domingo, 6 de setembro de 2015

Rascunho Parlando























Para entender.

Lewis Hamilton e Nico Rosberg ficaram sob investigação após o delegado da
FIA descobrir que os pneus de suas Mercedes estavam com a calibragem abaixo
do limite estabelecido pela Pirelli.

Os comissários ouviram todas as partes (equipe, delegado e a Pirelli) e decidiram
não punir o time alemão.

O motivo da perda de pressão seria a especificação do cobertor térmico.

Entretanto os comissários pediram critérios mais claros para fiscalização no futuro.

Balela.

Foi uma decisão política.

Os bólidos da estrela de prata estavam fora do regulamento.

Outra balela: a Pirelli não alterou as regras.

A mudança se deu apenas nas especificações (que muda a cada prova).

É uma questão de segurança e portanto obrigatória.

É tanta balela que dois pilotos foram desclassificados pelo mesmo motivo,
pressão irregular dos pneus, na GP2.

Trapaça grosseira e pega no flagra.

No rádio, durante a prova, a Mercedes (já sabendo de tudo que havia feito!)
alertava para que Lewis acelerasse esperando uma punição por tempo.

Ou sabendo ser inocente alguém se arriscaria tanto assim?

Pura balela.

Enquanto isso, Jenson Button espera ser informado rapidamente da decisão da
McLaren para 2016.

Complicado.

Pois caso a escuderia de Ron Dennis resolva ativar a opção de renovação, o
salto salarial previsto pode elevar o salário do piloto em 7 milhões de euros.

Pesa?

Pesa.

Quem não tem essa preocupação é a Red Bull.

A proposta de renovação para Ricciardo é de 30 milhões de euros por três
temporadas.

O piloto quer se comprometer por apenas duas.

Para convencer seu titular, o time do energético poderá subir os valores.

Na Williams (que não conta com recursos ilimitados) a conversa com Bottas
foi outra.

Para facilitar o entendimento salarial, a Casa de Grove prometeu construir um
padrão de favorecimento para seu piloto mais jovem.

Assim, Valtteri deverá ser o primeiro piloto.

Entende-se com isso favorecimento nas estratégias e prioridade nas novidades
técnicas.

Ainda neste mês a Haas promete anunciar seus pilotos.

O motor usado por Lewis Hamilton em Monza trouxe os primeiros testes de
desenvolvimento da Mercedes para a próxima temporada.

Por fim.

Um conto.

Quando eram companheiros na Toro Rosso, Sebastien Bourdais revela que ficava
impressionado pela dedicação e atenção a todos os detalhes de Sebastian Vettel.

Enquanto o francês arranhava o inglês, o futuro multicampeão já discursava em
italiano com todos os mecânicos e engenheiros de Faenza.

Tudo conta!




15 comentários:

Danilo Silva disse...

Pode ter sido uma decisão política, mas se fosse uma decisão comercial seria melhor tê-lo excluído do resultado final... no ritmo que está ele será campeão com três provas de antecedência...

Marques disse...

Hahaha se fosse esse da foto... acho que a opinião aqui seria bem diferente.

Humberto Corradi disse...

Marques

Não seria não. Não duvide do meu caráter.

Gilmar disse...

Não faz sentido sua teoria, na minha opinião. Se houvesse qualquer coisa, por mínima que seja, a Mercedes seria punida. Seria ótimo para o campeonato e para o interesse na categoria, que anda em baixa. Assim, o campeonato ta quase definido.
Na boa, acho que VC viajou legal.

Humberto Corradi disse...

Repercussão no paddock:

Rob Smedley foi inflexível sobre a violação e acha quer Lewis Hamilton e a Mercedes deveriam ser desqualificados do GP da Itália.
"Não importa o que é", disse Smedley. "Se é de 0,3 ou menos 10. Quando você tem um regulamento técnico, você tem que obedecer a mesma regra técnica."
"Com as asas a medição envolve milímetros. Ou você está dentro ou fora do regulamento."
"E se nós formos apanhados fora, seremos desclassificados."
"Há um regulamento técnico e está em vigor, e você não pode infringir ele."
"Então, como você vai fazer com as asas?
A altura do carro?
O que você faz com suas unidades de energia?
As coisas são mais ou menos?"
"Todos obedecemos essa regra técnica. Se todos nós modificarmos um pouco, todos os nossos carros seriam dois segundos mais rápidos."
"Se eu alterasse um pouco cada área do carro, o carro seria dois segundos mais rápido!"
"Há um regulamento técnico e eles violaram o regulamento técnico.
Fim de historia."
Pat Symonds tomou uma linha semelhante quando questionado pela SKY.
Disse que na Fórmula 1 "por um milímetro você está legal ou ilegal."

Humberto Corradi disse...

Outra

Lembremos de Ricciardo na Austrália no ano passado.

Ele foi desclassificado porque o fluxo de combustível em seu carro ultrapassou o limite permitido.

Não importando se foi muito ou pouco.

Violação é violação.

E agora? Dois pesos e duas medidas?

Gilmar disse...

A decisão sobre a não punição se deu em função do momento da medição. Em momento algum se questionou o fato de estar pouco ou muito abaixo do limite estabelecido.
Assim, parece claro que a Mercedes usou uma brecha do regulamento e, com os pneus no cobertor, mais quentes, tinham a pressão especificada. Por isso, como o regulamento não especificava a situação no momento da.aferição, não foi possível multar a Mercedes. A medição da Pirelli no momento que o carro saiu para a pista indicava que estava tudo ok.
Não estou defendendo, mas estas brechas sempre foram usadas, por.todas as equipes, para ter vantagem. O que acontece é que agora vai se aperfeiçoar está regra ee a brecha vai desaparecer.
Se é por lembrança, lembro também das asas flexíveis da red bull, que todo mundo via que era flexível, mas sempre conseguiam alguma brecha para passar nas aferições.

