quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Auditoria







































Não poderia deixar passar em branco o fato da Audi abandonar as provas
do World Endurance Championship.

Ainda mais porque a marca colecionou muitas vitórias na categoria.

Entendi a decisão da Volkswagen.

Não fazia sentido mesmo manter a Porsche e a Audi brigando entre si
com tecnologias de motorização diferentes, sendo que a diesel (Audi)
não apontava para o futuro.

Assim a Audi se move de vez para a Fórmula E.

Tenho muita simpatia pelas maratonas automobilísticas.

Quem acompanha o Blog desde sempre sabe disso.

Mas o WEC não casa com a mídia.

O formato não cabe.

Tanto que é praticamente impossível encontrarmos um jornalista que faz
todas as provas do calendário in loco.

Economicamente não é viável.

Quer um exemplo?

Mark Webber foi campeão em 2015.

Não havia uma alma da imprensa australiana presente para registrar o fato.

Outro?

As marcas pagam caro para divulgar que venceram.

Acredite.

A mídia aparece quando um piloto da Fórmula 1 anuncia que irá participar
de alguma prova.

Pergunta.

Quem ganhou mais com conquista de Hulkenberg nas 24 horas de Le Mans?

Nico ou a WEC?

É chato dizer coisas assim de algo tão legal.

Mas penso que a Audi não perde (ou ganha) nada levando sua força para os
carros elétricos.

Fica do mesmo tamanho.

Quer mídia, exposição de verdade e ver sua marca brilhar?

O caminho ainda é a Fórmula 1.

Os números da categoria máxima do automobilismo fazem as outras
parecerem amadoras.

Mais.

Com a Liberty (nova proprietária) e os planos de invadir a América, me
parece que esse reinado ainda está bem longe de acabar.

Pior para as outras.

6 comentários:

dvdbraz disse...

Acho que tem salvação para o interessantíssimo WEC! Com exceção das 24 horas de Le mans, as outras provas poderiam ser divididas nos dois dias do final de semana assim:
1- pela manhã (sábado) tomada de tempo para o grid de 01:00hora (começando as 08:00 am)
2- corrida - começará as 15:00 terminando as 18:00 hs (tendo duração máxima de 03:00 horas)
3- pela manhã (domingo) tomada de tempo para o grid de 01:00hora (começando as 08:00 am)
4- corrida - começará as 14:00 terminando as 17:00 hs (tendo duração máxima de 03:00 horas)

obs.: os ingressos valerão para os dois dias e com direito a conhecer os boxes e os pilotos antes das corridas.

Marcos José disse...

Minha opinião é de que a Audi só perderá dinheiro neste seu envolvimento com a F-E (e está história de que a Alemanha só "permitirá" carros elétricos a partir de 2030 me pareceu ser muita "suspeita" e bem "estranha" no momento)...mas a decisão é do Grupo VW!! Mobil saindo da McLaren e chegando na Red Bull em 2017...e a BP (com a Castrol) substituíndo a Mobil na McLaren...e por falar em McLaren...surgiu um novo boato dizendo que o Ron Dennis "poderá" ser "aposentar" ("dizem" que é mais por pressão dos sócios majoritários que não querem mais Ron Dennis na presidência do Grupo McLaren) ao final de 2016 e que será substituído por Zak Brown na direção da equipe pra 2017!! A Malásia "saindo" ("vai dar um tempo da F1"...ou será que a promoção da prova malaia também está envolvida num caso muito "estranho" de fraude e lavagem de dinheiro que surgiu nestes últimos meses na Malásia...) em 2018 para a "chegada" do GP do Vietnã (a pedido da Heineken) pra 2019??

Pedro Teixeira disse...

Olha...as provas são chatas...um samba do crioulo doido...carros muito distintos em desempenho na pista...e poucas disputas porque os caras querem poupar o equipamento pra chegar ao final.

Társio disse...

É uma pena a saída da Audi do WEC.

Consegui ver as 3 etapas de Interlagos, e os carros são fantásticos. Tem um arrasto enorme, voam nas curvas e o R18 é completamente silencioso. Assistindo a corrida da grade na entrada do S (fim da reta) você só ouve o ruído do deslocamento do vento. Tipo um carro fantasma. É sensacional!

Mas infelizmente faz sentido a saída. E não acredito num investimento na F1 tão cedo. Após o escândalo das trapaças do grupo Volkswagen com a emissão de poluentes, não faz o menor sentido continuar investindo em tecnologia a diesel (que é a base da Audi no WEC). Para começar um projeto do zero, dispensando o diesel, o grupo já tem a Porsche. O Grupo VW vai precisar ralar 10 anos para recuperar a credibilidade.

E é uma pena para o brasileiro Lucas Di Grassi, que era um dos melhores pilotos da Audi no WEC. A Formula E é legal, mas não se compara.

E para o WEC é péssimo. Irá enfraquecer a categoria. A categoria ficará com a classe LMP1 somente Toyota e Porsche. O ideal seria "nivelar" as regras entre LPM1 e LMP2 para aproximar o nível entre os carros e virar uma competição fábricas X garagens numa mesma classe como já ocorreu em outrora.

Abç
Társio

Celso disse...

Corradi, você poderia trazer alguns números comparativos entre WEC e F1?

Luís Vieira disse...

A F1 vive sonhando com o grupo VW, todo ano novas especulações aparecem. Se a Audi realmente saiu do WEC por questões financeiras é bastante improvável que procure ingressar na F1, não? Pra mim parece que o caminho da F-E faz mais sentido, com custos sob controle e a associação da imagem com a tecnologia "do futuro".