segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Jacarepaguá


























Foi uma ótima notícia.

Excelente.

Colocar um fim no Autódromo de Jacarepaguá mostra como nossos governantes estão
evoluindo.

Pensando o futuro.

E com personalidade.

Enquanto alguns países buscam recursos para reformar antigos e construir novos circuitos,
vamos por um outro caminho.

Original.

Da destruição.

Sim.

Escolhemos o novo.

Jogos Pan-Americanos?

Vamos destruir a pista.

Olimpíadas?

Basta arrebentar com o que sobrou do circuito.

Sim.

E ainda aproveitaremos para desmanchar o que foi feito para os jogos Pan-Americanos.

Você acha que não faz sentido?

É porque você é burro!

Quem liga se Gilles Villeneuve andou por ali?

Ou se Alain Prost colecionou vitórias em terras cariocas?

Moto GP?

CART?

Sabia que o Juan Pablo Montoya ganhou uma das cinco provas realizadas lá pela
categoria americana?

Vitórias brasileiras?

Grande coisa.

Ninguém se importa.

Somente um blog aqui ou um site ali publicam alguma coisa.

Esse negócio de coisa velha é muito chato.

Bom é o novo!

"Quem gosta de passado é museu..."

E gente chata!

Peço desculpas.

Pelas palavras acima que mostram como as pessoas podem ser estúpidas.

Sem argumentos.

E ignorantes.

É triste.

Jacarepaguá perdeu sua guerra.

E vai acabar sendo esquecido com o tempo.

Perdeu sua guerra...

Verdade.

Mas pra quem?

Se no final da história acabamos todos derrotados...

19 comentários:

Anônimo disse...

E com o passar do tempo, a tradição brasileira nas pistas também será esquecida.

Triste, mas é a realidade, infelizmente...

Quem teve o prazer de assistir a F1 neste templo, nunca mais vai se esquecer!

Mauro Santana
Curitiba-PR

Marco Memoria disse...


Lamentavel, assisti a primeira prova neste audodromo ainda menino em 1966 e a partir dai passei a acompanhar de perto tudo que passou por lá, vi Gordinis, Simcas, DKW, Fitti-Porsche, Alpine, Karman-Ghia-Porsche, vi Emerson em 1970 de Formula-Ford, mais tarde vi Piquet, Lauda, Villeneuve todos de pertinho, e é muito triste pensar que o ronco dos moteres vão se calar para sempre por lá, foi vencido pela especulação imobiliaria e interesses financeiros de politicos insensiveis, sentei-me a poucos dias nas arquibancadas vazias e todos esses carros e pilotos passaram na minha mente e sabendo que não mais aconteceriam provas ali, chorei...
Descance em paz meu querido Autódromo.

André Candreva disse...

Corradi,

é uma pena o que fizeram com Jacarepaguá...

um lugar cheio de histórias, muitas delas escritas por Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna...

o que ficará para sempre em minha memória foi quando vi a F1 de perto pela primeira vez: 1986 - GP do Brasil... e a inesquecível dobradinha brasileira - Piquet/Williams e Senna/Lotus...

e isso ninguém poderá destruir...

abs...

Jorge Dias Lage disse...

Um epitáfio muito apropriado.

Mas o que mais impressionou foi a total omissão e passividade de todos os atores do automobilismo, inclusive dos notáveis e influentes nomes que lá correram, venceram e fizeram a história e fama do autódromo de Jacarepaguá. Por que?

Para quem, adolescente, assistiu corridas nesse autódromo, em sua primeira configuração, é uma perda inexplicável.

O autódromo de Jacarepaguá sempre esteve ameaçado, o local sempre foi cobiçado pela especulação imobiliária, devido a sua beleza e alta valorização.

