terça-feira, 25 de julho de 2017

Clipping


























C'est la vie.

DTM, WEC, WTCC...

Não importa muito a sigla.

São menores.

Auf Wiedersehen

A Mercedes anunciou de forma abrupta que deixará a tradicional categoria
de carros de turismo da Alemanha e moverá suas forças para a Fórmula E.

Depois do acontecido, faz sentido.

A noviça categoria elétrica ainda oferece menos visibilidade que a Deutsche
Tourenwagen Masters.

Mas demonstra capacidade de crescimento por desejar atingir todo o planeta
com seu calendário.

Invadindo as ruas das cidades.

E ainda permite o ganho de mais uma plataforma para preparação de pilotos
numa categoria de monoposto.

Lembre-se que Pascal Wehrlein e Esteban Ocon tiveram passagem pela DTM.

Nos próximos anos os meninos cuidados pela Estrela de Prata deverão estagiar
nos elétricos.

Detalhe.

A mudança está sendo feita de forma cuidadosa.

Pois o plano da marca alemã é dominar tanto a F1 quanto a Fórmula E.

Olhando os pilotos da marca que competem na DTM, somente os austríaco
Lucas Auer possui possibilidade de ascensão hoje.

Auer estará nos testes de Hungaroring da Fórmula 1 pilotando uma Force India.

Repare que BWT (que pinta os carros de rosa) já sabendo de toda a movimentação
(Mercedes - DTM) se antecipou e fechou acordo de patrocínio com o time de Vijay
Mallya (Force India).

Garantindo assim sua presença num time ligado a Mercedes na F1.

Para fechar, o nome de Nico Rosberg foi citado como sendo ligado nessa tomada.

Será?

Senta e Toma um Café

A Honda diz duas coisas.

Que fica com a McLaren em 2018.

E que ainda conversa com a Sauber.

A Vaga na Williams

Foi interessante ouvir de Jenson Button que ele possui proposta da Williams.

Outro dia falei de Alonso.

Claire parece buscar uma estrela para atrair patrocinadores.

Em suas palavras.

"Qualquer motorista que fizer o mesmo que Felipe (Massa), estará apto
a tomar o cockpit no próximo ano."

Assim nada certo para 2018.

Filho Pródigo

Falando nisso, Valtteri Bottas precisa confirmar seu posto na Mercedes.

Pelo que eu entendi, não há volta para Grove.

Teste

Mais uma da Williams.

Luca Ghiotto foi escalado ao lado de Felipe Massa nos testes da Hungria.

Italiano e piloto da F2.

Registros.

Ghiotto disputou de forma ferrenha o título da GP3 com Esteban Ocon
em 2015.

E por pouco não teve uma chance com a Red Bull depois disso.

(Helmut Marko, por vezes, é severo demais)

Futuquei a história e não achei nada demais.

Porém eu sei que tem coisa aí.

Ninguém consegue um teste do nada sem mais nem menos.

Conta

"Não entendo como temos (F1) apenas 5 patrocinadores e a Nascar possui 43."

Chase Carey.

Conta 2

A UPS renovou seu acordo com a Ferrari.

A Philip Morris continua sendo o maior apoiador.

Se você não sabe, a dona da marca Marlboro ainda tem contrato até 2019
com a Scuderia Italiana.

Hungria

Sem pânico.

Nós ainda temos algo.

A tendência é vermos Ferrari e Mercedes mais próximas.

Por conta das características do autódromo.

Que é bem diferente de Silverstone.

Mais.

Como a potência do motor não deverá ser o fator determinante, e nessa
altura do campeonato, todos esperam que Red Bull e McLaren apresentem
uma performance melhor do que nas praças anteriores devido ao fator
aerodinâmico.

O crescimento das Flechas de Prata é evidente.

Trouxe sucessivas melhorias no peso, aerodinâmica e mecânica em Barcelona
e Montreal.

Outro fator que fez diferença contra a Ferrari, depois da Áustria, é o questionamento
na FIA sobre o fundo do carro, que acabou tendo que ser alterado com uma pequena
vedação que deixou Gina mais instável.

Achar o setup ficou difícil e trabalhar no limite dificulta o trato dos pneus.

Mostrar que acharam o caminho novamente é essencial para os italianos.

O Holandês Voador

A movimentação do mercado deve obrigar a Red Bull a rever seus planos
com Max Verstappen.

Sim.

Há um contrato sem brechas até 2019.

Entretanto ele precisa receber tratamento de estrela para continuar.

E isso significa novos valores.

Já aconteceu algo parecido no passado na mesma casa do energético
quando Vettel começou a colecionar vitórias.

E títulos.

Os novos vencimentos de Verstappen não devem chegar ainda aos
30 ou 40 milhões de euros anuais dos campeões.

Algo em torno de 20 milhões de euros a partir do ano que vem, com
uma renovação para mais três temporadas deve fechar o acordo.

Assim o holandês estaria com 100 milhões de euros na conta ao final
do novo ciclo (2022).

Nada mal.




















18 comentários:

Gabriel Pereira disse...

Acho difícil eles pagarem 20 pro Max sendo que pagam 10 para o Ricciardo.
Mas enfim..um aumento é um aumento.
Queria ver essa Red Bull brigando por vitórias para testar a paz dentro da equipe com esses dois super pilotos.
Outra Desejo.Alonso na Renault..
Equipe de fábrica e tal...Ele mereceria.
A wec e a DTM tendem a sumir.
Muitos campeonatos para poucas montadoras.
Fica complicado.É uma pena.

Gabriel Pereira disse...

Corradi.

Na hipótese do Alonso sair da Mclaren(Acho difícil)
Quem seria o sucessor natural desse cock-pit ao lado do Vandoorne?

