segunda-feira, 25 de março de 2013

Julgamento
























Cenário.

Parte final da GP da Malásia.

Mark Webber completou sua última parada.

Ao mesmo tempo Sebastian Vettel veio rasgando a reta do circuito.

Valia a liderança.

As duas Red Bulls se encontraram.

* * *

A etapa de ontem da Fórmula 1 foi espetacular.

Jogou luz sobre muitas coisas.

Na Mercedes ficou bem claro que Ross Brawn não sabe lidar com o equilíbrio.

A maioria absoluta subestima Nico Rosberg.

Um erro.

Lewis Hamilton percebeu que seu companheiro é astuto.

Fritou Michael Schumacher e se bobear vai complicar a vida dele também.

A equipe rachou.

Toto Wolff não gostou da proteção dada a Lewis e tomou as dores de Rosberg.

Nicou lucrou muito com a história.

Ganhou créditos.

Hamilton levou mais pontos.

Porém a carga de pressão sobre sua cabeça aumentou.

Imprevisível saber como vai reagir.

Imprevísivel...

Esse Rosberg sabe bater no ponto fraco.

* * *

Colado atrás de Webber, Vettel partiu para o ataque.

A sequência de manobras dos dois foi espetacular.

Todos os que acompanhavam a prova estavam sorrindo.

Sabiam que estavam presenciando um momento único.

* * *

A Lotus foi apenas uma coadjuvante.

Muitos esperavam uma performance superior.

Grosjean foi melhor que Raikkonen.

O carro é bom.

Mas fica a pergunta.

Será que precisará contar sempre com os erros de estratégias das outras
 equipes para vencer?

* *  *

Superior, Vettel ultrapassou seu companheiro.

O australiano fez então um sinal ofensivo.

* * *

Jules Bianchi continua sobrando na turma do fundo.

A Ferrari deve estar sorrindo.

* * *

Algo estava errado na Red Bull.

O alemão não poderia ter feito o que fez.

* * *

Com tantas brigas internas na Fórmula 1 o nome de Felipe Massa sobe
nas cotações.

O cordato piloto brasileiro se mostra um segundo piloto ideal.

Coisa rara no mercado.

Penso que será assediado para que mude de casa em 2014.

* * *

Sebastian Vettel alterou o acordo.

Foi desleal.

Alguns lembraram que poderia estar se aproximando de Michael Schumacher.

Da cultura de que o que importa é vencer.

Não importa a maneira.

Ele é muito novo.

Acabou sendo consumido pela possibilidade da vitória.

Errou.

Mesmo que seu companheiro nunca o tenha ajudado em nada.

Não poderia ter rompido o acerto.

Se alguém quiser condenar, OK.

Está com a razão.

Certo.

Mas atire a primeira pedra aquele que, faltando pouco mais de dez voltas para o final,
não atacaria Mark Webber...





























31 comentários:

Lauro disse...

Corradi,

A cultura estabelecida de que os carros de mesma equipe não podem duelar para preservar pontos da própria escuderia ou privilegiar um dos pilotos é, realmente, nocivo ao esporte. Ainda que pesem interesses que nem sabemos, e o respeito para com as decisões acertadas entre cavalheiros, é totalmente fora de propósito.
As imagens de Ímola 1989 são emblemáticas, mas de um tempo em que o rompimento do acordo trazia rivalidade, e não desculpas como ocorreu ontem.
Vettel é mais piloto que Webber. Vettel não precisava da vitória ontem assim como nunca vai precisar de Webber para ajudá-lo, mas eu não queria ter alguém como Webber para atrapalhar, porque aí a situação é bem diferente, até porque ele não é nada mal para um segundo piloto.
O desenrolar vai ser interessante de observar.
Um abraço!

Jaime Boueri disse...

Achei a atitude de Vettel desleal. Se já não gostava do sujeito, agora então... Mas, é sempre complicado falar sobre jogo de equipe, né?!