S.A.C disse...

Mas a fia e a pirelli autorizaram porque o carro no grid?

Lowe disse que tanto um diretor d FIA quanto da Pirelli autorizaram

Humberto Corradi disse...

Gilmar e SAC

O problema é que os carros da Ferrari também foram checados nas mesmas condições e estavam dentro das regras.

Não tem bobinho.

Vou falar o que acho que aconteceu: alguém entregou que a Mercedes costuma usar tal artimanha nas corridas. Pra comprovar a FIA verificou as duas equipes para efeito de comparação.

Os comissários devem ter tomado um susto quando verificaram que a denúncia era verdadeira e se viram com uma batata quente nas mãos.

A pergunta é: quem entregou a falcatrua?

Mr. K disse...

A RedBull há uns anos também usava um esquema parecido, no primeiro stint (que era o pneu do q3) usavam uma pressão mais baixa que o normal, o que permitia o carro ser mais rápido em qualificação e logo no inicio (para fugir o DRS), o que também fazia com que fossem sempre os primeiros a parar. Sé depois usavam peneus com a pressão "normal"...

Gilmar disse...

Evidente que não tem bobo nessa história. O fato é que a não punição passa longe de favorecimento à Mercedes, mas sim por ser uma brecha não prevista no regulamento. Lhe garanto que na próxima corrida o regulamento vai ser mais rígido quanto a isso.
O fato é que a Mercedes foi esperta e usou essa brecha. Bem diferente de estar fora do regulamento.

Marcos José disse...

E o porquê da coleta da medição da calibragem dos pneus da Ferrari também? Não podia ser de outra equipe (para a comparação)? "A pergunta é: quem entregou a falcatrua?"...aposto que foi "alguém" da Mercedes (um ex-funcionário) por já saber deste procedimento (só alguém que conhece e bem a rotina da equipe, para fazer está "denúncia") adotado por ela! O nome de Grosjean (talvez já pensando na vaga para 2017 na Ferrari? ou por achar que poderá ficar a "pé" em 2016??) também é mencionado na Haas (será que a Renault deixará a Lotus mesmo na "mão"?) por causa da situação complicada da Lotus (parece que o Carlos Ghosn não ficou muito satisfeito pelo valor que receberia de "equipe histórica" proposto pela CVC e também pela FOM, vamos aguardar...). Ferrari poderá fornecer para 5 equipes (por causa do "veto" dos Mercedes para os taurinos e com a "saída surpresa" da Renault no final de 2015!?) e a Manor poderá ser equipe-cliente da Mercedes (com Pascal Werhlein sendo um de seus pilotos). A paciência da McLaren (e de Ron Dennis também) com o diretor de motorsport da Honda acabou...

Nairo disse...

Acredito que a questão tenha sido mais a física do que a política. Segundo a Pirelli, os pneus da Mercedes foram aferidos em temperatura inferior a dos demais carros, com o coberto elétrico desligado por muito mais tempo. Presumindo que o volume do pneu teve insignificante variação do volume, quanto menor for a temperatura, menor também será a pressão interna. É aquele velho PV/T = PoVo/To do ensino médio, lembra...?

Tá, mas por que os alemães não foram punidos? Seguindo o procedimento de largada, após a leitura dos italianos, os pneumáticos foram novamente aquecidos. Em consequência da elevação da temperatura dos pneus a pressão interna dos mesmo também subiu, em tese, até os limites especificados. Se considerarmos isso, os bólidos germânicos largaram com os pneus dentro do estabelecido pelo regulamento.

Para ajudar a explicar, pneus com menor pressão representam uma vantagem pois proporcionam maior aderência. Mas este bônus possui o seu ônus e no caso seria o maior desgaste de pneus. Se os pneus estivessem com menor pressão, as Mercedes seriam mais rápidas (mais ainda do que já são!) porém seus pneus se desgastariam mais cedo. Porém não foi isso que vimos com o piloto inglês na prova. Hamilton foi um dos últimos a fazer a primeira troca (parou depois do Vettel) e o seus tempos de volta antes da pit stop eram bons.

David Félix Krapp disse...

To com vc Corradi...

Tá errado, tá errado... esse é o grande problema da F1 a alguns anos já, ao invés de buscar a excelencia, o pessoal fica buscando brechas e vantagens no regulamento... o que acontece é a perda de credibilidade do esporte... e é por isso que os autódromos estão vazios, a audiencia cai, patrocinadores correm, quem quer investir em um esporte sem credibilidade com o público ??

Na era Schumacher vimos anos de mandos e desmandos, tanto que a FIA tinha o carinhoso apelido de Fiarrari... agora o lado mudou... e da mesma forma acho errado...

Em que o jogo de interesses vale mais que as regras ?

E ver a notícia de que o Massa será segundo na Williams é um daqueles cúmulos do absurdo, se sou o Massa pego os trocados da Petrobrás e vou pra outro lugar... nem que seja Indy, WEC... qq coisa é melhor que isso... Bottas que todo mundo paga tanto pau, precisa de cláusula pra se impor... muita falta de capacidade e cojones...

Andre Magalhaes disse...

não gostaria de estar na pele dos comissários, se por um lado foi descumprido em regra, por outro lado exigir que uma regra mal feita seja cumprida e favorecer a Ferrari na sua própria casa sem que isso não pareça marmelada......situação dificil.
Eu particularmente gostaria de ver a Mercedes Desclassificada, regras são regras e iria esquentar o campeonato.
Mais como por enquanto não mando nada, deixa assim.