quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Clipping

























Assim como nos anos anteriores, Kimi Raikkonen foi mais uma vez confirmado
na Ferrari.

Último campeão vermelho.

Não se pode criticar sua tocada.

Pois a pole position em Mônaco coloca todos os argumentos dos que não gostam
da condução do finlandês no lixo.

Raikkonen permanece por não haver um substituto claro entre os novos.

Destaques estão sob contrato.

E Romain Grosjean ou Sergio Perez seria trocar seis por meia dúzia.

Sem falar nos riscos do imprevisível.

Decisão compreensível.

Também Ficam

Stoffel Vandoorne na McLaren e o projetista James Key da Toro Rosso.

Um poderia ficar sem lugar.

E o outro se mudar para a Williams.

Ferrari

Há otimismo e cautela em Maranello para o restante do campeonato.

Existe a previsão de melhorias para a Bélgica e Itália.

(claro que a Mercedes também não vai ficar parada)

A razão indica que não se pode confiar em vitórias.

Sebastian Vettel trabalhará na diminuição dos danos.

Chegar em segundo em Spa Francorchamps e em Monza seria ótimo.

Olhando as circunstâncias.

Mercedes

Lewis Hamilton devolveu a posição para Valtteri Bottas na Hungria.

Nas entrelinhas fica claro que a confiança do time prateado é enorme.

Nas contas (deles), o campeonato é do inglês.

Comparação

Na Haas.

Grosjean quase sempre se qualifica melhor.

Entretanto a quantidade de posições ganhas por Kevin Magnussen a cada
largada chama atenção.

Na Renault.

Jolyon Palmer tem sido em média pouco mais de um segundo mais lento
que Nico Hulkenberg no sábado.

A equipe diz que ainda vai analisar derradeira parte do ano para decidir se
Palmer fica ou não em 2018.

Conversa.

Só um incentivo para ver se o piloto consegue alguns pontos para melhorar
a situação dos franceses no mundial de construtores.

Na Sauber.

Interessante.

Pascal Wehrlein aposta na agressividade da borracha para se destacar na
vitrine.

E sobre Marcus Ericsson.

Sua escolha quase sempre recai pelos pneus ultramacios na maioria das vezes.

Vapor

A Aston Martin não deverá estar presente na Fórmula 1 como uma fabricante
de motores.

Halo

A proteção escolhida pela FIA está dando dor de cabeça no paddock.

O motivo é que muitos começaram a desenvolver os bólidos da próxima
temporada apostando no outro modelo.

O tal Escudo.

Assim muitos projetos foram parar no lixo.

O giro dado por Vettel em Silverstone com o Escudo, e sua sensação ruim,
enterraram a ideia por enquanto.

A palavra do alemão tem peso dois.

Olho

Sabe o Nicholas Latifi?

O canadense da F2?

Então.

Minha Opinião

Estão quietos.

Porém a Renault deve ser um excelente lugar para se estar em 2018.

Newey Trabalha

A Red Bull apresentou dois modelos diferentes do RB13 em Hungaroring.

Daniel Ricciardo largou com um carro com uma distância entre eixos maior
do que a máquina utilizada por Max Verstappen.

Na nova configuração, Adrian Newey deixa o desenho mais semelhante ao
da Ferrari.

Sim.

Ainda longe dos longos Force India e Mercedes.

Curioso para ver se as diferenças para efeito de comparação estarão rodando
na Bélgica.

Unidades de Força

A Honda planeja trazer uma nova especificação em Suzuka para seu motor.

A conversa aqui é sobre potência.

Tentando fazer bonito em casa.

O plano é apresentar uma unidade mais poderosa que a da Renault no Japão.

Esperemos.

Spa-Francorchamps

As configurações dos carros para Spa deverão ser mais semelhantes aquelas
utilizadas em Silverstone.

Portanto as Flechas de Prata possuem vantagem.

Entretanto penso que com a evolução da Scuderia Italiana não veremos uma
vantagem tão gritante quanto foi na Inglaterra.

