terça-feira, 10 de outubro de 2017

Japão - 2017

























O final de semana da Fórmula 1 na Terra do Sol Nascente prometia.

Os treinos livres foram movimentados.

E duas das três principais equipes fizeram opções inusitadas para o qualifying.

Diferente de Spa-Francorchamps (pista com características semelhantes)
Mercedes e Red Bull escolheram colocar mais downforce.

Enquanto que a Ferrari foi pelo mesmo caminho escolhido na Bélgica.

Mas a Scuderia Italiana não conseguiu brigar pela pole.

(diferente de Singapura e Malásia)

Com a potência da unidade de força fazendo diferença devido ao traçado
de Suzuka, a Mercedes com seu motor número quatro teve mais tranquilidade.

Lewis Hamilton fez a diferença no setor onde o motor importava mais.

Sabendo da punição de Valtteri Bottas, Sebastian Vettel arriscou tudo tentando
tirar alguns décimos.

Podia.

Sem uma unidade de força ideal a Red Bull não tinha como alcançar a Ferrari.

A aposta maior de Vettel ficaria para a corrida.

Sua simulação de corrida com pneu amarelo da Pirelli foi fortíssima.

Raikkonen, com o vermelho (supermacio), havia ficado bem perto dos tempos
de Lewis.

Ainda no sábado, ao terminar a classificação, a Mercedes imediatamente trocou
uma das velas do bólido de Hamilton.

Antes das luzes vermelhas serem apagadas o time de Toto Wolff já havia largado
na frente.

O mesmo problema atingiria a Ferrari de Vettel.

No grid foi impossível resolver.

Por diversas razões.

Gina tem um envelopamento melhor dos que as Flechas de Prata.

Principalmente na parte de trás.

Entretanto o "aperto" dificulta na hora de se mudar algo imprevisto.

O que normalmente se troca em 15 minutos, leva 40.

Com apenas cinco cilindros funcionando, Vettel ficou sem potência.

Abandonar foi questão de tempo.

O duelo ficaria entre Hamilton e Max Verstappen com uma surpreendente
Red Bull.

Sem problema com temperatura, o W08 foi bem na primeira parte da prova.

O drama veio na segunda parte.

O pneu amarelo não funcionou para Lewis como deveria.

(lembra da simulação de corrida da Ferrari?)

Com o tanque mais leve (menos combustível) a Mercedes viu o carro de Lewis
se comportar de forma bem diferente ao de Bottas que largou com o mesmo
composto.

Acontece que o carro mais pesado de Valtteri (mais gasolina) assentou melhor
no começo da prova com o soft (amarelo).

Verstappen aproveitou para sonhar com a vitória.

Protegendo Hamilton, Valtteri (com razão) e Alonso (?!?) seguraram Max.

Cada um no seu momento.

E assim Lewis venceu.

Daniel Ricciardo completou o pódio.

Valtteri "Kovalainen" Bottas e "Heikki" Kimi Raikkonen chegaram em seguida.

(o papel de coadjuvantes entristece)

Em ordem (obedecidas) Esteban Ocon e Sergio Perez colocaram a Force India
nos pontos.

O agressivo (é um elogio) Kevin Magnussen e (o lutador) Romain Grosjean
trouxeram a bandeira da Haas.

Felipe Massa fechou a lista daqueles que pontuaram.

Adeus para Jolyon Palmer.

(apesar do contrato, a pressão devia estar insuportável dentro da Renault)

E grande mudança para Carlos Sainz Jr.

A briga no meio do mundial de construtores está intensa.

Williams, Toro Rosso, Haas e Renault lutam pela quinta posição.

No mundial de pilotos, só uma combinação maluca tira o campeonato de Hamilton.

E devolve o sono para Maurizio Arrivabene.


14 comentários:

Daniel Chagas disse...

Infelizmente essa quebra da Ferrari acabou com a disputa acirrada que estávamos tendo neste ano na F1. Agora é só a Mercedes manter a confiabilidade e dar o tiro de mesicórdia nos EUA e Mexico.

Gabriel Pereira disse...

O ' sonho ferrari' fracassou de novo.
10 anos de apequenamento dessa Scuderia.
A soberba está acabando com eles.
é vergonhoso,eu repito VERGONHOSO...uma equipe desse tamanho,a mais famosa, a mais vitoriosa, a mais bem remunerada passar por uma situação dessas..
O campeonato do Vettel foi espetacular, nada tira os méritos dele.
O carro foi o melhor dos últimos anos e mesmo assim Seb o fez andar ainda mais na frente do que ele poderia em circunstâncias normais.
O resultado do Raikkonen não deixa dúvidas.
e sim...Hamilton vai vencer o campeonato mais importante de sua carreira.
Enfrentou outro gênio, que assim como ele também é uma anomalia dentro da F1.Falta o devido destaque para o Hamilton aqui nesse blog.
Eu espero que assim que consumado o título seja destacada a relevância da pilotagem desse inglês esse ano.
Você é grande Corradi..tão grande ao ponto de assumir sua torcida aqui no blog e mesmo assim ser respeitado por isso.
Estamos no aguardo.
As atuações do Hamilton em SPA,MONZA,SILVERSTONE E SUZUKA não deixam dúvidas do tamanho do talento natural desse britânico.
Belo campeonato,poderia ser melhor.Não fosse a incompetência da Ferrari em momentos cruciais..
2018 promete.
A Red Bull parece estar voltando..

Marques disse...

Hamilton fez a diferença na pista toda, não só onde o motor falava mais alto. Os 478 milésimos mostram isso.
Alonso foi punido por segurar Hamilton por mais de uma volta, não por ficar na frente de Verstappen meia reta. Se alguém atrapalhou Max, foi Massa.
Mas não passaria de qualquer jeito, como o próprio holandês falou.

