quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Mágoa






















Lendo uma entrevista de janeiro de 1977, concedida por Wilson, dá pra
imaginar o que os membros da equipe dos irmãos Fittipaldi  passaram na
época.

As piadas na televisão chamavam o carro de "açucareiro" e "tartaruga".

Nas palavras de Wilson.

"Os humoristas passaram dos limites.

Não em relação a Copersucar, mas ao Emerson Fittipaldi.

O homem que fez o povo chorar de alegria.

Nós estamos construindo um carro que correrá em todas as pistas do mundo
representando o país."

Fico vendo algumas homenagens hoje, inclusive deste Blog, pelo pioneirismo
deles na época, mas ainda é pouco.

Coloquei certa vez um post com números do desempenho e destaquei algumas
figuras importantes da  Fórmula 1 que trabalharam na equipe brasileira.

É só clicar aqui  pra ver.

Acho triste ler o desabafo de Wilson na época e ver que pouco ou nada mudou.

A verdade é que vivemos num país que não valoriza aqueles que tentam construir
algo real, uma base para gerar frutos no futuro.

O imediatismo impera.

Esquecem que a paciência é irmã da sabedoria.

22 comentários:

Anônimo disse...

No meu ver as figuras mais importantes para o automobilismo nacional...

Criaram categorias de base como a Fitti Ve, desenvolveram carros para competir contra carros internacionais renomados.

Deram TUDO para fazer uma equipe nacional.
O Emerson levou o Brasil para um novo patamar no automobilismo internacional.

Fico realmente triste com a falta de reconhecimento do Brasileiro a respeito dos dois irmãos...

Não que o Senna não seja importante, mas não é só ele que fez história!

Eu acho que a história dos Fittipaldi e a Copersucar daria um grande filme.

O Brasileiro é imediatista e não da valor a sua história e cultura.

Parabéns aos Fittipaldi os verdadeiros herois do automobilismo nacional.

Anônimo disse...

Corradi, um pedido fora do post. Não teria o amigo alguma imagem do acidente que ceifou prematuramente a carreria de Helmut Marko, em 1972? A famosa pedrada que vazou a sua viseira e o cegou parcialmente? Grato e parabéns pelo blog!

André Candreva disse...

Corradi, parabéns pelo seu blog... excelente material... tbm já postei sobre a Copersucar. E concordo com vc sobre o pouco mérito que a equipe teve enquanto existiu. Mas para mim é um orgulho muito grande. Lembro-me daqueles anos em Wilsinho, Emerson, Ingo, Brambilla, Rosberg e Serra defenderam as cores do Brasil na F1. Bons tempos.

Gerson Vecchi disse...

Só faltou dizer que têm dois autódromos com o nome do Piquet e nenhum com o nome do Emerson.

Existe alguma explicação lógica do porquê Interlagos se chama José Carlos Pace e não Emerson Fittipaldi? Ou Irmãos Fittipaldi?

Paulo Heidenreich Jr disse...

Eu, apesar de não ter acompanhado tudo isso, tenho um orgulho muito grande desse pioneirismos dos nossos pilotos do passado. Uma vez assisti uma reportagem sobre Emerson, Wilson.. e como brasileiro me senti constrangido pela falta de respeito, ou melhor, de atenção que nós damos a história desses caras.. Foi muita luta, foi muito suor pra levar a bandeira do nosso país aonde eles levaram.. !!!

politicamente_incorreto disse...

André uma correção: não foi Brambilla, foi o Arturo Merzario que pilotou o carro em 1975.
Corradi, sou confundido as vezes como Sennista, mas sou mesmo é brasileiro e sempre torci e sempre torcerei em primeiro plano pelo que é nosso. Mas é que o brasileiro como dizia o Nelson Rodrigues têm alma de vira-latas, vejo metidos a entendidos urrando de alegria quando o Senna sobrinho foi preterido em favor do Heidfeld que considero um verdadeiro agua de salsicha. Mas um sem numero de blogueiros passaram a enxergar qualidades nele que nem a mãe e o pai tinham percebido. O motivo? Alijou mais um brasileiro de cheagar a um cockipt melhor.
O Massa é respeitado no mundo inteiro, só não foi campeão em ultima análise graças a safadeza do Briatore e a incompetência da Ferrari, mas aqui no Brasil é tratado pela maioria esmagadora dos fãs como um merda. Só aqui!!!! Lá fora ele pode ser até questionado ,mas ninguém duvida do seu talento.
Sou contemporâneo do sonho brasileiro dos irmãos "metralha" (carinhoso apelido que o Pace colocou nos dois) e sei o quanto fui motivo de chacota naquela época.... com o pasar dos anos descobri par aminha tristeza que só mudaram as moscas, a merda continua ma mesma......