Em tempos passados, não sei em que ano precisamente, mas deve ter sido no final dos anos de 1960 ou início dos 70, a comunidade automobilística se mexeu e conseguiu mudar o destino do autódromo na primeira ameaça que foi levantada. E, naquela época, o automobilismo não era importante como é atualmente, nem havia os campeões de F1 e de outras categorias, nem o histórico de corridas internacionais que lá foram disputadas.

Por que desta vez foi inevitável?

Citar Maiakovsky ("Você não pode deixar ninguém invadir o seu jardim para não correr o risco de ter a casa arrombada.") e Brecht(*) é bem apropriado nessa situação.

(*)
"Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo."

Ron Groo disse...

Foi como eu disse pro Candreva: Doi, mas o caminho pra mudar a situação passava pelas urnas ontem, ou no caso do Rio, no primeiro turno.
Os que se importam, como nós, são poucos. Muito poucos.

Espinosa disse...

Interlagos daria um excelente condomínio de luxo, com direito a lagos campo de golfe, haras, heliponto e muito mais.

Marco disse...

Humberto,
É de facto uma tristeza. Valores mais altos se levantam, como dizem. Olimpiadas duram pouco mais de 15 dias...e depois vão fazer o quê? Aqui em Portugal volta não volta também falam que o Autódromo do Estoril vai acabar. Também uma zona apetecível a nível imobiliário, por isso qualquer dia aqui também ficaremos sem Estoril. E ninguém se importará...menos nós.

Anônimo disse...

Citando outros "pensadores" (hehehehe):

"Jacarepaguá é longe pra caramba!"
Ficou mais longe agora...
E quando completarem o 'plano imobiliário', ficará ainda mais longe...
Lamentável...


um abraço,
Renato Breder

Rafael Schelb disse...

Caras como nós já eram, Nós somos um bando de "bobos" que gostam de um esporte "ecologicamente incorreto", "elitista", "sem propósito", nesses tempos de gente descolada, ecologistas de facebook... Não há lugar pra gente como nós nesse mundo de hoje...
O automobilismo não dura mais muito tempo, não nos moldes em que ele existe atualmente, vai ter que se adequar, se tornar "verde", descolado, Vai ter que ficar mais chato, mais sem alma do que tem sido, se quiser sobreviver. E na boa: não sei se vale à pena o esporte se rebaixar a esse nível...
É triste, mas é a verdade...

juniorcaixote disse...

Pior é que é verdade, Rafael. Tenho orgulho de ser brasileiro, mas essas coisas me magoam muito, a falta de incentivo ao esporte, a falta de respeito à nossa história automobilística, infelizmente descambam nisso. Lamentável, lamentável, lamentável...

juniorcaixote disse...

E como disse nosso amigo português, isso parece acontecer em mais lugares que nós imaginamos...

Felipe Maciel disse...

Isso é Brasil. Quanto mais dinheiro jogado fora, melhor. Quanto mais desvalorizarmos nosso patrimônio, nossa história, nossas conquistas, melhor. E assim seguimos melhorando.

Cassio Kempers disse...

Corradi meu nome é Cassio Kempers, para alguém acima que acima que disse que não lutamos ou onde estão os atores? Domingo Foi um Dia dos mais tristes como o dia da morte de um ente querido.Existe sim um movimento que foi derrotado por essa politicagem e ganancia da especulação imobiliário que vai transformar esse lugar mágico em condomínio de luxo.Olimpíada ? Esquece.Esporte mesmo olímpico ? Esquece. Mas como dizia teve movimento sim em defesa do autódromo NO FaceBook: Jacarepaguá Para Sempre. E pessoas como: André Buriti, Rafael Franco (piloto do Estadual de Turismo), Nicolas Costa (piloto carioca campeão europeu da formula Abarth,Marcelo Freixo (candidato a prefeito do Rio) e muita gente que como eu está de luto, pior é ver no dia seguinte a esta tragédia o prefeito eleito e mir demagogo do Brasil no momento dizer que foi um erro estratégico o que aconteceu com o autódromo. Diz ele que sera construído um em Deodoro e que ficaremos perto de um ano e meio sem corridas ,tendo nossos pilotos que ir correr em Minas Gerais. Minha opinião, não construirão outro, já estamos sem kartódromo (eu piloto karts ) e ficaremos sem autódromo.Ou acham que vão fazer uma pista dentro de uma área de tiro e campo minado do Exército Brasileiro que fica cercado de favelas ? desculpem o desabafo mas para mim indignado como se tivessem matado um parente meu.Desde pequeno fui a essa pista, vi F1, Indy, Moto Gp, corri nessa pista tive momentos inesquecíveis por lá e revolta ver tudo terminr assim...

