na IRL e na atual Monster Cup Series. Inclusive o último campeonato ganho nos Stock Cars foi com a equipe própria, a Stewart-Haas, cujo sócio, Gene Haas, é proprietário da atual escuderia da F1

Na verdade, muitos pilotos da NASCAR atual ainda desejam tentar o double. Kurt Busch, empregado do Tony Stewart, correu em 2015 na Brickyard e se saiu melhor nos monopostos naquele dia. E pilotos como Kyle Larson (Ganassi) e Brad Keselowski (Penske) já sondaram seus patrões sobre tentar a maratona no futuro.

Eduardo Casola Filho disse...

Quanto ao comentário do Rubem Rodriguez Gonzalez, eu discordo pois a busca desenfreada pela grana é algo bem comum no automobilismo mundial e não é exclusividade dos ianques. Havia desafios mais insanos desde os tempos dos Grandes Prêmios dos começos do século XX, como várias vezes o Corradi já contou aqui.

Além disso, a grana sempre movimentou o esporte a motor. Como o Nelson Piquet disse uma vez: "Piloto corre atrás de dinheiro"

David Félix Krapp disse...

Adorava o carro laranja dele na Nascar, com patrocínio da Home Depot... apesar de nossa cultura se fechar na Europa pra mim o Stewart figura entre os grandes do automobilismo... e hj em dia ele está grande mesmo... rsrsrs