quarta-feira, 6 de abril de 2016

Rascunho Impulsivo

























Existe uma mágica!

Isso mesmo.

Os carros da Ferrari e Mercedes contêm um dispositivo que permite que
eles possam tirar algo a mais de suas respectivas unidades de força.

Basicamente é uma alteração da pressão do ar que traz um mudança no
rendimento do motor de combustão interna (o que gera mais potência).

O sistema da Mercedes é mais eficiente e duradouro.

Comparando os ganhos.

Temos algo em torno de 35 cv nas flechas de prata e 20 cv na Ferrari.

O truque, além de ser usado na qualificação, também tem feito diferença nas
corridas.

Claro que exige mais do equipamento.

Por isso os alemães restringem seu uso a cerca de 15 voltas.

Geralmente após os pit stops.

Aquilo do "it's hammer time!"

A Scuderia Italiana já testou o dispositivo também nesta temporada.

Mas como a confiabilidade ainda está em jogo, o impulso extra está sendo
tratado com mais cautela pelos italianos.

A tal fragilidade que trouxe problemas tanto para Raikkonen como para
Vettel.

Pra se ter uma ideia, Kimi conduziu seu carro no Bahrein com 25 cv a menos
que sua potência normal.

Independente de qualquer ajudinha.

Andou preservando mesmo.

Na China, Sebastian Vettel usará uma nova unidade de força.

O problema na configuração do motor na última etapa causou tanto estrago
que a máquina ficou irrecuperável.

A necessidade de utilizar tudo no limite aumenta os riscos.

A Haas busca um novo patrocinador para fechar as contas.

Já no início deste ano a escuderia americana abriu tratativas com uma fabricante
de bebida energética.

Provavelmente a 5-Hour Energy, que já trabalha sua marca na NASCAR.























Os noticiários contam que a Sauber estaria negociando acordos com um grupo
de Dubai, com a Tetra Pak (apoiadora de Marcus Ericsson) e com os italianos.

O tal grupo de Dubai teve uma reunião com Monisha no Bahrein.

É o que eu sei disso.

A Tetra Pak foi quem solucionou o problema de atraso de salários de alguns
meses atrás.

E a última opção seria o plano "Alfa Romeo".

A Sauber receberia um desconto no pagamento de suas unidades de força e em
contrapartida estamparia o nome da tradicional marca italiana em seus carros.

O que significaria uma folga no caixa de 14 milhões de euros.

A McLaren revelou que se não tornar Stoffel Vandoorne titular em 2017, o rapaz
estará livre (por cláusula contratual) para encontrar um cockpit vago na categoria
máxima do automobilismo.

Aí eu tava lembrando que (no ano passado) Vandoorne rompeu com Richard
Goddard, seu empresário até então.

Só que o mesmo Goddard cuida dos interesses de Jenson Button na Fórmula 1.

Vou nem falar mais nada.

Por fim.

Se Nico Rosberg faturar o GP da China, ele alcançará uma marca importante.

E somente três pilotos na história estarão à frente dele em vitórias consecutivas.






8 comentários:

Mateus disse...

Humberto,
fiquei curioso com esse sistema "push to pass" de Merc e Ferr.
Tem mais detalhes (técnicos)?

Abraços!!
Mateus

Renato Santos disse...

CorradiDia feliz! Que beleza! Me pergunto como algum jornalista pode ler um texto desses e depois sair fazendo aquelas matérias superficias e padronizadas...

Marcos José disse...

