quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Clipping


























Uns anos atrás...

Ferrari

As atualizações feitas pelos italianos nas últimas provas mostraram que houve
uma mudança na liderança da corrida armamentista.

O carro vermelho é melhor hoje.

Além das melhorias aerodinâmicas, o bólido da Scuderia Italiana possui agora
um sistema de refrigeração mais eficiente.

O que significa uma margem maior para ganho de potência.

A equipe parece ter achado também o equilíbrio na suspensão.

Havia dificuldade para achar o acerto ideal.

O que justifica a diferença de performance entre Spa-Francorchamps e Monza.

Vettel está utilizando todas as inovações.

Criadas debaixo de sua tutela para seu estilo de pilotagem, o piloto alemão se
adaptou rapidamente.

Já Kimi Raikkonen encontrou dificuldades.

O preferiu continuar com a suspensão tradicional.

As duas soluções funcionam.

Houve também alteração no centro de gravidade dos carros.

Ao conseguir baixar o centro de gravidade a Ferrari alcança uma melhor
performance.

E os problemas da Malásia?

O tipo de composto utilizado é a causa.

Houve fadiga de material numa mangueira de carbono em ambos os carros.

A FIA autorizou o reforço, sem penalidade, para que melhore a confiabilidade.

Na visão de Sebastian, o título está em aberto pois ele acha que pode vencer
em todas as etapas daqui até o final.

De qualquer forma a Ferrari tem uma boa base para trabalhar em 2018.

É inegável notar que a presença de Vettel alterou os rumos da Scuderia Italiana.

O fato do time entregar Gina ao seu gosto, mostra seu trabalho e influência.

Ao enfrentar os problemas sem desqualificar seus engenheiros e técnicos e sim
reconhecendo o esforço, traz cumplicidade entre as partes.

Perdemos juntos e vencemos juntos.

Uma filosofia que lembra Michael Schumacher.

Trabalho incessante.

Época em que a Ferrari podia testar e ocupava quatro circuitos ao mesmo tempo
para cavar décimos de segundos.

E colecionar vitórias.

Red Bull e Renault

Max Verstappen venceu.

O time dos energéticos colocou a conquista na conta da aerodinâmica.

Parece que o carro se move sem qualquer unidade de força...

Limites

Falando nisso.

Amarrado pelo contrato, Max Verstappen espera por 2018.

No ano que vem a Red Bull precisará cumprir cláusulas de desempenho para
manter o piloto holandês.

Os interessados no passe do jovem estarão atentos.

Poder

A Renault quer estar entre as grandes.

Apesar do ruído das adversárias, o tal Budkowski está indo mesmo para as
fileiras francesas.

A resposta para a insatisfação dos outros?

"Não estamos aqui para fazer amigos."

A empresa também vai alocar mais recursos em seu time de fábrica em 2018.

É a Renault entornando dinheiro na Fórmula 1.

Cadeiras

A Williams vai testar Robert Kubica e Paul di Resta.

Felipe Massa ainda é favorito para a vaga.

(as fontes dizem que a família Stroll não pode opinar no assunto)

Na Toro Rosso, Franz Tost queria na próxima temporada ceder o lugar de
Daniil Kvyat para Pascal Wehrlein.

(Wehrlein que conta com grande apoio de Toto Wolff na Williams)

Helmut Marko é contra.

Pierre Gasly deverá voltar para a Super Fórmula japonesa e Kvyat poderá
mostrar algum serviço em Austin.

Para não passar em branco.

Há um ruído.

Da Honda com Kubica e Toro Rosso.

O polonês foi muito bem no simulador de Milton Keynes.

Malaias

Valtteri Bottas foi sacrificado duas vezes.

Com o pacote aerodinâmico que não funcionou.

E ainda com a missão de segurar Vettel.

(obrigando o alemão a adiantar seu pit)

Daniel Ricciardo também não foi o mesmo.

Na comparação com Verstappen.

Explico.

O australiano usou o modelo antigo de suspensão e o seu companheiro o novo.

Em Suzuka ambos estarão com equipamentos iguais.

