sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Rascunho Atrasado























O Team Haas.

Com a cabeça de Teddy Mayer e as mãos de Patrick Tambay e Alan Jones.

Coração Ford.

1985.

Estamos naquele período de vácuo.

Entre o final da temporada e o início dos testes de inverno.

As notícias diminuem.

O Blog não vai parar.

Há muito no estoque.

Falta tempo para escrever mais!

Agora foi a vez de Toto Wolff confirmar a informação de que Max Verstappen
está na mira da Mercedes.

Informação conhecida dos leitores deste espaço.

Porém o comandante da Mercedes não vai brigar pela promessa.

Wolff quer que Verstappen resolva com a Red Bull se quer sair ou não.

Você sabia que (antes do veto de Ron Dennis) a Honda disse para a Red Bull
que o preço da sua unidade de força era de 35 milhões de euros?

Falando ainda sobre os energéticos, quem encerrou sua relação com a Red Bull
foi o português Felix da Costa.

Depois de Peugeot e Audi, agora é a vez da Jaguar se juntar à Fórmula E.

A marca inglesa está sendo conduzida pela Williams, que fornece as baterias
para a categoria elétrica.

Outra.

A Mahindra passou a ser controladora do lendário estúdio Pininfarina.

Novos tempos.

Palco da melhor corrida de 2015, o circuito de Hungaroring foi todo reformado.

Colocaram até um asfalto novo.

Navegando dentro do portfólio da Volkswagen, Stefano Domenicali poderá
trocar a Audi pela Lamborghini.

Aldo Costa não quer saber de mudanças no regulamento para 2017.

O desenhista do foguete da Mercedes está mais do que feliz com o Status Quo.

Os acionistas da Aston Martin não estão empolgados com essa tal de Fórmula 1.

Por fim.

Na confusão entre os pilotos da Mercedes em Spa-Francorchamps do ano passado,
Flavio Briatore elaborou uma proposta de troca.

A Ferrari cederia Fernando Alonso para que Lewis Hamilton deixasse a estrela de
prata e rumasse para Maranello.

A própria Scuderia Italiana tratou de matar tal possibilidade.

Em segredo, o acordo com Sebastian Vettel já havia sido concretizado.

Briatore não desistiu.

As insatisfações recentes de Toto Wolff trazem uma nova esperança.

A McLaren não ficaria triste se algo do tipo acontecer.

Apesar das aparências, existem muitos questionamentos sobre o piloto
espanhol.

Possibilidade?

A esperança é a última que morre.

Mas morre.

7 comentários:

Anônimo disse...

Sobre as fotos do post...

Na primeira foto o segundo GP da equipe. GP da Europa de 1985 em Brands Hatch. A estréia havia sido em Monza, 2 GPs antes. O carro, uma Lola THL1 (ou Lola Beatrice?) usava um motor turbo Hart, o 415T.

Na segunda foto, o carro já é a Lola THL2. Na temporada 1986 a equipe começou com os "velhos" THL1 Hart e a partir da 3a etapa para Jones e 4a etapa para Tambay foram de THL2 Ford.

Esse motor Ford era um V6 turbo de 1.5 litros, o GBA, exclusivo do Team Haas - mesmo porque era a única equipe com motor Ford em 1986! - Era "direto" da fábrica e não um "Ford Cosworth"...

As maiores diferenças entre os 2 carros está na metade traseira. O THL2 parece ter uma distância entre-eixos menor, a carenagem sobre o motor é ligeiramente mais curta e mais baixa, com curvatura mais acentuada que a do THL1. Os sidepods são também levemente mais baixos.

