segunda-feira, 5 de junho de 2017

Clipping


















































As duas McLarens.

Melhorando.

Aos poucos.

Honda

Más notícias.

A terceira versão da unidade de força da Honda não será vista no Canadá.

O conceito original tinha a ideia de apresentar um motor mais leve e com alta
eficiência térmica.

Os japoneses conseguiram entregar uma unidade que não pesa tanto e ajuda
na construção aerodinâmica do carro.

Porém a coisa ainda padece na hora de mostrar potência.

Os problemas de vibração foram praticamente resolvidos com alterações tanto
no hardware quanto nos softwares dos carros.

Cada um vem fazendo sua parte.

A British Petroleum (Castrol) já fez duas alterações na mistura do combustível.

Uma na primeira etapa do campeonato e outra quando a Fórmula 1 retornou
para a Europa.

A segunda versão da unidade de força foi incorporada de forma plena na
corrida de Barcelona.

Um novo software melhorado para o mapeamento do motor e outras modificações
que trouxeram finalmente um ganho de potência para Stoffel Vandoorne e Fernando
Alonso.

Na terceira versão se espera que desapareça de vez os problemas que trazem
vibração.

Fornecedores também deverão ser trocados.

Exemplo.

Sai a Magneti Marelli e entra a Bosch nos injetores.

Espera-se que na nova versão haja um aumento na eficiência térmica e assim,
consequentemente, uma redução no consumo.

A McLaren aponta a causa no atraso no desenvolvimento: a cultura da Honda
de não aceitar ajuda externa.

Só que até isso vem mudando.

A Ricardo (empresa britânica que já trabalha com a McLaren) foi quem deu
a soluções de software para a Honda que trouxeram um melhor desempenho
para Vandoorne em Mônaco.

A compra das unidades de recuperação de energia da Mercedes parece ter
sido descartada.

Além da resistência dos japoneses, a Force India foi contrária a ideia da marca
alemã ajudar uma rival direta que pode entrar no bolo do meio da tabela.

Entretanto Mario Illien já está trabalhando para que o MGU-K e o MGU-H
tenham pelo menos mais durabilidade.

Tenso.

Pra você entender, o MGU-H (que recupera a energia térmica) original da
Honda não aguenta duas provas seguidas.

Existem conversas com a austríaca AVL também, devido sua experiência nos
testes com motores.

Para não passar em branco, Masashi Yamamoto, diretor da divisão de Motorsport
da Honda, esclareceu que somente a McLaren continuará desenvolvendo a parte
de motorização com a Honda.

Aquela construção conjunta chassi-unidade de força.

Falando de 2018.

A Sauber ficará mesmo como uma equipe cliente.

Inclusive a escuderia suíça receberá as atualizações com atraso (que beleza!).

Yamamoto ainda confirma que dobrará o número de empregados na sede de
Milton Keynes da Honda para a próxima temporada.

Kubica & F1

Robert Kubica irá testar em Valência com um Fórmula 1.

O polonês não entra num bólido da categoria máxima do automobilismo desde
o seu acidente.

Ele rodará com um Renault de 2012 (antiga Lotus).

O russo Sergey Sirotkin também estará presente.

Segredo do Sucesso

Interessante.

Outro dia destaquei o empenho de Vettel para entender os pneus que estão
sendo usados em 2017.

Nos testes (de 2016) dos compostos que a Pirelli vem utilizando nesta temporada
foi permitido que as equipes alterassem seus carros para ter uma noção do
downforce produzido.

Estamos falando de aumento de asas dianteiras e traseiras para se entender
o efeito sobre as novas regras.

Acredite.

Enquanto Mercedes e Red Bull fizeram um trabalho incompreensível adotando
elementos que nem seriam permitidos em 2017, a Ferrari fez uma obra perfeita.

E tudo nas medidas exatas do novo regulamento.

Claro que as concorrentes também retiraram frutos dos experimentos, mas a
Scuderia Italiana de forma clara saiu na frente.

Sem contar o desinteresse de suas estrelas principais.

Enquanto pilotos reservas passeavam, a Ferrari tratou de rodar com Vettel
e Raikkonen.

Chega a ser engraçado lembrar o que Lewis Hamilton disse no teste de
Abu-Dhabi.

"Estou tão feliz por não ter feito esse teste (com o pneu protótipo), porque
o carro é muito diferente.

Eu fiz algumas voltas no teste de Abu Dhabi no carro de 2015 e era muito
diferente do atual.

Teria sido um desperdício do meu tempo, estou feliz por não ter feito isso.

Não faz diferença."

Hoje a Mercedes W08 é uma diva cheia de vontades, difícil de ser tratada e por
vezes imprevisível.

Dando muito mais trabalho para a Casa de Brackley.

Ao todo, Hamilton rodou 50 km nos testes.

Vettel?

2.228 km.