Por Fim

Depois da Caterham, foi a vez do GP da Malásia sumir do calendário.

A China quer outra etapa.

Tudo indica que com o novo acesso ligando a Hong Kong o destino deverá
ser Macau.











7 comentários:

Fidel Miño disse...

Corradi, voçe tirou essa foto do Brazzers (?)

Sei que não vai suceder (não desse jeito), mais imagina os F1 atuais no hairpin de Macau, Palmer passando reto e fazendo estragos...

Gabriel Pereira disse...

Lembro-me que após GP da Rússia ficou evidenciada a dificuldade da Mercedes com os pneus em alguns tipos de asfaltos.
As temperaturas não ajudam o carro e o estilo de pilotagem diferentes dos dois pilotos.(Livio Oricchio explicou) quando algum amigo aqui postou o link aqui nos comentários.
Vamos por partes.
Disse aqui que também acho que o bólido da Mercedes parece estar no seu limite de desenvolvimento mesmo.
Porém devemos nos lembrar também que esse carro não tem o mesmo refino aerodinâmico que Ferrari e Red Bull desde o início do campeonato.
O segredo está atrás do piloto(sem tirar o mérito de ambos), esse motor da Mercedes é um canhão de velocidade, impressionante.E como eles conseguem associar isso com confiabilidade também impressiona.Mostrando de que aquela história do motor do cavalinho rampante já ser igual ao da estrela prateada era uma balela daquelas,oportunismo total de alguns jornalistas aí.
A ferrari perdeu pontos na malásia por causa disso mesmo tendo atenuado o seu prejuízo com uma grande performance de Vettel.Falta de confiabilidade.

Você disse que em SPA a ferrari já tinha um carro mais forte que a Mercedes, que com mais algumas voltas o carro vermelho ultrapassaria o prateado e Vettel venceria naquela oportunidade.
E agora vem justificar o segundo lugar do Vettel por falta de equilíbrio na suspensão?????
Difícil em meu amigo..

Eu sinceramente acho que o carro da Mercedes vai encaixar muito bem com essa pista de Suzuka.É muito parecido com Silverstone, a temperatura dos pneus vai ajudar.. e continuo achando que a Mercedes vai ser a favorita apesar de agora sim achar que a Ferrari se aproximou um pouco mais..(Se demonstrar confiabilidade.
Não creio em uma Red Bull tão forte lá.
A ver...

Renato Santos disse...

AAAAAAhhhhhhhh obrigado, querido Corradi

Paulo Heidenreich Jr disse...

Corradi, acredito que a melhora da Ferrari pelos motivos citados por ti, também se encaixou ao estilo do Maurizio Arrivabene. Não se vê a Ferrari reclamando disso ou daquilo, pelo contrário, sempre que identificado um problema a equipe trabalha duro para resolvê-lo. A minha dúvida é em relação ao Kimi. Será que ele é o segundo piloto que a Ferrari precisa ?

Eduardo Sacramento disse...

Werhlein ainda bem visto no paddock, senão não correria este ano pela Sauber (motor Ferrari) e seria cogitado ano que vem na Toro Rosso (motor Honda).

Pergunto-me o que a Mercedes pretende com Werhlein e com o Ocon, pois parece que o Verstappen está na frente em preferência.

Társio disse...

Eu aguardaria os resultados em Suzuka.

Era sábido há tempos que a Ferrari seria forte em Singapura e Sepang, e vejam no que deu...

Independente das performances da Mercedes e Ferrari, entendo que a Red Bull agora não pode ser descartada para tirar pontos de ambos Hamilton & Vettel.

Em 2016 o Hamilton venceu as ultimas 4 corridas com o Rosberg em P2 e ainda acabou 5 pontos atrás do Nico. A missão do Vettel é BEM semelhante...

Abç
Tarsio

Daniel Chagas disse...

A Mercedes não pode errar até o final do campeonato! A equipe terá que fazer tudo certo e contar com o talento de Hamilton para compensar a distância de performance para a Ferrari. Se for campeão este título será o maior do inglês, sem dúvida nenhuma.