Escrevi sobre isso lá no Blog.
http://blogdoboueri.blogspot.com.br/2013/03/la-no-vale-kelang-2.html

João Paulo disse...

Ontem tive pena de Webber: A verdade doí! Mark pode ter se enganado todos esses anos mas parece que agora está claro pra ele que o título mundial nunca vai ser alcançado com Vettel ao seu lado na Red Bull...

Marcos Antônio Filho disse...

"Mas atire a primeira pedra aquele que, faltando pouco mais de dez voltas para o final,
não atacaria Mark Webber..."

hahaha perfeito!

Tb acho que o Massa se valoriza como segundo piloto, talvez a Red Bull esteja vendo isso até...

Anônimo disse...

Esse papo já deu, o menino passou mesmo o canguru, que o sacaneou a vida inteira, ele é tri-campeão, ganhou a primeira corrida com uma Minardi, digo, STR, em Monza, não tem que se desculpar coisa nenhuma tem mais é que dizer sou tri-campeão e fim de papo e passei no braço e não no box, como Senna fez e acabou. O resto é nhem nhem nhem e chorumelas !!!

Paulo Heidenreich Jr disse...

Viva a guerra dentro da F1. Um circo movido a dinheiro tem que ter a discórdia como combustível. Nesse mundo, não existe o politicamente correto, existe só vencedores e perdedores.

Ron Groo disse...

E na Mercedes já se cogita mandar Ross embora.
Ninguém lá gostou dele reeditar os piores momentos da Ferrari no time alemão.

Paulão disse...

Se Vettel não pretendia cumprir o acordo devia ter informado a equipe e esperado que Webber fosse informado. Teríamos uma disputa limpa.
Penso o mesmo com relação ao Senna.

Mr. K disse...

Não concordo com o que o Vettel fez, mas compreendo é que o Alonso fez 0 (zero) pontos, e como nas epocas passadas todas as migalhas contam...

Anônimo disse...

Genial a ilustração que o Ron Groo postou:
http://blogdogroo.blogspot.com.br/2013/03/f1-2013-malasia-deixem-as-criancas_24.html

Abraços..
Oswaldo R.

Anônimo disse...

ótima análise Corradi, muito sensato, como de costume, sobre assunto controverso; de minha parte não consigo realizar julgamentos de atitude de atletas em competição, e meu modo de ver neste caso está para o que bem escreveu o Heidenreich.
---------------------------------
cara, e a foto do Senna se 'explicando' ao francês no pitlane em Imola é antológica - excelente.

Fernando

Anônimo disse...

Perfeito, nada além de perfeito...
Só abrindo um parêntese dos comentários no post da fábula e muito bem dito no texto, Sebastian é novo, é moleque. Um maravilhoso moleque diga-se de passagem, a experiência é grande pra alguém da sua idade, mas é pequena em relação em relação aos pilotos do passado em grandes feitos de honestidade, eram todos uns 10 anos mais velhos. Já tinham vivido muita coisa, além de que na época o esporte era muito menos individualista.

É muito fácil julgá-lo e chamar de moleque mimado... E ele deu o direito de chamá-lo assim, fazer o que?

Mas ali tá um moleque demais que erra como qualquer outro.

Pedro Alves

Marques disse...

O Vettel foi sacana, pronto. Atacou alguém que não esperava por isso, simples. Eu não concordo mas não condeno, tantos outros fizeram isso. Agora a história do Rosberg é ridícula. De fato o alemão é inteligentíssimo. Quando tinha carro não conseguiu passar, pois levou o troco duas vezes, e depois ao invés de atacar fala ao rádio que o companheiro estava devagar e não deixava ele passar. Fosse pra cima e passasse então. Ficou resmungando no rádio pq levou um não. Se tivesse passado não teria acontecido nada disso, agora fica se aproveitando da situação para aumentar o valor do seu passe. E todo mundo vai na onda.

Anônimo disse...

Primeiro o caso mais fácil, ou menos difícil... Hamilton x Rosberg.