Ike Nodari 41 disse...

A falta de reconhecimento por tudo o que os irmãos Fittipaldi fizeram pelo automobilismo nacional, principalemte em se tratanto de F1, é um dos mais crimes cometidos por a esmagadora maioria da população brasileira. A imprensa da época não sabia nada de automobilismo (só futebol) tem um papel importantíssimo nessa falta de reconhecimento histórico. Em geral o brasileiro gosta de zoar, e se acha malandro agindo assim. Tenho certeza que um dia eles serão reconhecidos com todos os méritos que são merecedores. Abraços

politicamente_incorreto disse...

Ike, hoje não é muito diferente. os jornalistas são mais especializados mas anacronicamente por causa disso se parecem com prima donnas e por esnobismo, para aparecer ou por pura inveja mesmo fazem o mesmo papel que faziam os contemporâneos dos Fittipaldi.
Os Fittipaldi só passaram a ser elogiados quando já eram passado e não representavam mais "ameaça" para os invejosos e colonizados brasileiros. agoram podem fazer matérias denunciando que os motores cosworth da equipe desenvolviam 50 hp a menos que os congêneres fornecidos para as equipes européias, um abismo em uma época que o motor significava bem mais que hoje, aonde a enfâse é a aerodinâmica. Na época todos sabiam mas se calavam, dava mais iboper falar mal dos empreendedores brasileiros... aonde já se viu brasileiro tentando fazer carro de F-1......
Era guri e cansei de vêr adultos chamando o Rato de bundão mesmo na época da Lotus e Mclaren, diziam que o Moco era melhor, mas não por enaltecer o mesmo e sim porque na época o mesmo dirigia uma carroça da Surtees, quando o Moco passou para a Brabham essas mesmas pessoas passaram a meter o pau nele também...... O que incomoda o brasileiro é o sucesso dos seus pares,.
Dizem que só têm duas coisas que fazem verdadeiramente mal ao medíocre: o fracasso próprio e o sucesso alheio. cai como uma luva para o brasileiro médio......

politicamente_incorreto disse...

P.S. Essa foto só pode ser de Long Beach 1976 nos treinos, aonde o Emerson ficou em sexto e marcou o primeiro ponto da equipe. Acho que saiu em último e o Ingo não se classificou. Na corrida seguinte as "chaminés" foram abolidas dada a regulamentação de altura máxima que passou a vigorar a partir de Jarama. Foi esse carro que corria o papo de bastidores que teria sido projetado pelo Maurice Phillipe. Mais uma maldade com um dos mais respeitados projetistas do mundo que é o Ricardo Divila, outro que sempre foi questionado aqui dentro e endeusado lá fora....

Anônimo disse...

Será que um dia ainda vão enaltecer o trabalho e a luta do Gurgel para fabricar um carro nacional?

Mauro

Francis Henrique Trennepohl disse...

O que já tinha para ser dito já foi, então só posso assinar embaixo das palavras de vocês.
A dívida do Automobilismo Brasileiro com os Fittipaldi é impagávela, assim como com outros personagens importantes que se quer são citados na "grande mídia".
Abraços empoeirados

Anônimo disse...