Calendário

Programação de testes da Pirelli 2017:

18-19 Abril: Ferrari no Barein

16 e 17 de Maio: Renault e Toro Rosso em Barcelona

31 de Maio 01 de Junho: Red Bull Racing em Paul Ricard (pneu de chuva)

02 de junho: Ferrari em Fiorano (pneu de chuva)

29 e 30 de Junho: Red Bull Racing em Paul Ricard

18 e 19 Julho: Williams e Haas em Silverstone

19 e 20 de Julho: McLaren Honda em Magny-Cours

1 e 2 de Agosto: Mercedes em Hungaroring

3 e 4 de Agosto: Ferrari em Barcelona

7 e 8 de Setembro: Mercedes em Paul Ricard

31 de outubro e 1 Novembro: Sauber e Force India no México

14 e 15 de Novembro: McLaren-Honda em Interlagos

Programa

Falando nisso, Antonio Giovinazzi participará de sete sessões de treinos livres
com a Haas no restante desta temporada.

Inglaterra, Hungria, Itália, Malásia, México, Brasil e Abu Dhabi foram os locais
escolhidos.

Somente Kevin Magnussen cederá seu carro seis vezes para o terceiro piloto
da Ferrari.

Calma que o dinamarquês tem contrato até o final de 2018.

Perguntas

Ao final da temporada, quem estará mais valorizado?

Sergio Perez ou Esteban Ocon?

USA

Houve muita festa sobre a participação de Fernando Alonso nas 500 Milhas
de Indianápolis.

Porém um dado não foi muito notado.

A audiência americana caiu quase 10% em relação a edição do evento do
ano passado.

Por Fim

Metade do ano.

Metade.






















17 comentários:

Renato Santos disse...

Mas também, deram um carro pela metade para o guri! ele est´´á tentando deixar os carros assim!

Nobru disse...

Um tempo para Stroll.

Jacinto disse...

Em relação ao Kubica, um carro de 2012 é representativo dos desafios atuais da F1? Todos dizem que os carros de 2017 exigem mais preparo físico dos pilotos e o problema do Kubica é justamente físico, em virtude das sequelas decorrentes de seu acidente...

Danilo Silva disse...

> F1 testando no Brasil em dia útil (fora sexta-feira)! Primeira vez desde os testes de Jacarepaguá na década de 80?

> Seria interessante comparar com a audiência de 2015 e anteriores, afinal ano passado foi a especial 100ª edição...

Rafael disse...

Corradi, quanto a audiência da Indy ter caído, faltou só uma coisa você mencionar (que muda tudo), a etapa do ano passado foi a centésima! 100! Super festiva e divulgada.

rodolfo marques disse...

rafael nao tem nada haver a audiencia da indy500 deste ano foi a pior de todos os tempos junto com 2010.

Jobson Mendes disse...

Corradi,

Na McLaren é Castrol.

Abs

Eduardo Casola Filho disse...

Danilo Silva, dia 15 de novembro é feriado da Proclamação da República, portanto, não será um teste em dia útil, bem dizer. Se liberarem para o público acompanhar, aí os cabeças de gasolina vão ter mais uma oportunidade de ver carros na pista.

Clube do Fusca de Áurea disse...

Tá parecendo mais uma gentileza do que realmente um teste. Creio que não estão cogitando um retorno dele. Imagino que o Kubica deve ter insistido muito (mas muito mesmo) para conseguir esse teste... então ofertaram um carro de 2012...
Eu admirava muito o piloto polonês, agora admiro a pessoa dele (buscando vencer desafios...)

maxwellman disse...

Em relação a Mercedes... era Nico quem ajustava o carro, mas ele também era escalado para os testes com os pneus?

Rafael Vieira disse...

Corradi,jamais vou duvidar do senhor e suas fontes, mas aqui nos USA o badala das 500 milhas por conta e um Bicampeã de F1 estar presente foi incrível. Surpreso com números abaixo.

Humberto Corradi disse...

Jobson Mendes

Você está correto.

Valeu

Humberto Corradi disse...

maxwellman

Na verdade Mercedes e Red Bull (sem falar na McLaren!!!) subestimaram os testes.

E também não houve iniciativa dos melhores pilotos em buscar mais conhecimento.

Quem foi (caso de Vettel) está com menos dificuldade agora.

Valeu

Paulo Heidenreich Jr disse...

A Ferrari entendeu melhor o regulamento ? Sim, era preciso. Se houvesse um desempenho fraco como nas temporadas anteriores, esta seria a última temporada de muita gente em Maranello, principalmente para Vettel. Méritos também para ele, por tanta dedicação e empenho.

Sobre Kubica, concordo com o Clube do Fusca de Áurea. Ele (Kubica) não tem mais condições de pilotar um F1 em uma temporada completa e com alto desempenho.

Sobre a audiência, talvez a ideia foi de popularizar o evento fora dos US. Sabia que a audiência foi o dobro do GP de Mônaco na Espanha ?

Anônimo disse...

precisa ver qnto foi a audiencia pela internet... essa acredito que aumentou ;) hj é uma realidade acompanhar eventos via youtube por exemplo...

felipe

rodolfo marques disse...

rafael a indy registrou a pior audiencia desde 1986 https://www.ibj.com/blogs/4-the-score/post/64016-indy-500-tv-ratings-decline-nationally-locally

rodolfo marques disse...

aqui os numeros
2017 3.4
2016 4.1
2015 4.3
2014 3.9
2013 3.7
2012 4.3
2011 4.0
2010 3.6
2009 4.0
2008 4.6
2007 4.3
2006 5.0
2005 6.5
2004 4.1
2003 4.7
2002 4.8
2001 5,8