Hamilton, depois da corrida, afirmou (inclusive no pódio) que Rosberg deveria ter ficado com a 3a colocação. Ora, se ele sabia disso, por que não fez um sinal ao companheiro abrindo passagem e terminando o GP na 4a colocação?

Por outro lado, Rosberg percebendo-se mais rápido que Hamilton poderia ter sinalizado ao inglês e/ou simplesmente passado...

Hamilton seguia instruções dos boxes para economizar combustível, por isso Ross Brawn achouu que seria injusto a ultrapassagem de Rosberg em tais circunstâncias...

Que coisinha mais ridícula!! Se Hamilton precisou mudar o ritmo de corrida para salvar combustível, nada mais correto - e justo - que Rosberg ultrapassar o inglês, uma vez que soube administrar melhor o equipamento...

Mas, os pilotos estão por demais dependentes do pit wall!! Ultrapassar um companheiro de equipe é quase uma ofensa indesculpável e só é possível se houver um "sim" do pit wall...

Piloto tem que conhecer o equipamento, saber usá-lo e, se necessário, ultrapassar quem quer que esteja à sua frente!

Sou da opinião que a comunicação por rádio nas corridas deveria ser apenas entre a direção de prova e os pilotos e apenas nesse sentido (ou seja, os pilotos apenas ouviriam).


O caso 'Webber x Vettel', é similar. Webber estava em regime diferente do que podia sustentar por orientação da equipe, para poupar o equipamento. Vettel, fazendo o "papel de Rosberg" percebeu que estava mais rápido e ultrapassou ... mas... fez isso depois de orientado "criptograficamente" a não fazê-lo... e sabe-se lá mais que tipo de "acordo" tinham...

Para mim os 4 estão errados... talvez o menos errado seja Webber e o mais errado seja Vettel...

O resultado é que tivemos um pódio ainda mais constrangido (ou constrangedor) que aquele da Áustria-2002... e eu pensei que não veria algo assim novamente...


um abraço,
Renato Breder

PS: e olha que eu não sou contra ordens de equipe!!

Lucas disse...

Vettel fez mais pontos numa Toro Rosso do que Webber numa Red Bull. Sem falar na vitória magistral em Monza. A Red Bull só começou a ganhar corridas em 2009, lembrando que Newey foi pra lá em 2006. Sabem quem foi pra lá em 2009? Pois é. Vettel ganhou 3 campeonatos pros latinhas e Webber sequer foi vice em algum desses títulos, apesar da superioridade do carro em alguns anos. Agora que ele vai se esbaldar mesmo, afinal, nunca vi (já sim, na verdade) um piloto gostar tanto de se fazer de coitado como o australiano. Ainda bem que parou de escrever naquele jornal inglês. Era cada ladainha. Não sou fã de Vettel, por outro lado, simplesmente não engulo Webber.

Anônimo disse...

Ops! Em tempo...

Lembrando do episódio de Ímola 1989, mostrado nas fotos do post...

Prost e Senna tinham um acordo de um não atacar o outro na primeira volta (acho que era isso tudo mesmo) do GP.

Senna, o pole position, larga bem e mantém a liderança. Prost escolta o companheiro e mesmo quando Senna dá uma fritada nos pneus - na entrada da Tosa - não tenta ultrapassá-lo.

Pois bem, lá pela 3a volta, Gerhard Berger estampa sua Ferrari no muro externo da curva Tamburello, e fica desacordado no carro, que começa a pegar fogo... 26 segundos depois o fogo já está apagado...

Atendimento ao piloto, corrida interrompida e nova largada...

Dessa vez, Prost larga melhor e Senna vem babando atrás do francês. Acontece então a ultrapassagem de Senna em cima de Prost na tomada para a curva Tosa...

Para Prost, Senna violou o acordo entre eles porque foi atacado na primeira volta após uma largada...