Társio disse...

Bom, eu já cornetei no post anterior então agora seguem só algumas observacoes:

Achei interessante no final do Q2, quando Ham e Bot já haviam cravado os tempos que os levariam ao Q3, retornaram a pista com pneus novos (para a largada) e deram uma volta lenta apenas para registrar o tempo para poderem largar com pneus novos. Acho que isso também mostra bem o nivel de competição entre ferrari x mercedes. Ambas as equipes com postura minimalista de aproveitar toda e qualquer oportunidade para ganhar vantagem.

É uma pena para o mundial todas essas falhas, mas isso também é Motorsport. Pelo nível desta temporada, todos mereciam uma final mais apertada e disputada. Pelo menos a Red Bull está ai para bagunçar as coisas!

É triste também que a sorte que o Hamilton tem tido nestas ultimas corridas (e que ele nao teve em 2016-Sepang e 2012-Singapura, nas quais falhas mecanicas também limaram suas chances de ser campeao) está "mascarando" o nível que o Hamilton está pilotando este ano. Sem erros, inseguranças, falta de concentração, soberba, o que seja. Sem a "pressão" do Rosberg à sua sombra o tempo todo, Hamilton faz a melhor temporada dele na F1. Impecável na classificação, maduro e focado nas corridas. Ele realmente desenvolve melhor com um Kovalainen ao seu lado (assim como Vettel).

É impecável também a postura do Vettel quanto a imagem da Ferrari. Zero criticas até agora. Porém é importante lembrar que Alonso, até seu quarto ano de Ferrari também só louvava a equipe. Quando apos 5 temporadas percebeu que a organização italiana continuaria sempre sendo inconstante sua paciencia acabou (e nada de bom saiu disso, por enquanto para ambas as partes). Vettel ainda está na 3ª temporada com a Scuderia...

Uma mudança interessante para Sainz. Será bom para medir em qual nivel o Hulk realmente anda pilotando (todas as corridas ele larga bem e vai caindo e caindo)...

Palmer já vai tarde e não fará falta.

Ocon cada vez melhor. Sergio Perez já percebeu que vai ter cada vez mais trabalho...

Alonso como retardatário atrapalhou Vettel em Sepang, e Verstappen em Suzuka. E saiu só com 2 pontos na carteira... Ah se fosse o Magnussen que fizesse isso...

Independente da melancolia que parece que irá tomar conta do fim da temporada, tem algo muito importante acontecendo. Mercedes, Ferrari e Red Bull aparentam chegar ao final da temporada 2017 em nivel muito parecido! Isso promete para 2019!! 2 Tetracampeoes se enfrentando, e o momento em que Verstappen X Hamilton vão começar a se achar na pista está chegando!!

Abç
Tarsio

Julio disse...

Vettel devia parar de dar nome de mulheres para suas viaturas. Especialmente sendo estas italianas. Temperamentais demais...

Italo disse...

Esse negócio da vela e do envelopamento são informações que a gente não encontra muito fácil em alguns veículos esportivos.
É por isso que venho sempre aqui acessar teu blog, a gente encontra várias informações interessantes e bem embasadas.
Parabéns!

David Félix Krapp disse...

Uma pena essas últimas "tragédias" da Ferrari, uma (Cingapura) poderia ter sido facilmente evitada... mas todas são coisas de corrida... vale lembrar que Hamilton está na sua melhor temporada, a frieza que teve ao negociar as ultrapassagens nos retardatários no fim do gp do Japão mostram um piloto maduro... uma pegadinha no pé do Corradi... nas 3 últimas vezes se falou que o carro da Ferrari era muito superior, se pudesse correr, se tivessé largado... se isso é se aquilo... pra mim, apenas em Cingapura a Ferrari esteve realmente na frente... e citando Martin Withmarsh no ráudio do Kovalainen quando a vitória no GP da Hungria de 2008 caiu no colá dele por que a Ferrari do Massa quebrou faltando 3 voltas...

"...to win you actually have to finish..."

James Morais disse...

Vettel está construindo uma fodendo equipe em torno de si. Está fazendo o mesmo trabalho de Schumacher. Não vai demorar a aparecerem as vitórias e títulos em série.
Não duvido dele ultrapassar os 7 títulos.

WilliamC disse...

Espero que a Mercedes consiga resolver seu problema com suspensão para o ano que vem. Diferente da Redbull, o golpe que sofreu não permitiu que se encontrassem realmente esse ano.

Plinio disse...

A impressão que fiquei foi que Hamilton em momento algum acelerou o máximo que podia. Ele tá correndo da maneira mais segura possível.

Fabrizio Salina disse...

O texto diz tudo.

E, considerações à parte, o título de Rosberg cresce a cada dia.

Ednardo Vilela disse...

Só pra constar, foi amplamente dito que nessa simulação de corrida fortíssima de Vettel ele tinha consideravelmente menos combustível.
Basta olhar os tempos. Sua média é mais de um segundo melhor do que a de Raikkonen e Hamilton. Isso simplesmente não existe entre carros tão parelhos.

Humberto Corradi disse...

Ednardo Vilela

Simulando com a quantidade de combustível que estaria no tanque naquele momento da corrida.

Paulo Heidenreich Junior disse...

Corradi, o papel de coadjuvante te entristece pois na F1 de hoje não há espaço para disputas. A disputa entre Hamilton e Rosberg só existiu pois não existia a terceira opção. Não que Bottas (esperava mais dele) ou Kimi fossem disputar títulos, mas é preciso colaboração com a causa maior (título de pilotos). Os dois filandeses correm por necessidade de estar onde estão e nesse caso, obedecerão sem pestanejar.