quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Rascunho de Mercado









































Monza.

1955.

Primeiro as desculpas para os que nos acompanham.

Este espaço anda mais lento do que de costume.

Os dias estão mais curtos.

Sebastian Vettel já fala como piloto da Ferrari.

Fernando Alonso tem tudo para ser anunciado antes de Abu Dhabi pela
McLaren.

E Jenson Button, com negativas de Porsche e Toyota (esta última pode ser),
segue sem rumo revelado para o futuro.

Falando em Toyota, a Force India usará as instalações dos japoneses na
Alemanha para desenvolver o carro da próxima temporada.

Entidades europeias se levantaram contra as marcas de álcool que patrocinam
a Fórmula 1.

Querem as bebidas longe do esporte.

Nico Rosberg provocou Felipe Massa para que o ajudasse na briga pelo título.

O brasileiro retrucou.

"Não vou ajudar ninguém..."

"Um certo alemão já prejudicou minha chance (de título)..."

OK.

Ele só esqueceu que na prova de Interlagos-2008 Vettel (alemão) passou Hamilton
(o que deixou Massa na situação de campeão) e que só depois Lewis passou Glock.

E (pelo talento) o título ficou em ótimas mãos!

Marussia e Caterham falando em voltar?

Marussia com um investidor e a Caterham com seus doadores.

O avô da piloto britânica Alice Powell já procurou a equipe verde para que moça ande
nos treinos livres de Abu-Dhabi.





















Assim.

Marussia e Caterham já deram nos nervos de Bernie Ecclestone.

O big boss está se movimentando, porém os fundos deverão ir para Sauber,
Force India e Lotus.

Muitas soluções estão sendo discutidas.

Terceiro carro (na Red Bull e Ferrari), subsídio de motores para as pequenas e
ainda dividir a categoria máxima do automobilismo em duas.

Uma principal com Ferrari, McLaren, Mercedes, Red Bull e Williams.

E uma segunda classe com o resto.

Difícil saber o que sairá disso tudo no final.

Enquanto isso um piloto francês publicou e apagou no twitter.




























Por fim.

Kevin Magnussen deve renovar com a McLaren até 2016.

Com aumento, o salário de companheiro de Alonso nas próximas duas temporadas
chegaria a algo próximo de 3 milhões de euros / ano (dinheiro da McLaren).

Nada parecido com os 40 milhões de euros do espanhol (dinheiro da Honda).

15 comentários:

Anônimo disse...

Felipe Barrichello Massa????

Se ficasse só na primeira frase tudo bem... agora, dizer que o Glock o atrapalhou e se esqiecer das inúmeras trapalhadas italianas da ferrari - essa sim tinha que trabalhar para ele e não o Glock - é digno de uma "barrichellada"!!!


um abraço,
Renato Breder

Jefferson disse...

Corradi, haveria mais algum interesse da Toyota nessa história?!
A fia poderia padronizar os motores do wec e f1 para que as pequenas pudessem ter mais opções de escolha dos propulsores, daí quem sabe o valor cairia e mais parcerias surgissem.
Massinha só deu a resposta que Rosberguinho merecia, afinal ele só precisou de ajuda agora!

Anônimo disse...

Ah!!

O belo carro "streamliner" em primeiro plano, com o número 36, não é uma lancia D50 (como eu pensei a princípio). É, na verdade, uma versão 'streamliner' de uma Maserati 250F, nessa ocasião pilotada por Jean Behra.

Confiram:
==>> http://www.43-minicar.com/cartpro/data/upfile/maserati250fstr56-17.jpg


outro abraço,
Renato Breder

Malka disse...

Corradi,boa tarde
você sabe se existe alguma chance da Mclaren ou Mercedes alinharem 3 carros assim como a Ferrari e RBR ? (de acordo com o post)
obrigado ;)

Mansur. disse...

Acho que o título de 2008 também ficaria em boas mãos com Felipe, época em que era talentoso e combativo... mereceu tanto quanto, 6 vitórias, uma a mais que Hamilton, e 10 pódios.