Para Senna, o GP já estava em sua 4a volta e, portanto, a validade do acordo para aquele GP há tinha "caducado"...

Prost foi "ingênuo" ou Senna foi "esperto"??


E, Fernando, a foto de Senna e Prost conversando na pista ao lado do carro foi tomada após a interrupção para o atendimento a Berger, portanto "a" ultrapassagem ainda não havia acontecido...


Eu tenho tanto em VHS (1989 a 1991)) como em DVD (1988, 1990 e 1991) o 'review' das temporadas, pela '4 Rodas', narração de Reginaldo Leme... fui lá e conferi todo o episódio novamente...

outro abraço,
Renato Breder

Mansur. disse...

E se fosse com o Massa? Aí seria ruim... sacanagem com Massa e bla bla bla. Ordem é pra ser cumprida, os interesses da organização são maiores do que a vontade de seus colaboradores. Vettel agiu errado, na minha opinião.

Edson Framil disse...

no meu entendimento Senna e Prost não é um exemplo correto de desrespeito de ordens de equipe... pelo que li até hoje sobre o caso foi um acordo firmado entre os dois e comunicado a equipe ao invés do contrário

já o caso Jones x Reutemann me parece ser mais semelhante ao imbroglio Red Bull ao ter sido reeditado neste fim de semana passado, mas com posições invertidas no caso

como sempre seu blog continua sendo fonte diária de informação e cultura geral sobre nosso esporte preferido

obrigado Corradi

DIOGO OLIVEIRA disse...

Também gostei da fotos do post. Mormente aquela do pit lane. Confesso que nunca a tinha visto. Muito legal. Com relação à briga dos caras da Red Bull, transcrevo, agora, um trecho do post "Quebrando Regras", de "quarta feira, 4 de julho de 2012", publicado por ti em seu blog, quando naquele você falava da briga Senna x Prost: "O nível subiu. O público percebeu.
E gostou do que estava vendo."
É bem isso o que está voltando a acontecer na F-1; de modo tímido, mas, finalmente, parece, que estamos vendo o lado "insípido" dos Grandes Premios ficar para trás. E com isso, nós, apenas agradecemos!

Jobson disse...

O Rosberg levou o troco duas vezes, pois quando ele passava o Lewis na reta oposta, na reta seguinte, a dos boxes, era Lewis que tinha o direito de usar a asa móvel, por isso conseguia recuperar a posição, nesse momento os carros da Mercedes tinham o mesmo rendimento. Depois perceberam que naquele ritmo, Lewis Hamilton não terminaria a corrida, pois ficaria sem combustível. Por isso Rosberg questionou no rádio que Lewis estava mais lento.

Concordo com você Corradi, Rosberg já sabe já sabe onde bater no "novo" companheiro.

Lewis é rápido, mas não é infalível. Assim como Button fez na McLaren, Rosberg fará o mesmo na Mercedes.

DIOGO OLIVEIRA disse...

E mais, vale dizer que a ultrapassagem de Senna na segunda largada do GP de San Marino de 1989 é uma das melhores dele, pega o vácuo e vai por fora até o fim da Villeneuve. Outra ultrapassagem parecida, é a feita por Senna no GP da Bélgica de 1988: um "vácuo doido", logo após a primeira curva (grampo) que antecede a Agua Vermelha, em Spa. Vale a pena conferir no Youtube.

Anônimo disse...

Corrida se vence na PISTA, e ponto final!

Mauro Santana
Curitiba-PR

harerton disse...

Piquet ganhou de Mansell na Alemanha, em 1986, ao parar nos boxes para trocar pneus... quando a equipe esperava Mansell! A imagem de Patrick Head quase arrancando os cabelos ao lado do carro de Piquet enquanto os pneus eram trocados é inesquecível...

E todos batemos palmas...

[ ]'s

David Félix disse...

Corradi to com voce cara...

O Webber é um zero a esquerda na equipe... eu tb teria ido pra cima... acordo...???