Posso está errado...mas acho que a Sauber estará disputando a sua última temporada neste ano porque em 2017 ela se tornará a Alfa Romeo (com a FCA sendo a dona do maior pedaço deste bolo e tendo a Tetra Pak e esse grupo de Dubai como sócias neste negócio). Talvez a Monster (ou ela renovou o seu contrato com os "tedescos"?) não estaria na mira da Haas também (já que a Monster também patrocina Kurt Busch, o piloto da Stewart-Haas na Nascar) ou até mesmo a Pennzoil (uma marca muito forte no automobilismo dos EUA e que também pertence a Shell)?? Então quer dizer...que a Williams nem recebe o tal "pacote plus" da Mercedes (fora o "suspeito" software de mapeamento da UP "não atualizada" que foi revelada por Massa em 2015 e "negada" de "pés juntos" por Totto Wolff logo depois...agora nem mesmo o motor de combustão interna é o mesmo?? é isto mesmo que eu entendi!?) mas sim a mesma "UP" que recebem a Force India e a Manor mas tendo as "UPs" que são destinadas à ela (Williams) com alguns "upgrades" a mais para se "diferenciar" delas (Force India e Manor)?? Eu estava pensando aqui...será que a tal "aproximação" da McLaren com a BMW seria porque a equipe inglesa acha que a qualquer momento (ao final destes 3 anos como nesta "profecia" do Hasegawa, como poderemos dizer) a Honda "abandonará" a F1 (e a McLaren ficará "a ver navios" com isto) se os resultados (o tal título mundial como meta) não aparecerem?? Em relação a tal "nova gigante automobilistica" que o Marchionne quer para "ajudar" a Red Bull nesta "mudança" de lado nesta briga pelo poder na F1; acho que a Hyundai (também mencionei a Ford mas pensando um pouco melhor...) poderá ser a "escolhida" neste momento por Sergio Marchionne para participar desta "festa" também...só o tempo dirá quem será o mais novo membro das montadoras (para depois repartirem o "poder" entre elas) nesta "nova briga" (pelo controle da categoria) que envolve também o atual "dono" da F1 ...

Daniel Chagas disse...

A questão que vai decidir se Vandoorne vai estar na McLaren em 2017 é se Button vai encerrar ou não a carreira no final desse ano. E sobre a Sauber apesar do respeito que tenho por Peter Sauber eu me pergunto, como é que ele deixou a equipe chegar a esse ponto? Uma pena, mas reconheço que seria interessante ter uma marca como a Alfa Romeu na F1.

Eduardo Casola Filho disse...

Sobre a Haas: Pela NASCAR, ela tem o patrocínio da Monster, em especial no carro #41, de Kurt Busch. No entanto a Monster patrocina a Mercedes na F1. Não teria lógica uma mudança de patrocínio, ou mesmo uma equipe mantida pela Ferrari ter um patrocínio da concorrente.

No entanto, para 2017 uma mudança na NASCAR está decretada. Tony Stewart, o sócio de Gene Haas na Stock Car Americana, se aposenta e em seu lugar, entra Clint Bowyer, piloto que há anos tem o patrocínio da 5-Hour Energy. Talvez aí esteja o mapa da mina...

Jeferson Araujo Pereira disse...

Essa informação sobre esse sistema "push to pass" da Mercedes e Ferrari é, na minha opinião, um das maiores revelações, dos últimos três anos, sobre a F1. Fiquei impressionado com a notícia: pra mim é um furo de reportagem.Parabéns!

David Félix Krapp disse...

Sensacional Corradi !!!

Poxa vida a Sauber hein, sera que nao rola um Alfa Romeo Sauber igual a epoca da BMW ??? E esse plano que voce apresentou e mais pra esse ano ne, no proximo a Fiat ja assumiria a bagaça...

A Fiat trazer um gigante, a Volks realmente ta fora de cogitação ?? Seria a volta da Ford ??? Honestamente nao vejo a Hyundai entrando na F1...

E o motor cliente da Williams, eles não podem chamar o Mario Illen pra dar uma olhada e tipo fazer um improvement por fora ??? Tem que ser tudo de fabrica ??? Ou motor vem ja envelopado ??? Ou as regras não permitem ???

Humberto Corradi disse...

David Félix Krapp

A ideia é trazer mais fabricantes para aumentar o poder delas na F1. A pergunta é: quem serà?

Já a chegada da Alfa Romeo tem motivação comercial. Vender mais carros da marca italiana.

E o Mario Illen está fazendo hora extra.. na Renault!

Valeu