segunda-feira, 10 de julho de 2017

Austríacas





























Retratos.

A polêmica da largada.

Afinal descobrimos que os compostos da Pirelli também sofrem.

Os soldados trabalhando.

E sangue.

Ensaio.

5 comentários:

José Coutinho disse...

FIA já bateu o martelo Humberto. Não hoje queima de largada. PONTO.
Excelentes imagens. Valeu amigo, abraço.

David Félix Krapp disse...

Corradi seus dados no post anterior - 0,06 de queima - estão incorretos, não houve queima de largada e a reação de Bottas foi de 0,201 enquanto do Vettel foi de 0,394 - como voce mesmo gosta de ressaltar, qualquer detalhe pode definir o resultado de uma corrida de F1... são dados oficias dos sensores da FIA na pista, não sei qual sua fonte...

Ainda na queima de largada a declaração da FIA em relação a tolerancia não foi relativa exclusivamente a essa largada, li no texto original e creio que voce não entendeu o que a entidade quis comunicar... cito abaixo a matéria da Autosport e também o comunicado da FIA

AUTOSPORT
The FIA has explained, however, that some movement before the lights go out is allowed because of the need occasionally for drivers to make adjustments to their clutch in those crucial moments before the start.

FIA
"In today's instance, Valtteri Bottas did not exceed this (very small) limit before the start was given," said the FIA spokesman.

"Simply put: he made an exceptionally accurate and fortuitous judgement call, anticipating the moment the lights went out with great precision. Any movement prior to the moment the lights went out was within the tolerances allowed."

Espero ter ajudado a esclarecer este assunto...

Jefferson disse...

Engraçado, 'il prediletto' fora da baia não teve polêmica alguma.

Marcos José disse...

Poderemos ter uma "bomba" nos próximos GPs...muitos rumores envolvendo a McLaren (talvez uma suposta "McLaren-Alfa Romeo" pra 2018!?) e a Honda (talvez saindo da F1 e encerrando o acordo dela com a Sauber pra 2018!?) nestas últimas semanas...vamos aguardar!!

Jacinto disse...

Há uma reportagem da "auto motor und sport" (que apesar de alemã, é uma revista muitíssimo respeitada) que confirma o que o Corradi afirma.

A explicação é longa e muito técnica, mas em suma: o sensor detectou que o carro do Bottas começou a se mover 0.06s antes do "sinal verde", mas o sistema que mede a largada tem uma margem de tolerância de rolagem: o carro pode se movimentar um pouco antes do sinal verde, como aliás a própria FIA reconhece no comunicado mencionado pelo amigo David Felix.

O que a FIA chama de "tempo de reação" (0.201s), não é o momento em que o carro começa a se mover, mas o momento em que a movimentação tolerada é ultrapassada.

O que o Bottas fez está dentro das regras, mas, como afirmou o Ricciardo na entrevista após a corrida (aliás, que piloto e que figura! A comemoração dele foi engraçadíssima) não foi a reação ao "sinal verde". Foi sorte mesmo de a aceleração dele ter coincidido com o "sinal verde". Aliás, o próprio Ricciardo disse que ele fez o mesmo , uma vez, em uma corrida de F3.