segunda-feira, 27 de junho de 2016

Clipping


























Os pedais.

Há uma certa empolgação na Holanda por conta de Max Verstappen.

Quando isso acontece (surgimento de uma estrela) a imprensa local (normalmente)
fica faminta por notícias.

Então.

Dito isso, há uma história circulando sobre o Circuito de Assen abrigar a Fórmula 1
no futuro.

A pista recebeu investimentos nos últimos anos e conta com boa estrutura no seu
entorno.

Saiba que a vocação do lugar é o motociclismo.

Mas é preciso lembrar que o autódromo já recebeu provas da falecida Superleague,
da Fórmula Renault e a da Fórmula 3 alemã.

É necessário dinheiro para executar as adaptações necessárias para se receber um GP.

Com as novas regras de 2017, a Red Bull tende a dar um salto de competitividade
já que foi ela a maior defensora das mudanças.

E, claro, um título de Verstappen facilitaria muito a obtenção de recursos para a
empreitada.

Vamos acompanhar.

Bernie Ecclestone apresentou a ideia de uma divisão mais justa na premiação entre
as equipes.

A proposta é diminuir as diferenças e equilibrar o jogo.

Como ficaria?

A Ferrari hoje recebe algo em torno de 110 milhões de dólares pelo atual Acordo
de Concorde.

Esse valor cairia para cerca de 95 milhões de dólares.

A diferença real se daria na vida das menores escuderias do grid.

Seguindo o pensamento de Bernie, a Manor, por exemplo, iria colocar as mãos
em um valor aproximado de 75 milhões de dólares por ano.

O que garantiria o orçamento do time para uma temporada inteira.

Ouviu boatos sobre Sergio Perez e a Ferrari?

Na imprensa espanhola alguns chegaram a cravar que o piloto mexicano estará
no lugar de Kimi Raikkonen em 2017.

Qual a história?

Perez fez uma proposta real para a Scuderia Italiana.

Pagar pelo cockpit vermelho (dinheiro do bilionário Carlos Slim).

O valor do cheque chega dezenas de milhões de dólares.

(fora a multa contratual com a Force India que precisa ser resolvida)

Um fato novo, com certeza.

Quem decide a questão é o presidente Sergio Marchionne.

Antes de julgar a questão do dinheiro, vale dar uma olhada nas recentes palavras
de Vettel.

(que, segundo o Tordo, é adorado por Marchionne)

"Sou grato às pessoas que têm apoiado minha carreira.

Como o apoio que recebi da Red Bull e da BMW, que me permitiu fazer minha
estréia.

Isso é muito importante.

Se você está sozinho, e não possui apoiadores, fica muito difícil chegar a um nível
elevado de competição."

Outra do pequeno pássaro italiano.

Em Maranello muitos novos contratos foram assinados nos últimos meses.

A Ferrari vem na surdina cooptando técnicos e engenheiros para reforçar suas
fileiras.

Por fim.

A saída do Reino Unido da União Europeia deve afetar para baixo os salários
daqueles que recebem em Libras.

Fernando Alonso é um deles.

















6 comentários:

Jeferson Araújo Pereira disse...

Seria uma boa se Perez estiver na Ferrari em 2017.

Aliás, o desânimo do Raikkonen é tão evidente: qualquer piloto que a Ferrari escolher será muito bem vindo.

Continuar insistindo com o Kimi é burrice.

Button também é outro que precisa passar no Recursos Humanos e assinar o formulário de aposentadoria.

Al Unser Jr. disse...

F1 em Assen, até que dá... mas é meio sem graça, muito plano.

https://www.youtube.com/watch?v=2evmILBMbCk

Renato Santos disse...

Corradi,lembrei que alguns pilotos usam um curso de centímetros para os pedais. Há um tempo, se falava em 1,8 cm. Existe um ranking de quem usa o mais curto?

juniorcaixote disse...

Nooooossa, SÓ 1,8 cm de curso??!!!

Társio disse...

É aquela coisa. Desde 2010 a Ferrari vem se reforçando, agregando os melhores profissionais e cada ano é uma desculpa diferente. Um ano é o chassi muito agressivo, no seguinte o chassi muito conservador, no outro ano a culpa é do Massa, depois é o motor que não presta e este ano eles "tem um ótimo carro, mas não conseguiram ainda extrair o melhor dele".

E assim a Ferrari caminha para mais uma revisão do regulamento (2009, 2014, 2017) sem conseguir desenvolver um carro campeão. Ano que vem já se completam 10 anos sem titulos...

Piloto nunca faltou fosse com Alonso ou Vettel.

E por último sempre fui torcedor do Kimi, mas prá ele não dá mais. Ele deveria ter encerrado sua carreira na Lotus em 2013. A F1 acabou pra ele, e parece que só a Ferrari não percebe.

Abç
Társio

politicamente_incorreto disse...

Concordo, o Haikkonen é um Felipe Massa bem mais caro e com desempenho até mais sofrível, se era para ficar com um guarda costas o Massa era melhor......