Carlos Gil disse...

No Brasil como em Portugal (onde me encontro), e em todo o lugar onde o ser humano não teve que depender da sobrevivência do grupo para garantir a sua própria sobrevivência, e assim não criou uma cultura de cidadania activa, a "coisa pública" é tratada como uma oportunidade de enriquecimento pessoal, e não como uma património nacional que urge defender, preservar e enriquecer para as gerações futuras.
Para a maioria dos cidadãos, a cultura actual e a que passa nas programações televisivas e está nas redes sociais, e é este povo que decide o que fazer com o futuro de todos.
Já ninguém quer ter que pensar, preferem que os "opinion makers" lhes sirvam o livre arbitrio numa qualquer prateleira dos media.
Por tudo isto é que eu não acredito nesta democracia inculta, e não gosto que a maioria decida o meu dia a dia.
Fazemos parte de uma sociedade de "Iznogoudes" (http://pt.wikipedia.org/wiki/Iznogoud) que anseiam derrubar o Califa, não para fazer o bem para o seu povo, mas apenas para sermos nós o Califa.
CG

Vinicius Netto disse...

Essa situação é lastimável! Penso exatamente o mesmo. E o mais incrível é que esses governantes de brinquedo vem com aquele manjado papinho de que tudo isso que eles farão trará "um grande progresso". Além disso, aquele povo que morava nas imediações de Jacarepaguá perderão suas casas para a construção de apartamentos para abrigar aqueles estrangeiros que vem aqui, nos chamam de macacos e ainda somos obrigados a sorrir para eles. É uma completa falta de respeito! Tudo que fez história DEVE SER CONSERVADO! Posso ser ousado ao dizer que Jacarepaguá deveria ser considerado um dos TEMPLOS do automobilismo mundial. Mas é como o Humberto disse no post: Quem liga se Gilles Villeneuve andou por ali?

Lamentável e eu não vejo isso como "progresso"!

Ernesto disse...

Como diz um amigo gaúcho: "só se esquece de onde veio quem não sabe para onde vai".

Bob Alex disse...

Até hoje o cheiro dos carros de F1 povoa minha memória.

E o momento mais feliz que presenciei: 1978, o segundo lugar de Emerson, com o F5A, seguido de uma vitória de Carlos Reutemann.

Milton disse...

Espinosa, te falo que so nao transformam Interlagos em condominio de luxo por conta de uma serie de interesses que AINDA existem, mais algumas leis nas quais o autódromo foi encaixado. Uma delas diz que o Autódromo Municipal Jose Carlos Pace é considerado PARQUE MUNICIPAL, tendo por lei o mesmo status de um Parque do Ibirapuera ou um Jardin Botanico.Ou seja: Ao menos la(no caso aqui, pois sou de SP), não mexem, graças a Deus.

Buriti disse...

Corradi, só conheci seu blog hoje pela indicação de um amigo. Faço o blog SOS Autódromo RJ há oito anos, e raras foram as vezes que tive pilotos me apoiando, infelizmente para eles Jacarepaguá é apenas uma pista, mas para nós é "a pista".
Ainda temos esperanças de reverter o processo, estamos trabalhando nisso, a nossa luta agora é colocar