GP de San Marino, Imola, 3a etapa de 1986. Jones com o THL2 Ford e Tambay com o THL1 Hart. Compare:

==>> http://blogs.c.yimg.jp/res/blog-f9-4b/bou_ck/folder/354151/54/8509654/img_2?1337519588
==>> http://blogs.c.yimg.jp/res/blog-f9-4b/bou_ck/folder/354151/78/8440678/img_2?1302361374

O Team Haas acabou ao final da temporada 1986. No ano seguinte, a Benetton herdou o motor turbo Ford (e apenas nesse ano). As demais equipes que usaram motores Ford, em 1987, foram de Ford Cosworth aspirado de 3.5 litros, o DFZ.


um abraço,
Renato Breder

Felipe disse...

Olá!

Não seriam Audi e Renault na F-E como montadoras? Não me lembro de ter visto Peugeot por lá... Mas vai ser legal com a entrada da Jaguar.

A propósito, seria interessante indagar sobre a decisão "dificil" que o jovem Schumacher tem nas mãos. Ferrari ou Mercedes? Daria um belo post. Eu apostaria na Ferrari, sem dúvidas!

maxwellman disse...

Caro esse motor da Honda... ainda mais pelo que oferece.

juniorcaixote disse...

Tem um vídeo no YT contando a trajetória de desenvolvimento desse motor Ford. Só não posto o link agora pq o 3G da morto não tá ajudando.

Daniel Chagas disse...

Se a F-e ir evoluindo( como vem acontecendo) e a F1 ficar nesse caminho a categoria dos elétricos vai a médio prazo ameaça-la em termos de interesse de mídia e fãs.Alguma coisa deve ser feita....A sorte é que a F1 ainda é forte e mesmo com esses regulamentos e procedimentos em geral bizarros ela sobrevive, mas até quando? Por mim poderiam voltar os v8 ou v10 só pra começar, fora outras coisas que não dá para comentar aqui se n o texto iria ficar gigante!

Marcos José disse...

A Haas estreou em 1985 no GP da Itália apenas com Jones, Tambay faria companhia a Jones na equipe em 1986 com o fim de seu contrato com a equipe Renault em 1985 (a equipe francesa decidiu sair da F1 ao final de 1985, Tambay que era um velho conhecido de Carl Haas na CANAM foi contratado pra 1986 para ser o companheiro de Jones na equipe). Com a mudança da direção da Beatrice no começo de 1986 (a nova diretoria decidiu pelo fim do seu envolvimento no automobilismo), levou a Team Haas Lola (daí o "THL" do nome do chassi) a correr toda a temporada de 1986 sem grana suficiente para poder continuar em 1987 (a equipe americana seria vendida para Bernie ao final da temporada de 1986 por causa disto). Na verdade nunca existiu o tal "envolvimento oficial" da Lola neste projeto (Carl montou uma empresa chamada FORCE para a fabricação dos chassis que seriam usados pela equipe mas como Haas era o representante oficial da Lola nos "States", ele a batizou de "Lola" durante este período da existência de sua equipe na F1; a Lola só retornaria com seu "projeto próprio" visando a F1 apenas em 1987 com a Larrousse). A Peugeot criou uma marca "premium" chamada DS na Europa recentemente e é bem provável que a Peugeot esteja utilizando a F-E para promover a marca (DS) mundialmente. A decisão da Aston Martin se vem ou não será dada apenas em Janeiro (mas a própria marca já divulgou que se não entrar em 2016 planejará entrar em 2018 e é bem provável que a Diageo nem mesmo compre a Force India durante este período ou...será que a Manor mudará para "Aston Martin" em Janeiro de 2016!?). Depois da Bertone fechar as portas por falência o destino da Pininfarina teria o mesmo caminho também. E pra terminar...Sergio Marcchione está muito "falante" nestes últimos dias (o que será que ele está "planejando"?)...

Renato Santos disse...

Eu gostaria muito de ver o Briatore de volta, ao invés dessas caras fechadas que só abrem a boca após consultar assessoria jurídica, de imprensa, o Toto (mesmo sendo de outra equipe) e o Bernie. Falcatrua, espionagem, lavagem de dinheiro, manipulaão econômica, o Flavio é um anjo perto do que rola.