quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Rascunho Longo






































Futuro?

A imagem da Fórmula 1 em 2017?

Mudanças sempre causam espanto e desconfiança.

Interessante.

A pole de Nico Rosberg em Interlagos no ano passado foi 6 segundos mais rápida
se compararmos com a de Ayrton Senna em 1991.

Algumas alterações chegam para melhorar.

Outras não.

Os atuais Rookies da Fórmula 1 sofrem por isso.

A falta de testes dificulta a adaptação.

Repare no exemplo de Lewis Hamilton.

Ainda em 2006, sabendo que ocuparia o posto de titular no ano seguinte, a McLaren
iniciou um intensivo com o piloto inglês.

A partir de setembro daquele ano até março de 2007, Hamilton deu cerca de 1700
voltas testando os carros da escuderia britânica.

Silverstone, Barcelona, Valência, Jerez e Bahrain.

Diferentes circuitos e condições.

Tudo isso facilitou para que Lewis pudesse encarar o excelente Fernando
Alonso com mais segurança.

Onde eu quero chegar?

Digo que passei a ter uma visão diferente sobre Felipe Nasr, Max Verstappen e
Daniil Kvyat.

Meninos que não tiveram a mesma oportunidade do atual campeão, mas que
estão fazendo bonito nas pistas.
























Como disse Giancarlo Minardi.

"Apesar da Sauber e seus problemas, durante esta temporada, Felipe Nasr provou
ser digno deste esporte."

Uma verdade.

A Williams fez movimentos importantes nos últimos dias.

Lance Stroll assumirá a papel de piloto de desenvolvimento do carro do time de
Grove em 2016.

Com a chegada de Stroll, Alex Lynn (que era responsável por essa parte) já parte
pro lado da Toyota (Endurance) mirando a vaga deixada por Alexander Wurz.

Como alertei em julho do ano passado, o menino Stroll mira o lugar de Felipe
Massa em 2017.

Tem muito dinheiro por trás dessa história.

Mas não se apresse em desmerecer o rapaz por causa disso.

Ele é talentoso e não fez feio nas categorias em que passou até aqui.

Resumidinho.

Tavo Hellmund é amigo de longa data de Bernie Ecclestone.

Foi Hellmund quem fez renascer o GP dos Estados Unidos e o GP do México.

Somente em Austin, Tavo levantou 200 milhões de dólares em recursos.

Porém foi lá mesmo que seus parceiros (investidores) o passaram para trás.

A mudança deixou Ecclestone enfurecido.

Bernie considerou um roubo o que fizeram com Hellmund.

E passou a desconfiar dos novos donos do GP de Austin.

Cabe aqui uma frase de Nicolau Maquiavel.

"Aos amigos os favores, aos inimigos a lei."

E assim os ventos começaram a mudar.

A entrada da concorrência através do retorno de Hermanos Rodriguez parece
ter atingido em cheio os controladores de COTA, McCombs e Brian Epstein.

A corrida deste ano foi um desastre financeiro.

E por pouco não deixou de ocorrer.

Para completar, o Estado do Texas pretende diminuir o subsídio para a realização
do evento anual da Fórmula 1 (que era de 250 milhões de dólares por 10 anos).

No desespero, uma tentativa de venda do circuito foi feita para a IRG Sports
recentemente.

Mas não deu em nada.

As palavras de Epstein são reveladoras.

"Nós estamos ferrados!"

Assim como o circuito após a passagem de uma tempestade exatamente uma
semana depois do final de semana da corrida.






















Enquanto isso, Tavo Hellmund (que deve estar rindo de quem lhe passou a perna)
trabalha em outro local para sediar a Fórmula 1 nos Estados Unidos.

O empresário, que não é nenhum aventureiro, também volta seus olhos para adquirir
uma equipe na categoria máxima do automobilismo.

E a Manor é a bola da vez.

Sobre a Manor?

Vale destacar que existe o acordo com a Mercedes para o fornecimento do motor
na próxima temporada.

Mas somente metade dos valores devidos no acordo foram pagos até aqui para os
alemães.

É justamente aí que entraria Tavo Hellmund.

A ideia é adquirir um percentual da equipe em troca de fornecer liquidez para as
próximas duas temporadas.

Mas o tempo está passando.

E Stephen Fitzpatrick, atual acionista majoritário da Manor, precisa decidir se aceita
ou não a intervenção americana (articulada por John Booth e Graeme Lowdon).

Niki Lauda afirmou que a unidade de força da Ferrari já é páreo para a Mercedes.

Sebastian Vettel retrucou dizendo que Lauda não fala coisa com coisa.

Por fim.

O Pagani Zonda de Hamilton no muro de Mônaco.

































5 comentários:

Iman disse...

boa tarde a todos! Gostei do carrão da Mercedes. E Adoraria ver a Manor dando couro na Mclaren.

Ituano Voador disse...

Bom, Barrichello girou 1'09'822 em 2004, 10 anos antes da pole do Nico - e 2 décimos mais rápido. Algumas mudanças funcionam, outras não...
Abs

Humberto Corradi disse...

Ituano Voador

Sim, mas a tecnologia híbrida chegou lá. Mais. As mudanças propostas
para 2017 deixariam os carros alguns segundos mais rápidos do que hoje.

Valeu

Renato Santos disse...

Muuuuuuito obrigadooooooo!!!!! Bom GP Brasil pra todo mundo!

Rodrigo Vilela disse...

Novo local para o GP dos Estados Unidos??

Ter corrida em Elkhart Lake seria sensacional!!