segunda-feira, 23 de maio de 2016

Notinhas de Segunda
























Boatos.

Eles sempre aparecem aqui e ali.

Lewis Hamilton seria substituído por Pascal Wehrlein em Mônaco.

De onde sairia uma coisa dessa?

De uma sucessão de fatos.

Primeiro foi o choque entre Rosberg e Hamilton em Barcelona.

Segundo foi a recusa do piloto inglês em participar dos testes na Espanha.

Terceiro foi a declaração de Wehrlein sobre estar pronto para assumir o cockpit
da Mercedes.

Quarto foi uma história sobre um confusão envolvendo Hamilton em Cannes.

A Mercedes tratou tudo como uma imensa bobagem.

E Lewis publicou uma foto se exercitando em uma bicicleta.

Para selar a paz, o time alemão quer demonstrar força no principado.

Outro enrosco entre seus pilotos está fora de questão.

Pelo o que eu entendi, Daniil Kvyat não vai ficar na família Red Bull em 2017.

Entretanto poderemos ver seus talentos servindo outra escuderia do grid.

Rio Haryanto admitiu não ter ainda os recursos para completar a atual temporada.

Dos 18 milhões de euros necessários para correr na Manor, falta algo em torno
de 5 a 6 milhões para o piloto indonésio fechar a conta.

Interessante.

Nelsinho Piquet Jr. havia pedido para participar da etapa de Pau (França) da F3
europeia.

A FIA vetou a ideia através de Stefano Domenicali (presidente da comissão).

Por  ir contra o princípio de um campeonato para jovens pilotos.

Já o irmão dele (Pedro) escapou ileso de um acidente feio (na mesma categoria)
neste final de semana.

Por fim.

A McLaren vai continuar a arriscar.

Aproveitando que Sauber, Haas, Toro Rosso e Williams estarão deixando de lado a
atual temporada para pensar e investir em 2017.

Ron Dennis abrirá os cofres para que sua equipe tenha o melhor desempenho possível
neste ano.

Claro.

Existe um trabalho sendo feito para o ano que vem.

Porém o investimento pesado no presente vai permanecer.

As razões para tal estratégia?

Impressionar e atrair novos patrocinadores.

E colocar seus pilotos campeões brigando por posições melhores nas provas.

Falei em arriscar.

Porque a turma de Woking repete algo que não deu certo num passado recente.

(contra a Red Bull no início desta década)

E ainda amarga perdas por tal escolha.

Mas a teimosia faz parte do cérebro da McLaren.



















10 comentários:

João Oliveira disse...

"Teimosia", tu queres dizer "Ron Denis"?? hehehehehe

Qual foi a confusão de Hamilton em Canes??

Ron Groo disse...

eu ia adorar ver este rolo do lewis com o pascal em Mônaco... ia dar uma graça neste equipe tão xoxa que é a mercedes.

Renato Santos disse...

Sou de cortiça. Fiquei boiando no que foi que a McLaren fez contra a Red Bull.

Humberto Corradi disse...

Renato Santos

Apesar da grande vantagem da Red Bull em 2011, a McLaren (ao contrário das outras equipes)resolveu continuar investindo naquela temporada.

Conseguiu o vice-campeonato, mas o atraso no desenvolvimento para os anos seguintes cobrou seu preço.

Valeu

Jeferson Araujo Pereira disse...

Lewis Hamilton seria substituído por Pascal Wehrlein em Mônaco.

Estamos no mês de maio, mas já dá para adiantar, com 200% de certeza, que será difícil surgir um boato tão ridículo, tão absurdo, tão surrealista como este nos próximos 7 meses de 2016.

rodolfo marques disse...

e essa historia nelson piquet na f3, 0 que ta por tras disso

Marcos José disse...

Surgiu uma noticia de que a Red Bull poderá recuperar o antigo traçado do circuito Osterreichring num futuro próximo para ser utilizado pela F1!! Será que a McLaren está "de olho" nos dólares de uma certa cervejaria holandesa (Heineken) que começará a patrocinar a F1; a partir do GP do Canadá (dizem que neste acordo com a F1, o valor do contrato com a Heineken também visa um patrocínio-master para uma equipe na categoria)?? Então provavelmente Rio Haryanto não terminará a temporada pela Manor (e Alexander Rossi poderá ter uma chance por causa disto). Depois de Las Vegas, agora surgiu um novo projeto de um GP em Barbados...

Daniel Chagas disse...

O único fator que faz Kvyat aturar a permanecer na Toro Rosso é a tentativa de salvar a carreira nesse período em que ficar na equipe satélite da Red Bull.Eu vejo um quê de humilhação nesse "rebaixamento" do piloto russo, e só mesmo essa tentativa de permanecer na F1 em 2017 para justificar essa tolerância de Kvyat. O piloto está sendo obrigado a ter sangue de barata para lidar com a situação atual; se tivesse outra opção na manga aposto que pediria demissão na hora.

Eduardo Sacramento disse...

Corradi,

Mas a McLaren veio forte em 2012, tanto que só não digo que no final da temporada tinha o melhor carro devido às quebras, que a fez ficar em terceiro lugar no Mundial de Construtores.

Renato Santos disse...

Brigadão, Corradi!