Daniel Chagas disse...

Sempre achei a F-E uma categoria com potencial para rivalizar com a F-1 em um futuro não tão distante.O futuro do automobilisno em geral é a eletricidade, não tem jeito. Na Alemanha por exemplo até 2030 carros movidos a motor de combustão serão proibidos, sendo assim, não me surpreende esse movimento da Mercedes.

Társio disse...

Acho q com a entrada da Mercedes para a F-E sera o fim da DTM, visto que a Audi entrou este ano, BMW no proximo e Mercedes em seguida...

Abc
Tarsii

Richard disse...

Ainda não foi batido o martelo sobre essa questão no Parlamento Alemão.
Somente um, como no Brasil, um projeto de lei do PV deles.

Fabio disse...

Me parece que a FE é reprimida propositalmente pela Fia, que indiretamente tem poder sobre as duas e não teria interesse (lucro) com a FE sobrepujando a F1

Júnior disse...

Você aparece com boas histórias mas, infelizmente, como todo jornalista, joga pra torcida, se contradiz demais e escreve umas coisas típicas pra que o circo pegue fogo. Primeiro, a história do Alonso na Ferrari quase como certa, depois dele na Williams, quando todos sabem que a equipe do tio Frank jamais pagou fortunas pra pilotos. E assim vai. São algumas coisas interessantes de ler. Mas outras, realmente fantasiosas demais. Mas enfim, como é um blog, fala-se o que quiser, lê quem quer e quem achar ruim que pare de ler. Simples.

Humberto Corradi disse...

Junior

Se a história de Alonso com a Ferrari fosse tão fantasiosa, o próprio presidente da empresa não iria até um GP dizer que não havia interesse no piloto espanhol.

Outra.

Confirmando o que o Blog já havia dito, Claire Williams disse em Silverstone que há interesse da equipe por Fernando.

Valeu

Anônimo disse...

"...Marlboro ainda tem contrato até 2019 com a Scuderia Italiana."

Aliás, se não me engano, o vermelho dos carros de Maranello é o vermelho Marlboro e não o "vermelho Ferrari"...


um abraço,
Renato Breder

Gustavo Siqueira disse...

"Não entendo como temos (F1) apenas 5 patrocinadores e a Nascar possui 43."
Chase Carey.

Sr. Carey, não entendo nada de marketing, mas a Nascar é uma categoria super americana concentrada dentro apenas de um país. A Fórmula 1 é mundial e, por consequência, patrociná-la nos quatros cantos do mundo custa MUITO mais dinheiro;

Lando Norris é do programa de jovens pilotos da McLaren, logo poderia ser o companheiro de Vandoorne caso Alonso saia e Button não volte (e Kimi não vá pra McLaren);


Pensa o pau que o Alonso daria no Stroll! A equipe está muito interessada nele mesmo, mas não creio que a Williams passe pela cabeça do asturiano (opinião minha);


Corradi, alguma novidade a respeito do Nasr? Li essa semana que ele ainda tenta um retorno à Fórmula 1 em 2018, mas já mira outras categoria como a Fórmula Indy, WEC e Fórmula E.

Humberto Corradi disse...

Gabriel Pereira

Numa situação em que o Alonso deixasse a McLaren acho que a equipe procuraria outra estrela.

Principalmente por exigência da Honda.

O primeiro nome seria Button.

A dificuldade em responder sua pergunta mostra que a McLaren-Honda não pensa nessa situação.

Valeu

Humberto Corradi disse...

Gustavo Siqueira

Nasr não conseguiu se associar a nenhuma escuderia em 2017.

Deveria estar pelo menos como reserva ou piloto de testes.

tipo Paul di Resta na Williams)

Nada, nem na Force India onde há um patrocinador comum.

Difícil a situação dele.

Valeu

Gustavo Siqueira disse...


Uma pena a situação do Nasr (e do Brasil na F1)... difícil mesmo um retorno.

Valeu!

Gabriel Pereira disse...

Deu pra ver que existe um interesse da Williams em não renovar com o Massa.
Com essa história de 'vamos esperar bastante pra definir nossos pilotos para 2018'
Certamente existe alguma coisa pra colocarem nesse cock-pit.
Tenho uma leve impressão de que o Stroll fica mais um ano.
Pelo dinheiro creio que vão dar mais uma temporada de alento pra ele.Mas o desempenho é péssimo.
A Williams é uma grande decepção.Pelo orçamento e pela estrutura deveria estar tranquila na frente da Force India.
Acho engraçado que o Don Fernando ameaçou sair e deve acabar ficando na Mclaren.Queria ver esse cara na Renault.Ajudando o Nico a desenvolver esse projeto.

Sobrando uma vaga na Mclaren..
Quem sentaria lá?Raikkonen ou Massa.
a ver..

David Félix Krapp disse...

É Corradi, por mais apaixonado por F1 que eu seja, se na proxima temporada for confirmado mesmo pelo conselho da FIA o halo e não tivermos pilotos brasileiros... minha audiencia vai migrar pra outras categorias...

Tardellisanches Sanches disse...

Eu acho que quem manda nesse mercado e o toto,conradi ja pensou na possibilidade do massa na F-E pela mercedes,assim botas volta pro seu lugar????

André Luiz disse...

Corradi bom dia!

Você acha que tem alguma possibilidade da FIA voltar atrás com o uso do HALO para o ano que vem? De repente o conselho vetar essa proposta, isso já aconteceu antes de o conselho da FIA vetar propostas?

Pois a repercussão contra isso foi muito grande tanto pelos expectadores quanto pelo mundo da F1.

Humberto Corradi disse...

André Luiz

Não

Valeu