Lembre-se que houve testes nesse meio tempo.

A Red Bull fez uma escolha bem agressiva dos pneus se olharmos para suas
concorrentes.

Mesmo com a evolução não deveria ser páreo para Ferrari e Mercedes  na
Bélgica.

Talvez uma chuva para dar emoção...

Por Fim

No clima.


8 comentários:

Unknown disse...

Esse excelente lugar na Renault, poderá ser ocupado pelo Kubica, Corradi?

Humberto Corradi disse...

Kubica está no topo da lista

CHAGAS disse...

Giovinazzi e Leclerc na minha opinião seriam melhores escolhas que Kimi. Giovinazzi inclusive já tem kilometragem em corridas na F1. Leclerc embora somente em treinos, mostrou ser um piloto excepcional.

Sobre a devolução da posição entre Hamilton x Bottas, se os alemães estivessem pensando que o campeonato esta ganho, porque tomar essa atitude? Bastaria o Hamilton continuar atrás do Bottas e somar os pontos pois o "campeonato esta ganho". Muito pelo contrario blogueiro, inverteram a posição para o Hamilton tentar passar o Kimi e diminuir a desvantagem, justamente porque não tem nada ganho. Até porque bater Ferrari/Vettel será muito difícil. Se acertaram em voltar as posições novamente, isso é outra história, pra mim acertaram pois foi acordado durante a corrida. E eu que não gosto do Hamilton (embora seja um piloto excepcional) passei a respeitá-lo após essa atitude.

Gustavo Leite disse...

As Red Bull se dão muito bem no circuito de Spa, se alguém bobear vai perder para um deles. E lá estará cheio de fãs do Verstappen.

Gabriel Pereira disse...

Tem que se falar muito sobre o trabalho do Vettel até aqui.
A Mercedes teve um carro superior na 1° parte do campeonato.
Apesar das negativas e negativas desse blog aqui.Foi necessário chegar a Silverstone para que houvesse um consenso.
Enfim, não é sobre isso que quero falar..
O Alemão só está na frente porque está guiando mais do que o carro e aproveitando todas as oportunidades que as 'carreras' tem lhe dado.
Só ressaltando mais uma vez que estou torcendo para o Hamilton, mas não se pode esquecer de ressaltar o grande ano do Sebastian até aqui.
Melhor piloto do campeonato com sobras.

Luis Cirilo disse...

Se nada de muito anormal acontecer a Mercedes leva o campeonato, nessa segunda metade do campeonato, a unica pista que eles claramente não tem vantagem é Cingapura.

A Ferrari com certeza evoluiu, mas se bobear a Mercedes vem ainda mais forte. Nessa primeira metade do campeonato a evolução da Mercedes comparada a equipe italiana foi muito superior, e lembremos que uma das maiores criticas do Alonso em relação a Ferrari, era o lento desenvolvimento da mesma, visto até agora, em 2017 esse problema parece continuar.

Bom, vamos ver como cada equipe evoluiu nesse intervalo daqui alguns dias, até la, é pura especulação.

CPA disse...

E sendo Kubica mesmo na situação actual muitíssimo melhor que Palmer, dificil não ver a troca para 2018. Aliás, até acho incompreensível ela não ser feita ainda na recta final deste campeonato.
Para as "fly away races" talvez?

James Morais disse...

A equipe que mais soube extrair o potencial do Kimi foi a Lotus (2012 e 2013). E os caras não fizeram nada demais; apenas ofereceram a Kimi um ambiente descontraído e livre de cobranças. O ambiente interno da Ferrari é famoso pela esterilidade em termos de ação. Só se pode fazer o que eles mandam ou permitem. Kimi não está feliz na Ferrari; para ver isso basta comparar sua expressão facial com a dos anos em que defendia a Lotus. Ele é como criança. Precisa se divertir para mostrar resultados. Seria interessante vê-lo na Red Bull, onde há liberdade de expressão da personalidade.