A F1 é esporte e só tem um vencedor no final da temporada e COM CERTEZA ABSOLUTA não será Webber...

Sou Sennista ou viúva como dizem alguns idiotas e sei que o Senna teria feito a MESMA COISA !!! Assim como o Piquet...

No próprio documentário do cara ele deixa bem claro pro Jackie Stewart... "... we are here to compete, and compete to win..."

To falando isso do Senna pq tem muita gente com devaneios falando que ele jamais faria isso e eu digo com todas as letras... FARIA SIM

Isso é um mimimi do Webber e ele de cara emburrada tá querendo colocar a culpa na equipe por que ela deu a ordemd e baixar rotações, na minha modesta opinião a ordem só veio por que o motor estava em risco, ele ficou puto de verdade por que achou que o Vettel sabendo disso ia deixar ele ganhar uma e o alemãozinho foi lá e deu um passão nele...

na Turquia em 2010 o canastrão do Webber colocou os dois pra fora por orgulho de não querer deixar um mulecote passar ele e deve te tomado carcada na época e isso deve tá engasgado desde então, junto com os tres títulos mundiais do mulecote que hoje é o dono da equipe e o melhor piloto da F1...

Conselho Webber, voce é ruim pacas cara, em tres temporadas com o melhor carro da F1 nem vice voce conseguiu ser ainda, faz sua malinha e volta pra Canguruland, vai lá correr de Holden na Super V8, esquece F1, não é pra vc...

Anônimo disse...

Vettel, Senna e Prost são como aquele sujeito que se senta na poltrona ao lado no avião e, quando você levanta o braço para ligar a luz de leitura, na volta o braço do cidadão já está no apoio...

Carlos Henrique

DIOGO OLIVEIRA disse...

O Renato Breder tem razão. Vi no meu DVD da prova aqui. As explicações não são pós prova, mas sim pré ultrapassagem. Parabéns, pela observação.

Anônimo disse...

Besteira, isso da F-1, tem que deixar o pau cantar, e ponto final, a única injustiça é que o Weber baixou as rotações do motor, então nesse caso o vettel foi desleal, os 2 carros teriam que ter igualdade de condições! Se fosse eu o Rosberg tinha passado o Hamilton e mandado ele de volta pra mclaren - Saudade dos anos 90, que só vi por DVD.....

Anônimo disse...

Primeiro: não deveria existir tais acordos. Melhor, serem proibidos. Automobilismo é disputa.

Segundo: Vettel respeita tudo que o beneficia. Tivesse Webber quebrado o acordo, e não ele, estaria até agora chorando no ouvindo da Red Bull. "pimenta nos olhos do outros é refresco".

Terceiro: Mesmo assim, Webber é um chato. Mas, isso não muda nada.
Por outro lado, diz que vai repensar a carreira. Repensar o quê, se seus dias de aposentadoria estão próximos!?

Quatro: Rosberg por ser alemão, naturalmente encontra apoio dentro do time. Desconfio que role um certo bairrismo por lá. Por outro lado, é legal ver o Ross tomando um puxão de orelhas. Como é legal ver a postura de Hamilton, deixando claro não haver desigualdade.

Quinto: Bianchi, Sutil e Hulkemberg são pilotos com grandes chances de vagas melhores no futuro. São ótimos.

Sexto e último: Kubica bem próximo de retornar a F1. Maravilha!!!

Rodrigo Vilela disse...

Vou na contramão disso: esses acordos de equipe são uma porcaria.

Piquet e Mansell não precisaram disso em 1987, nem Hill e Villeneuve em 1996.

O Webber é fraco demais e isso foi evidenciado na corrida!

Abraço!!

André disse...

Eu atacaria. Mas não fingiria o contrário antes.

O problema aqui não foi atacar. Foi "mentir".

joaoleopires disse...

hahahah...muito boa a foto de Senna e Prost depois da corrida "conversando"...mais uma foto do que foi na minha humilde opinião, a maior rivalidade já vista na F1!