quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Rascunho do Meu Primeiro






















Viu a foto?

Muita informação na carenagem?

Time pequeno é assim mesmo.

Até na categoria máxima do automobilismo.

Pior é não ter apoiadores.

A McLaren parece viver um drama.

O whisky Johnny Walker e o banco Santander estarão se retirando ao final
desta temporada.

A Diageo (controladora da marca de destilados) vai concentrar suas forças
na Fórmula 1 sem escolher uma equipe.

Enquanto que a instituição financeira espanhola deverá prolongar e estreitar
seus laços com a Ferrari.

Note que nem a presença de Fernando Alonso causou comoção.

O rombo não será tão grande.

Pois os valores que foram cantados em prosa e verso como exorbitantes na
verdade são três ou quatro vezes menores na realidade.

Por que isso?

Para atrair peixes maiores.

Por exemplo.

Se a Sony pensar que o Santander coloca 30 milhões de euros por ano na
equipe de Ron Dennis, poderá apresentar uma proposta luxuosa.

É assim mesmo.

A Williams usa estratégia semelhante ao expor a Martini daquela forma em
seu bólido.

Mesmo num valor promocional.

Faz os pretendentes a apoiadores pensarem:

"Podia ser eu ali..."

Aston Martin? Pode ser.

Voltando a McLaren.

Ninguém vai quebrar.

A questão não é essa.

Pois dinheiro não falta por causa da Honda.


































Mas a dependência dos japonese só faz crescer.

Isso sim preocupa.

Já que se tornar refém não é o plano de Woking.

A Exxon fez cara feia quando o nome de Pastor Maldonado surgiu numa
reunião.

(sim surgiu meus amigos, acreditem!)

A petrolífera não quer uma irmã como a PDVSA na sua área de exploração.

Não tá fácil!

Enquanto isso.

Alguns estão notando um excesso de cautela na estratégia da Williams em
corrida.

A busca pela melhor posição no mundial de construtores parece ser a grande
culpada.

A Manor se aproxima da Mercedes (que se livrou de Bernie e da Red Bull).

E Pascal Wehrlein (piloto da Mercedes) se aproxima da Manor.

Aos poucos a Lotus vai se desembaraçando de suas pendências financeiras.

Já é a mão da Renault.

Ferrari e Red Bull devem formar uma parceria na qual os italianos fornecerão
as unidades de força para o time do energético.

Troço impensável alguns anos atrás.

Mas a coisa não deverá durar muito.

Pois a Red Bull quer continuar independente.

Movimentações indicam que a marca caminha para financiar o desenvolvimento
de uma nova unidade através de outra fabricante de motores.

Por fim.

Em 2013 Lewis Hamilton reclamava da falta de competitividade na Fórmula 1.

"Alonso e eu deveríamos poder brigar pelas primeiras posições.

Sinto pelos fãs não poderem apreciar uma luta direta com Seb."

As frases vieram quando Vettel havia ganho sua quarta prova consecutiva na
temporada.

Em 2015 o discurso mudou.

"Não podemos ceder nossos motores para um adversário como a Red Bull.

Não se queremos realmente vencer o campeonato."

Condições iguais?

Mais adversários fortes?

Não quando se está por cima, OK?






4 comentários:

Eduardo Casola Filho disse...

Footwork FA16 Hart, pilotado por Massimiliano Papis (ou Max Papis como queiram), uma das poucas corridas dele pela F1. Piloto de carreira sólida nas Estados Unidos e genro de Emerson Fittipaldi.

Tomara que F1 consiga mais montadoras para mudar o status quo. Eu quero que a Honda resolva seus problemas e que apague a imagem de agora.

E, claro, que está por cima da carne seca, não vai querer mudanças. O gosto da vitória e viciante. Não importa como ela venha.

David Félix Krapp disse...

Fala Corradi

Caraca... Maldanado na McLaren é desespero hein, sou mais o Perez... os caras também nem pra fazer um carro bonito..quem vai querer anunciar naquele troço feio da budega... rsrsrsrsrs

Red Bull com a Volks/Audi/Porsche não vai rolar mesmo ? Que triste, queria ver os quatro anéis ou o cavalinho de Stuttgart...

E o Hamilton hein...

Pimenta nos olhos dos outros né Hamilton...

Fabio disse...

Por fim... muito bom,kkk

Marcos José disse...

Na minha opinião se o Perez não renovar com a Force India na semana do GP de Cingapura, talvez os nomes de Pastor Maldonado (com o dinheiro da PDVSA já resolveria os problemas de "caixa" da Force India) ou até mesmo o de Kevin Magnussen (já sabendo que a vaga na McLaren "ficará" entre Button e Vandoorne, terá que procurar outro lugar para poder correr e as suas opções seriam : a Force India, a Haas ou até mesmo a Manor no caso dela "fechar" com os alemães) surjam como opções para substituir o mexicano (que iria pra Renault conforme os "boatos" e tendo como novo companheiro no retorno da equipe francesa, Romain Grosjean) na equipe indiana. Red Bull-Ferrari por 2 anos até o "novo parceiro" (VW-Audi "chegando" depois de 2017?? será?? vamos aguardar!) ter o tempo suficiente para se preparar melhor para "destruir a concorrência" em 2018!? Toro Rosso cumprindo o contrato com os "franceses" por enquanto e agora a McLaren dando uma de "boazinha" e explicando a sua relação com a Honda (nós não somos "rancorosos" iguais a uma certa "equipe austriaca" do grid, nós acreditamos na nossa parceira e com certeza ela encontrará o caminho para vencermos juntos novamente no futuro...) que é "bem" diferente da "explosiva" relação entre Red Bull e Renault...e pelo jeito a McLaren terá que "engolir" o Yasuhisa Arai por mais tempo do que imaginava...