Após o acidente sabemos como a performance caiu, mas em 2008 era sim um piloto de ponta e merecia também o título.

Abs,
Mansur.

Renato Santos disse...

Grato! visito seu blog umas 600 vezes por dia...

Ron Groo disse...

Até onde sei, a Marussia poderia voltar como Manor, não é?
Mas a Caterham quer sobreviver com donativos da vaquinha?
Que vá pro inferno.

Daniel Chagas disse...

Na boa, é uma pena a Mclaren optar por Magnussen. A equipe tem cacife o suficiente para "emprestá-lo" por um ano para uma Force India da vida e depois pegá-lo de volta. Acho que seria importante e mais vantajoso ter Button em 2015, pela sua experiência com a Honda e por sua capacidade que evidentemente é maior que o jovem dinamarques. Magnussen mostrou ter talento,mas tem que comer muito feijão com arroz para chegar ao nível de Button e é jovem, não morreria se ficasse um ano fora da Mclaren. Simplificando, é uma economia de porco essa da Mclaren.

Humberto Corradi disse...

Daniel Chagas

A pedida do Button foi alta. Algo perto de 16 milhões de euros.

Dinheiro que precisaria ser bancado pela McLaren (e não Honda).

E a equipe não está com essa bola toda. na verdade suando para fechar uma dupla de patrocinadores para ficar tranquila nos próximos anos.

Valeu

Jefferson disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ituano Voador disse...

Em termos, Jefferson; a incompetência em 2008 foi tanto da equipe quanto do piloto. Se Massa não tivesse feito as barbeiragens que fez na Austrália, na Malásia e na Inglaterra, teria sido campeão.

Jefferson disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Boa tarde.

Quanto a ideia do "Grid Repartido":

Não acho essa ideia tão ruim assim … Devia ser melhor trabalhada.

Por exemplo:

- Uma fabrica X (Dallara, por exemplo) fabricaria o chassis e uma carroceria padrão de acordo com o regulamento;

- Utilização de Motores V8 Aspirados (Cosworth, por exemplo) com câmbio e sistemas hidráulicos da Xtrack, padronizados. Motores estes com as tecnologias híbridas equivalentes as atuais, como o Kers utilizado hoje e capacidade de armazenamento de energia similar. Assim, agradaria a gregos e troianos, teríamos carros turbo e aspirado, para quem reclamava do som dos motores ...

- Utilização de outras peças já fabricadas independentemente (Freios, Amortecedores e rodas);

- Parcerias técnicas com as grandes equipes, como utilizar túnel de vento e simuladores;

- Ou com uma estrutura já existente, como as das equipes menores Caterham e Marussia, a equipe poderia concentrar-se em desenvolver o pacote padrão disponibilizado (Desenvolvendo novas asas, sidepods etc.) melhorando a performance do bólido.

Posso ter falado um monte de groselha agora … mas para equipes pequenas ou aquelas que desejam ingressar no certame, ACHO que PODERIA ser uma boa ideia se devidamente trabalhada …

O que acham ? Abraço !

Jefferson disse...

Faz sentido Ituano voador...
Agora eu me lembrava apenas das 20 (!!!) rodadas dele na chuva em Silverstone.

Mas aquela da mangueira foi terrível!
E no ano anterior houve aquele 'esquecimento' de colocar uma marcha no câmbio dele na Austrália e Kimi já começou com um 10x0.
Fica tudo num "se". Se Emmo assina com os vermelhos...

Infelizmente automobilismo nacional vem num declínio vertiginoso.

Anônimo disse...

O negócio é liberar tudo, ao estilo anos 70. Compra de chassis, motores... Alinhar um, dois ou três carros e podendo ter patrocínios diferentes, volta da guerra de pneus, liberar inscrições de equipes...

Uma coisa mais Indy, só que com a tecnologia que a Fórmula 1 proporciona.

Abraço,
Diogo.