quarta-feira, 8 de março de 2017

Testes Barcelona (6)
























O sexto dia de testes foi arrastado.

Sem tantas novidades.

Mas elas existem.

Valtteri Bottas cravou o melhor tempo pela manhã usando SuperMacio.

O fundo do carro que havia sofrido avarias no dia anterior foi reforçado e não
apresentou problemas.

A unidade de força funcionou já com a especificação que será utilizada na Austrália.

Ao todo, Hamilton e Bottas deram 147 giros.

A Williams bem que tentou repetir o feito de ontem.

Felipe Massa veio até de UltraMacio.

Porém não alcançou seu ex-companheiro.

Ficou com a segunda posição nos tempos.

É preciso destacar que Massa estava com 3 gotas de gasolina no tanque em suas
melhores voltas.

Ontem e hoje.

O próprio Smedley entregou.

Eu acho que havia apenas duas gotas (minha opinião).

Lance Stroll assumiu o carro na parte da tarde e fez praticamente o mesmo número
de voltas do brasileiro.

Marcou o quinto tempo do dia com SuperMacio.

Curiosidade.

O jato particular do pai Stroll fez diversos voos nos últimos dias para levar e trazer
peças entre a Inglaterra e a Espanha.

Kimi Raikkonen andou pouco.

Passou 53 vezes pela linha de chegada.

Conseguiu a terceira melhor marca do dia com pneu Macio.

Fez diversas experimentações durante sua jornada.

E andou claramente com tanque lotado.

Na comparação, permanece a impressão que a Ferrari sai melhor das curvas do
que a Mercedes.

Verstappen ficou com o quarto tempo utilizando também o pneu Macio.

Nas corridas mais longas, comparando, Max se saiu um pouco pior que Hamilton
e um pouco melhor que Bottas.

No cair da tarde, o motor Tag Heuer (Renault) falhou.

Olho aberto.

A parte de recuperação de energia tem dado muitos problemas na unidade criada
pelos franceses.

O restante.

Haas, Toro Rosso, Force India e Renault fizeram um treinamento parecido tanto
nos tempos quanto na quantidade de voltas.

Sauber, dentro de suas limitações, não fez feio.

A McLaren segue seu martírio.

Alonso rodou apenas 46 vezes.

Ao final, Ferdi declarou haver esperança de ganhar confiança e potência para a
primeira etapa.

Confiança porque o motor Honda quebra direto.

Sem novidades.

Falha sempre nas mesmas coisas.

Potência pois nas retas o bólido laranja perde 30 km/h.

Não existem reclamações a respeito da aerodinâmica.

Alonso define.

"Não chegaremos na Austrália preparados como os outros.

Todos na equipe estão prontos para vencer, menos a Honda."

Cobrança rasgada.












2 comentários:

Jeferson Araujo Pereira disse...

Corradi, se for possível, favor lançar luzes sobre essa questão: existe uma explicação técnica, científica, racional, psicológica, filosófica, estética, ou até mesmo sexual, para a presença daquela entrada de ar na asa dianteira da Red Bull?

Nelson de O Julio Nojulio disse...

Corradi, hoje ouvi uma das melhores entrevistas do Alonso. Ele foi indagado sobre se a McLaren conseguia fazer a curva 3 de Barcelona com o o pé embaixo. A resposta dele: "Com esse motor consigo fazer todas as curvas com o pé cravado!"