O Brasileiro não tem memória curta, o que houve sim foi que as empresas de telecomunicações é que fizeram isso com a cooperçucar e com os irmãos Fitipaldi...
Sempre que um deles ou os dois estão no Templo, vejo o povo indo atrás, para um foto um autografo ou um apeto de mãos... Eles sempre atenciosos..quem gosta de automobilismo sabe reconhecer o trabalho que foi fazer aqueles carros, quanto de dinheiro e capacidade de superação foram depositados naquele projeto de carro Brasileiro? Ninguem sabe á não ser eles próprios. E parece que no fundo não se arrependem do que fiseram...
Novamente a eles os meu sinceros agradecimentos, por tudo que já fizeram, e principalmente pelo que continuam fazendo...
E por falar em nomes de autodromos como falaram aqui, gostaria de saber da prefeitura de SP e do Gestor do Autodromo quando vão colocar a placa na reta do autodromo com o nome de "reta Emerson Fitipaldi... Será que vai demorar muito? É muito complicado de fazer essa placa?
Afinal o povo precisa saber disso sempre, tem que ficar para a posteridade sim... É obrigação essa placa estar lá... Êêê numlocval bem visível e bonito.. Faz favor....

Marcão

Tohmé disse...

Tive muita proximidade, pois meu tio presidia a Copersucar na época de Emerson. O curioso é que NINGUÉM que tirava sarro existe mais. Todo mundo admira. Incrível...

Rafael disse...

Só tenho a lamentar, porque é por esse tipo de atitude que o automobilismo vai tão mal no país, se não se respeita dois dos maiores heróis do esporte a motor do Brasil, como se vai respeitar quem tá começando, ou quem ousar tentar fazer o mesmo q eles?

jajao disse...

Os irmãos Fittipaldi estão vivos...

jan crispim disse...

linda foto. qual pista / ano, por favor ?

walter disse...

Sem discordar dos que criticaram, quero aproveitar a bela e rara foto dos dois Copersucar em Long Beach / 1976, para saudar Emerson e Wilson Fittipaldi.
São esportistas.
São empreendedores.
São grandes pilotos.
Souberam se sacrificar por um sonho.
Eles FIZERAM, REALIZARAM. não foi só blá blá blá.
Valeu, Corradi, VALEU EMERSON E WILSON!

David Félix Krapp disse...

Concordo com o Vecchi... pq Jose Carlos Pace ???

Ok, o cara faleceu, mas tipo ele venceu uma corrida na vida e não morreu "heróicamente" em um cockpit, morreu de um acidente de helicóptero...

Já tá mais do que na hora de ter um Autódromo aqui no Brasil com o sobrenome Fittipaldi

Aliás, achei legal o empreendorismo do Wilsinho em criar sua própria equipe, mas honestamente, o Emerson poderia ter esperado mais uma temporada pelo menos para correr em um carro competitivo... imagina, se o Hunt que é um mero driver conseguiu ser campeão com aquela McLaren que o Emerson tinha desenvolvido, imagina a miséria que o Emmo ia fazer... fora a disputa sensacional que seria com o Lauda !!!

De qualquer forma, a equipe Fittipaldi teve algumas boas temporadas e empregou muita gente boa, mas o povo aqui da terrinha não tem paciencia, a imprensa "especializada" também cobrava resultados como se fosse a coisa mais fácil do mundo gerenciar e pilotar uma equipe de F1...

Por isso que o feito do Jack Brabham tem que ser extremamente louvado...

walter disse...

O Pace faleceu num acidente de avião, junto com Marivaldo Fernandes.
Morreu no ano em que liderou o GP Brasil, largou na primeira fila na Africa do Sul e ... morreu.
Foi um grande fera; acho natural a homenagem aos falecidos.
Para o Emerson e Wilson vai sobrar nome de Avenida, Praça, o que pode ser até melhor.
O Autódromo de Brasília foi destruído. O do Rio, foi destruído. O de São Paulo não dura mais cinco anos.
Melhor ter o nome em algo que seja permanente e que não esteja em extinção (como os autódromos).

Ituano Voador disse...

O Pace estava no auge da carreira quando morreu. Venceu sua única corrida na F1 em Interlagos. A homenagem foi mais do que merecida, e quando foi dada, em 1985, a carreira do Emerson ainda estava em pleno vigor.
Abs.

Juanh disse...

Hermosa foto de los FD04, adoro los Copersucar.
Abrazo!

Anônimo disse...

Em relação a nome de autódromo, é proibido dar nome de pessoa viva a qualquer logradouro público, embora vira e mexe tentem. Não sei bem como que foi definido o nome de Nelson Piquet conforme citado.

Cristiano